Porto Alegre, segunda-feira, 04 de abril de 2016. Atualizado às 22h42.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
24°C
32°C
19°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 3,6140 3,6160 1,51%
Turismo/SP 3,5800 3,7500 0,53%
Paralelo/SP 3,5800 3,7500 0,53%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral | Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas | GeraçãoE
ASSINE  |   ANUNCIE  |   ATENDIMENTO ONLINE
COMENTAR CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR

Artigo Notícia da edição impressa de 05/04/2016. Alterada em 04/04 às 19h37min

Não ao PMDB e também aos fisiologistas

João Derly

O PMDB de Ulysses Guimarães, aquele que resistiu à ditadura e que, junto com outros movimentos sociais e políticos, abriu caminho até a democratização nos anos 1980, não existe mais. O partido que carrega a sigla hoje é fisiologista, viciado no poder e apegado aos cargos e aos conchavos. O PMDB de hoje é participante e beneficiário dos maiores escândalos da história da República.
Como que por ironia, esse partido, que foi criado justamente para ser o contraponto, funciona, desde a redemocratização, como a grande força que deu governabilidade aos presidentes da República desde José Sarney. Mas soube cobrar um preço alto por isso. Sempre, e mais especialmente nos últimos governos, acumulou ministérios e cargos em toda a hierarquia do Estado brasileiro, administrando orçamentos bilionários. Agora, que a estrutura de apoio ao governo e o próprio governo desabam aos olhos do mundo, o PMDB anuncia a sua saída da base com o intuito claro de descolar-se da trágica condução do País liderada pelo PT. Foi mais uma manobra para perpetuar-se no poder e para tentar livrar alguns dos seus caciques, contra os quais sobram indícios de crimes, dos julgamentos da nação e da Justiça. Mas há o outro lado da moeda. O próprio governo anuncia como positiva a saída do PMDB neste momento da crise. É óbvio. A debandada do maior partido da base abre milhares de cargos, que serão destinados aos novos amigos do poder. Certamente, serão usados como moeda de troca para angariar apoio contra o impedimento da presidente. Por isso, temos de ficar atentos. O PMDB de hoje, que tem Eduardo Cunha como um dos seus principais líderes - e, pasmem, comandante do processo de impedimento - não pode sair da crise como o salvador da nação. Mas também não podemos permitir que o descalabro do governo Dilma Rousseff (PT) prossiga. Chegou a hora de dizer "basta" à corrupção como um todo, sem olhar a cor da bandeira. Chegou a hora de dizer "chega" e de fazer uma limpeza na política. Os velhos caciques, que se alimentam do governo há décadas, não podem garfar o poder outra vez em benefício próprio.
Deputado federal (Rede)
COMENTÁRIOS
Deixe seu comentário sobre este texto.



DEIXE SEU COMENTÁRIO CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR
LEIA TAMBÉM
Marcas de Quem Decide
Este é o segundo ano consecutivo em que somos a marca mais lembrada e preferida do varejo na categoria de entidades empresariais
Porto Alegre no caminho da sustentabilidade
Incorporar a sustentabilidade está se tornando, cada vez mais, uma obrigação de qualquer cidadão
Geração de emprego contra a crise
O atual cenário econômico do País é uma discussão que tem dado muito "pano pra manga" em todos os setores da sociedade
Acupuntura e os profissionais de saúde
O Conselho Regional de Fisioterapia e Terapia Ocupacional da 5ª Região (Crefito5), vem a público manifestar-se quanto ao artigo "Acupuntura e a lei no Brasil"

 EDIÇÃO IMPRESSA

Clique aqui
para ler a edição
do dia e edições
anteriores
do JC.


 
para folhear | modo texto
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
Digite o resultado
da operação matemática
neste campo