Porto Alegre, segunda-feira, 11 de abril de 2016. Atualizado às 23h39.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
22°C
26°C
21°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 3,4930 3,4950 2,83%
Turismo/SP 3,5200 3,6900 3,14%
Paralelo/SP 3,5200 3,6900 3,14%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral | Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas | GeraçãoE
ASSINE  |   ANUNCIE 
COMENTAR CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR

artigo Notícia da edição impressa de 12/04/2016. Alterada em 11/04 às 20h03min

Sobre mudanças no Plano Diretor

Reginaldo Pujol

Li, atentamente, o texto estampado na página 2 do Jornal do Comércio de 8 de abril de 2016, com o título "Plano Diretor é sempre uma aposta para o futuro". E nesse contexto, ouso apresentar um breve reparo, o qual acredito ser passível de fácil correção, bastando para isso ser entendido no contexto em que está inserida a opinião já referida.
Em primeiro lugar, a alegação de que a proposta por mim apresentada não tenha sido debatida com a devida profundidade não se sustenta face a mais elementar análise, bastando para tanto que se verifique o largo período de tramitação do projeto, iniciado em 2011 e que é concluído agora, em 2016. Isto é, cinco anos de reuniões, debates, discussões e alterações no texto do projeto, e na realidade da cidade. É bom lembrar que minha proposição é uma decorrência do largo exame que precedeu a revisão do Plano Diretor efetivada em 2009 e que passou a vigorar em 2010.
De outro lado, e por igual, permito-me esclarecer a exata relevância da decisão majoritária do Legislativo da cidade no que diz com a flexibilização da venda direta do Solo Criado. Entendo que esse valioso instrumento disponibilizado à administração dos municípios deve ser utilizado como ferramenta a impulsionar um desenvolvimento urbano adequado as mais efetivas precariedades da municipalidade.
Acentuamos que o projeto transformado em lei, em nenhum momento impõe a renúncia do leilão. O que ficou estabelecido é a possibilidade de, ao critério do município, ser admitida, em situações especiais a compra direta sem a obrigatoriedade da licitação hoje imposta pela lei. Trata-se, tão somente, de colocar mais um instrumento, legal, na mão do Executivo, hoje refém de uma legislação que engessa sua liberdade de agir. Instrumento esse que busca somente um objetivo: potencializar os índices construtivos mediante critérios que devem ser predominantemente urbanísticos e não meramente financeiros.
Vereador de Porto Alegre (DEM)
 
COMENTÁRIOS
Deixe seu comentário sobre este texto.



DEIXE SEU COMENTÁRIO CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR
LEIA TAMBÉM
Não existe corrupção sem sonegação
Na esteira de uma grande jornada de combate à corrupção na política brasileira, onde fica evidenciada a participação de empreiteiras, partidos políticos, bancos e financeiras numa enormidade de transferências de recursos de mão em mão
Crise não precisa afetar qualidade de vida
Saindo do trabalho, uma manifestação nas ruas; na TV já faz tempo que as notícias não são boas
'Quem move o mundo?'
Hoje e amanhã, será realizada a 29ª edição do Fórum da Liberdade, idealizado pelo Instituto de Estudos Empresariais (IEE) na Pucrs, em Porto Alegre
Fanatismo
Como disse Roberto Campos, "A Constituição foi promulgada com a palavra 'direito' escrita 76 vezes, mas 'dever' aparece em apenas quatro momentos

 EDIÇÃO IMPRESSA

Clique aqui
para ler a edição
do dia e edições
anteriores
do JC.


 
para folhear | modo texto
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
Digite o resultado
da operação matemática
neste campo