Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 09 de maio de 2016. Atualizado às 09h43.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Mercado Financeiro

09/05/2016 - 09h43min.

Petróleo sustenta bolsas da Europa, mas bancos da Itália pressionam Milão

As bolsas europeias operam na maioria em alta na manhã desta segunda-feira (9), apoiadas pelo avanço do petróleo, mesmo após a divulgação de dados comerciais frustrantes da China no fim de semana. Em Milão, os bancos italianos voltam a pesar sobre os negócios.

Mesmo diante de alguns sinais para cautela, o avanço do petróleo sustenta, ao menos por ora, as bolsas na Europa. Apesar de os números gerais da balança comercial chinesa terem sido fracos, aqueles relativos à importação de petróleo vieram positivos, o que apoia a commodity. Além disso, o incêndio que ocorre no Canadá e atrapalha a produção de petróleo em areias betuminosas no país também impulsiona o preço do barril da commodity.

Na Alemanha, um indicador positivo do setor industrial também ajuda a manter o dia positivo. As encomendas à indústria subiram 1,9% em março ante o mês anterior, acima da previsão de +0,6% dos analistas.

Na Grécia, por sua vez os juros dos bônus do governo do país recuaram bastante, após o Parlamento local aprovar no domingo medidas para reformar a previdência e também a elevação de impostos, numa tentativa do governo de reforçar o apoio de seus credores. Um comitê de ministros das Finanças da zona do euro se reúne nesta segunda-feira para discutir a estratégia fiscal grega.

Diante de alguns sinais positivos, as bolsas europeias dão menos peso aos números fracos da China. As exportações do país asiático caíram 1,8% em abril, na comparação com igual mês de 2015, revertendo alta de 11,5% de março e abaixo da previsão de estabilidade dos analistas. As importações tiveram retração de 10,9% no ano em abril, ante expectativa de queda de 4%. Nos mercados asiáticos, o Xangai Composto caiu 2,8% hoje.

Na Bolsa de Milão, ações de bancos provocam um dia de baixa. Banco Popolare lidera as perdas, em queda de 7,76% após os acionistas do banco, em reunião no sábado, darem o aval para um aumento de capital de 1 bilhão de euros antes de um plano de fusão com o Banca Popolare di Milano. As ações do Banca Monte dei Paschi di Siena tinham baixa de 5,02% e UniCredit perdia 2,09%.

Às 8h46min (de Brasília), a Bolsa de Londres subia 0,39%, Frankfurt avançava 1,87% e Paris tinha alta de 1,28%. Milão, por outro lado, caía 0,58%. No mercado de câmbio, o euro recuava a US$ 1,1383 e a libra avançava a US$ 1,4431, praticamente estável.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia