Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 12 de maio de 2016. Atualizado às 17h44.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Siderurgia

12/05/2016 - 17h44min. Alterada em 12/05 às 17h44min

Companhia Siderúrgica Nacional fará novo aumento de preços de 10% em junho, diz Steinbruch

Citando uma defasagem do preço do aço no Brasil em relação ao mercado externo, o presidente da Companhia Siderúrgica Nacional (CSN), Benjamin Steinbruch, disse que a empresa se prepara para um novo aumento de preços, de 10%, para junho. O executivo lembrou que esse aumento ocorrerá após um aumento de 10% em abril e de 10% em maio.
O diretor executivo Comercial da CSN, Luis Fernando Martinez, disse que o aumento de preços programado para junho já prevê a recente queda dos preços no mercado chinês e lembrou que, se o olhar for para os Estados Unidos, o diferencial de preços é ainda maior.
O executivo disse que o ajuste de maio já foi implementado para a rede de distribuição e que começa a ser passado para a indústria. Segundo ele, esse mesmo movimento será feito no aumento de junho. "Também iremos repassar esse aumento para a indústria e recuperar as margens que perdemos", disse, em teleconferência com analistas e investidores.
Martinez disse que a projeção para vendas de aço pela CSN neste ano segue em 5,6 milhões de toneladas, sendo três milhões para o mercado interno.
O diretor executivo da CSN, responsável pela área corporativa da empresa, Paulo Rogério Caffarelli, disse que, além do alongamento das dívidas da empresa com vencimento em 2016 e 2017, a companhia está estruturando operações com funding mais atrativo.
O executivo disse ainda que o foco segue na disciplina financeira e preservação de liquidez da companhia, bem como na recuperação da geração de caixa e também na implantação das ações visando desalavancagem.
O indicador de alavancagem da CSN saltou para 8,7 vezes no primeiro trimestre deste ano, ante 4,8 vezes observado no mesmo intervalo do ano passado e de 8,2 vezes no último trimestre do ano passado. A dívida líquida ajustada da CSN ao fim do primeiro trimestre deste ano foi a R$ 26,654 bilhões, crescimento de 33% na relação anual e alta de 1% ante o intervalo imediatamente anterior.
Com elevado endividamento, as despesas financeiras, sem considerar a variação cambial, da CSN no primeiro trimestre do ano somaram R$ 1,219 bilhão, o que representou um aumento de 181% em relação às despesas registradas no mesmo período do ano passado. Na comparação com o último trimestre de 2015, as despesas cresceram 129,6%.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia