Porto Alegre, terça-feira, 12 de abril de 2016. Atualizado às 22h45.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
22°C
28°C
21°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 3,4920 3,4940 0,02%
Turismo/SP 3,5100 3,6500 1,08%
Paralelo/SP 3,5100 3,6500 1,08%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral | Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas | GeraçãoE
ASSINE  |   ANUNCIE 
COMENTAR CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR

Editorial Notícia da edição impressa de 13/04/2016. Alterada em 12/04 às 21h07min

A mais sofisticada corrupção nos fundos de pensão

Enquanto os brasileiros estavam - e ainda estão - com os pensamentos voltados para a Comissão Especial do Impeachment na Câmara dos Deputados, eis que um outro escândalo foi tornado público.
A Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) dos Fundos de Pensão divulgou relatório, indiciando cerca de 200 pessoas envolvidas em esquemas fraudulentos que deram prejuízo de mais de R$ 3 bilhões a quatro das maiores entidades de previdência complementar do País.
Referida comissão analisou mais detalhadamente 15 casos e que apontaram fraude e má gestão dos investimentos feitos pelos dirigentes do Previ, dos funcionários do Banco do Brasil, do Petros, dos servidores da Petrobras, da Funcef, da Caixa Econômica Federal, e do Postalis, da Empresa Brasileira dos Correios e Telégrafos (ECT).
E incrivelmente, o ex-tesoureiro do PT João Vaccari Neto, já condenado por corrupção passiva e lavagem de dinheiro no âmbito da Operação Lava Jato, também foi indiciado. Vaccari é apontado como integrante de um acerto de propina na Petros. Na lista de pedidos de indiciamento ao Ministério Público Federal também está Alexej Predtechensky, conhecido como Russo e ligado ao PMDB.
À frente do Postalis, ele teria fechado contratos com consultorias que apoiaram aplicações suspeitas de conflitos de interesse porque seus executivos atuavam tanto no fundo de pensão como nos planos adquiridos.
A sociedade dos fundos na Sete Brasil, empresa criada para fornecer as sondas do pré-sal à Petrobras, também foi analisada pela CPI, que concluiu que as condutas dos dirigentes dos fundos foram incompatíveis com uma gestão responsável
Segundo o relatório, a Petros e a Funcef decidiram, por influência política, aportar bilionários valores no FIP Sondas, que detém 95% da Sete; os outros 5% são da Petrobras, sem observar a prudência exigida, assumindo elevados riscos que colocavam em evidente perigo o dinheiro dos beneficiários daquelas fundações.
A Previ também é sócia, mas tem uma participação minoritária. O relatório faz também recomendações à Comissão de Valores Mobiliários (CVM), ao Tribunal de Contas da União (TCU) e à Superintendência Nacional de Previdência Complementar (Previc) de melhoria do controle sobre os fundos de pensão patrocinados por estatais.
O texto do relatório, que deve ser concluído com mais de 700 páginas, ainda propõe alterações na governança dessas entidades, como a criação de um comitê de investimento e de auditoria interna.
O poder de veto proposto poderá ser usado por qualquer um dos membros da diretoria. Assim, haverá uma equivalência de poder entre os indicados pelo governo - como representantes das empresas patrocinadoras - e os eleitos pelos participantes. Os fundos de pensão, a partir da CPI, serão muito diferentes do que são hoje.
No ano passado, o rombo dos fundos de pensão alcançou R$ 77,8 bilhões, segundo levantamento da Previc, xerife do setor. O aumento em relação a 2014 foi de 151%.
Dez planos concentram 80% do déficit de todo o sistema, sendo que nove deles são patrocinados por empresas estatais oito federais. Os três maiores fundos do País, Previ, Petros e Funcef, respondem por mais de 60% do rombo. O Brasil deve ser passado a limpo em todos os setores, sejam públicos ou privados.
COMENTÁRIOS
Deixe seu comentário sobre este texto.



DEIXE SEU COMENTÁRIO CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR
LEIA TAMBÉM
Impeachment, ou a dúvida que paira sobre o Brasil
O impeachment, está claro, é um remédio democrático forte, dado como uma quase extrema-unção política sobre um presidente da República
A falência da representação política e os jovens
Milhões de brasileiros se perguntam como o deputado federal Eduardo Cunha (PMDB-RJ) pode continuar no cargo de presidente da Câmara Federal
Plano Diretor é sempre uma aposta para o futuro
O primeiro Plano Diretor de Porto Alegre é de 1959, quando o prefeito era José Loureiro da Silva
A doença crônica da assistência à saúde no Brasil
A assistência médica no Brasil volta ao noticiário, quase sempre, pela grita quase desesperada dos prefeitos, entre outros

 EDIÇÃO IMPRESSA

Clique aqui
para ler a edição
do dia e edições
anteriores
do JC.


 
para folhear | modo texto
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
Digite o resultado
da operação matemática
neste campo