Porto Alegre, domingo, 01 de maio de 2016. Atualizado às 22h39.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
12°C
20°C
12°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 3,4380 3,4400 1,68%
Turismo/SP 3,4000 3,5500 1,11%
Paralelo/SP 3,4000 3,5500 1,11%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral | Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas | GeraçãoE
ASSINE  |   ANUNCIE 
COMENTAR CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR

Segurança Pública Notícia da edição impressa de 02/05/2016. Alterada em 01/05 às 21h48min

Assaltos preocupam alunos no Centro

JONATHAN HECKLER/JC
Colégio Paula Soares fica próximo a um posto da BM e ao lado do Palácio Piratini

Jessica Gustafson

O Colégio Estadual Paula Soares, localizado no Centro da Capital, parece estar em uma região privilegiada no quesito segurança. Próximo a um posto da Brigada Militar (BM) e ao lado do Palácio Piratini, era de se esperar que a incidência de assaltos fosse menor que em outras áreas da cidade.
Infelizmente, essa não é a realidade. Com mais de 900 alunos, a escola atende ao Ensino Médio à tarde. Às 18h30min, se encerram as aulas. É nesse horário que muitos jovens cruzam a Praça da Matriz em direção às paradas de ônibus da Borges de Medeiros ou próximas ao Mercado Público. É também nesse horário que muitos são assaltados ou sofrem tentativas de roubo.
A vice-diretora do colégio, Rudiléia Paré Neves, conta que a situação é tão frequente que a avó de uma estudante entrou em contato com a escola pedindo para alterar o horário das aulas. Há casos também de transferências. "Estava preocupadíssima, pois a neta sofreu três assaltos em uma semana após sair do colégio. Nós não temos como mudar o horário, pois trabalhamos com seis períodos. O que estamos fazendo é orientar os alunos a saírem em grupo. A Praça da Matriz é um dos piores locais, pois ali é muito escuro", ressalta.
Segundo Rudiléia, a maioria dos assaltos se dá com uso de facas e com o intuito de levar celulares. "Eles nos contam que fazem Boletim de Ocorrência, mas não observamos nenhum policial passando por aqui no horário da saída. Eu moro próximo e também tenho medo de ir para casa", relata.
É fácil encontrar alunos que tenham sido assaltados ou que sofreram uma tentativa recente. Kimberly, de 17 anos, foi roubada duas vezes. Agora, não leva mais o celular para escola. "Levo a chave de casa no bolso. Se levarem a mochila, tenho como entrar em casa. Sempre tentamos sair em grupo, mas também não é garantia. Eles também assaltam em grupo", afirma. Tayna, também de 17 anos, diz que não pega mais o ônibus na Borges de Medeiros. Prefere descer até o Mercado Público, local que considera mais seguro. "Quatro caras com uma faca chegaram e me pediram só o celular", conta.
Já Daniel, de 17 anos, arriscou fugir dos assaltantes. "Isso aconteceu em março. Estava passando pela Praça da Matriz e dois caras vieram para cima de mim. Eu saí correndo e entrei dentro da Assembleia Legislativa. Já falamos com os policiais que ficam em frente ao Palácio e eles disseram que só trabalham na segurança do prédio, que não podem cuidar de quem está na rua", diz.
Para o tenente-coronel Marcus Vinicius Gonçalves Oliveira, do 9º Comando da Brigada Militar (BM), a situação relatada causa estranheza, pois a Praça da Matriz sempre tem um policial. "Temos o comando da BM na Fernando Machado e o Palácio Piratini nas proximidades. Em comparação com outras regiões da cidade, que apresentam maior escassez de policiais, o colégio está num local melhor. Acredito que eventualmente podem acontecer assaltos ali, mas não chegou nada ao comando", garante.
Segundo ele, a escola precisa interagir com a BM para relatar os episódios. "Vamos entrar em contato com a direção para ver como podemos melhorar isso. Já estamos desenvolvendo um projeto com escolas e cursos que têm aulas à noite no Centro para criar trajetos seguros até as paradas. Ainda não trabalhamos o turno da tarde, mas queremos expandir o projeto para outras localidades", completa.
COMENTÁRIOS
Deixe seu comentário sobre este texto.



DEIXE SEU COMENTÁRIO CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR
LEIA TAMBÉM
Homem é baleado dentro da emergência do HPS Homem é baleado dentro da emergência do HPS em Porto Alegre Câmara busca soluções para reduzir violência Entidades pressionam governo por solução para a crise prisional

 EDIÇÃO IMPRESSA

Clique aqui
para ler a edição
do dia e edições
anteriores
do JC.


 
para folhear | modo texto
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
Digite o resultado
da operação matemática
neste campo