Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 09 de maio de 2016. Atualizado às 22h44.

Jornal do Comércio

Colunas

COMENTAR | CORRIGIR

Frases e Personagens

Notícia da edição impressa de 10/05/2016. Alterada em 09/05 às 20h53min

Frases e personagens

"As vendas do Dia das Mães no Estado foram acima do esperado. As previsões não eram boas, mas as vendas foram bem." Vilson Noer, presidente da Associação Gaúcha para Desenvolvimento do Varejo.
"O governo anterior não criou o marco regulatório das concessões rodoviárias simplesmente porque tal documento deve preceder as concessões. Portanto, deveria ter sido criado no governo Britto. O marco regulatório é a segurança que todos precisam para que tenhamos uma concessão regrada, transparente, com atividades, responsabilidades e garantias bem definidas. Tudo isso deve estar disposto previamente para evitar que estejamos, por até 30 anos e oito governos, vinculados a contratos leoninos, sem possibilidade de modificações e com sérios prejuízos ao Estado." Sérgio Neto, ex-presidente do Setcergs e atual vice-presidente institucional.
"A decisão do presidente da Câmara, Waldir Maranhão (PP-MA), de anular o processo de impeachment é de peso, tem repercussão e certamente foi tomada com embasamento." Edinho Silva (PT), ministro da Secretaria de Comunicação Social da presidência da República.
"Não tem cabimento esta decisão de um analfabeto funcional, o deputado Waldir Maranhão, presidente interino da Câmara. Como ele pode contrariar a decisão de 367 deputados, tomada em plenário?" Giovani Cherini (PDT), deputado federal.
"A mídia 'global' se fazendo de indignada e legalista. Jogaram o País na aventura do impeachment e se afundam, agora, no cinismo absoluto." Tarso Genro (PT), ex-governador.
"Acolhi os argumentos do advogado-geral da União, José Eduardo Cardozo (PT), por entender que ocorreram vícios no processo de votação, tornando nula a sessão. Os partidos políticos não poderiam ter fechado questão ou orientado as bancadas a votarem de um jeito ou de outro sobre o processo de impeachment. Os deputados deveriam votar de acordo com suas convicções pessoais e livremente, sem a pressão partidária." Waldir Maranhão, presidente interino da Câmara Federal.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia