Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 09 de maio de 2016. Atualizado às 22h41.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Comércio Exterior

Notícia da edição impressa de 10/05/2016. Alterada em 09/05 às 22h40min

Estudo defende acordos comerciais com EUA e UE

Brasil representa apenas 1,2% do comércio global, destaca a FGV

Embarque de contêiner no Tecon Rio Grande. Divulgação Tecon Rio Grande


TECON RIO GRANDE/DIVULGAÇÃO/JC
A adoção de um acordo comercial com os Estados Unidos, que elimine 100% das tarifas, possibilitaria ao Brasil aumento de quase 7% nas exportações e de 1,29% no Produto Interno Bruto (PIB). A conclusão é de estudo da Fundação Getúlio Vargas, feito a pedido da Câmara Americana de Comércio (Amcham) e apresentado ontem em São Paulo.
O material também simulou o impacto de um acordo de comércio com a União Europeia (UE). Neste caso, o Brasil teria aumento de cerca de 12% nas exportações e crescimento de 2,8% no PIB. "Acordos comerciais com os Estados Unidos e a União Europeia, com eliminação de tarifas e diminuição de barreiras não-tarifárias (NTBs), podem trazer benefícios econômicos para o Brasil a longo prazo", aponta o material.
CONTINUE LENDO ESTA NOTÍCIA EM NOSSA EDIÇÃO PARA FOLHEAR
CLIQUE AQUI PARA ACESSAR
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia