Porto Alegre, segunda-feira, 18 de abril de 2016. Atualizado às 22h31.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
26°C
29°C
24°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 3,5960 3,5980 2,04%
Turismo/SP 3,4700 3,7300 1,63%
Paralelo/SP 3,4800 3,7300 1,63%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral | Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas | GeraçãoE
ASSINE  |   ANUNCIE 
COMENTAR CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR

Saúde Notícia da edição impressa de 19/04/2016. Alterada em 18/04 às 21h48min

UPA de São Leopoldo tem capacidade para 450 atendimentos por dia

JONATHAN HECKLER/JC
Repasse para o custeio da unidade será de R$ 1,1 milhão por mês

Suzy Scarton

Na contramão da tendência estadual, a prefeitura de São Leopoldo inaugurou ontem a primeira Unidade de Pronto Atendimento (UPA) da cidade. A partir das 8h de hoje, quatro clínicos e um pediatra estão à disposição 24 horas. Com capacidade para 450 atendimentos por dia, a UPA, de porte 3, dará prioridade a casos de urgência e emergência. Enquanto espera a habilitação do Ministério da Saúde, o município arcará com o custeio mensal, de R$ 1,1 milhão. Para evitar gastos com servidores, o valor será repassado à empresa Futura Saúde, responsável pela administração da unidade e contratação e funcionários, todos em regime CLT.
O diretor técnico da UPA, Mauro Sparta, afirma que, inicialmente, serão feitos, em média, 250 atendimentos por dia. "Ainda precisamos ajustar alguns detalhes. Temos que instalar a máquina de raio-x e revisar os sistemas de ar-condicionado, de informação e de eletricidade. Nada que impeça os pacientes de começar a vir", explica. No total, serão 164 profissionais, entre médicos clínicos, pediatras, enfermeiros e técnicos de enfermagem, técnicos de radiologia e assistentes sociais.
O principal objetivo da prefeitura é desafogar a emergência do Hospital Centenário, o único de São Leopoldo. De acordo com o prefeito Aníbal Moacir, a UPA se torna uma opção para os moradores da zona Norte da cidade. "Quem fica doente aqui, precisa atravessar a cidade para chegar ao hospital. Em horário de pico, fica tudo engarrafado. O pessoal precisava de uma alternativa", conta.
Para cumprir o pagamento enquanto não chega a habilitação do Ministério da Saúde, Moacir afirma que alguns investimentos serão sacrificados. "Às vezes, atrasamos o pagamento de fornecedores, ou uma conta e outra. Estamos priorizando a saúde", diz o prefeito, que pretende ir a Brasília o quanto antes para negociar.

Abertura de UPAs exige cautela e planejamento, alerta Famurs


A Portaria nº 342 de março de 2013, do Ministério da Saúde, determina que os custos mensais de uma UPA 24h são de responsabilidade tripartite entre União (50%), estados (25%) e municípios (25%). No caso de São Leopoldo, os repasses seriam de R$ 500 mil por parte do governo federal, R$ 350 mil do Estado e R$ 250 mil da prefeitura.
O assessor técnico da Saúde da Federação das Associações dos Municípios do Rio Grande do Sul (Famurs), Paulo Azeredo, explica que essa diferença se dá porque São Leopoldo tentará habilitar a unidade como qualificada, o que depende da comprovação do número de atendimentos. Para qualificar uma UPA de porte III, é preciso atender mais de 350 pessoas.
Para Azeredo, a abertura de qualquer UPA exige cautela e planejamento. "Eles estão assumindo um custo muito elevado. As prefeituras têm enfrentado dificuldades no custeio das unidades. É preciso cautela diante dos repasses estaduais e da garantia de habilitação por parte do Ministério da Saúde, que pode levar de quatro a seis meses", comenta. Além disso, muitas cidades têm dificuldades em comprovar a qualificação, uma vez que a demanda de atendimentos não é tão alta.
Existem 13 unidades fechadas por falta de repasses no Estado. Além de São Leopoldo, nos últimos meses, Sapiranga, Viamão, Erechim e Cruz Alta também abriram uma unidade. "Em Cruz Alta, como os repasses não chegavam, foi feito um Termo de Ajuste de Conduta, e a carga horária foi reduzida para 12h." Altos custos e dificuldade na contratação de profissionais são os maiores problemas.
 
COMENTÁRIOS
Deixe seu comentário sobre este texto.



DEIXE SEU COMENTÁRIO CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR
LEIA TAMBÉM
'Brasil não está preparado para surto de microcefalia', diz neuropediatra Anvisa estuda ir à Justiça contra liberação da pílula do câncer
A medida ocorre após a presidente Dilma Rousseff (PT) sancionar a lei que autoriza o uso da substância no tratamento de pacientes com câncer, mesmo após recomendação contrária de órgãos do governo, como o Ministério da Saúde e a própria Anvisa
Zika: estudo americano confirma pesquisa brasileira, diz ministério
O centro de controle americano anunciou a confirmação, com base em estudo que fez uma revisão rigorosa das evidências, de que o zika é a causa da microcefalia e de outros danos cerebrais identificados em fetos, cujas mães foram infectadas pelo vírus
Pílula do câncer: pacientes vão arcar com custos para aquisição, diz ministério
Por meio de nota, esclareceu que, com a autorização de uso, os pacientes interessados terão de arcar com todos os custos, já que a substância não foi incorporada ao Sistema Único de Saúde (SUS)

 EDIÇÃO IMPRESSA

Clique aqui
para ler a edição
do dia e edições
anteriores
do JC.


 
para folhear | modo texto
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
Digite o resultado
da operação matemática
neste campo