Porto Alegre, segunda-feira, 18 de abril de 2016. Atualizado às 02h37.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
27°C
33°C
25°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 3,5240 3,5260 1,43%
Turismo/SP 3,4700 3,6600 1,38%
Paralelo/SP 3,4700 3,6600 1,38%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral | Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas | GeraçãoE
ASSINE  |   ANUNCIE 
COMENTAR CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR

Crise Política Notícia da edição impressa de 18/04/2016. Alterada em 18/04 às 02h14min

Cardozo afirma que petista recebeu decisão com 'indignação e revolta'

Logo depois do anúncio do resultado da votação na Câmara, o advogado-geral da União, José Eduardo Cardozo (PT), fez um pronunciamento dizendo que a decisão foi recebida "com indignação e revolta" pela presidente Dilma Rousseff (PT). Ele afirmou que a Câmara fez um julgamento político, contrariando a Constituição. Ele disse que, ao contrário do parlamentarismo, o sistema presidencialista prevê que um processo de impeachment seja uma situação "excepcionalíssima".
De acordo com Cardozo, o objeto do parecer - os seis decretos de suplementação em 2015 e o atraso do pagamento ao Banco do Brasil - nunca foi discutido em profundidade. "Demostramos que não havia ilegalidade nos decretos e, quando o Tribunal de Contas da União mudou de opinião, o governo não os baixou mais. Então, não se pode se afirmar que houve má-fé, não se pode falar em crime de responsabilidade." O foco do governo é no presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL). Aliado do governo, Renan poderia utilizar os prazos regimentais para estender a análise do processo. Mas senadores do PMDB pressionam para que ele promova um rito veloz ao impeachment.

Leia o texto integral em nossa
ediÇÃo para folhear

  • Acesso gratuito, durante fase de avaliação, mediante cadastro.
  • Clique aqui para acessar.
COMENTÁRIOS
Deixe seu comentário sobre este texto.



DEIXE SEU COMENTÁRIO CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR
LEIA TAMBÉM
Romero Jucá defende que o PMDB não relate o impeachment no Senado
Aliado de Temer defende ainda que a ação no Senado seja rápida
Renan indica que não vai segurar trâmite do processo
'Golpe ficará na história como ato vergonhoso', diz Cardozo Câmara aprova impeachment de Dilma

 EDIÇÃO IMPRESSA

Clique aqui
para ler a edição
do dia e edições
anteriores
do JC.


 
para folhear | modo texto
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
Digite o resultado
da operação matemática
neste campo