Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 04 de maio de 2016. Atualizado às 10h45.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

conjuntura internacional

04/05/2016 - 10h12min. Alterada em 04/05 às 10h45min

Setor privado dos EUA cria 156 mil empregos em abril

O setor privado dos EUA criou 156 mil empregos em abril, segundo pesquisa divulgada pela Automatic Data Processing/Macroeconomic Advisers (ADP/MA). O resultado veio abaixo da expectativa de analistas consultados pela Dow Jones Newswires, que previam +196 mil, e foi o número mais baixo desde abril de 2013, mas ainda na gama mais ampla em torno de 200.000 novos postos de trabalho que está em vigor desde 2010.
O dado de março foi revisado de 200 mil para 194 mil.
O número da ADP/MA é considerado um indicador sobre a tendência do relatório mensal sobre o mercado de trabalho do governo dos EUA (o chamado "payroll"), que engloba também dados do setor público e será divulgado na sexta-feira (06).

Índice da produtividade de mão de obra dos EUA cai 1,0% no 1º trimestre

A produtividade da mão de obra dos EUA no primeiro trimestre de 2016 registrou queda, enquanto o custo da mão de obra subiu, de acordo com dados do Departamento do Trabalho. O resultado é mais uma prova do fraco crescimento econômico dos EUA no início do ano e um declínio de longa duração na eficiência dos funcionários.
Entre janeiro e março, a produtividade dos trabalhadores norte-americanos cedeu 1,0%, melhor que a previsão de analistas consultados pela Dow Jones Newswires, que previam queda de 1,4%.
Já o custo unitário da mão de obra subiu 4,1% no período, acima da expectativa de economistas, de alta de 3,3%.
A produtividade no primeiro trimestre cresceu 0,6% ante o mesmo período de 2015. Os dados sobre produtividade podem ser voláteis e são revisados com frequência.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia