Porto Alegre, sexta-feira, 15 de abril de 2016. Atualizado às 13h51.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
32°C
32°C
24°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 3,5360 3,5380 1,78%
Turismo/SP 3,4700 3,6600 1,38%
Paralelo/SP 3,4700 3,6600 1,38%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral | Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas | GeraçãoE
ASSINE  |   ANUNCIE 
COMENTAR CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR

Saúde 15/04/2016 - 13h51min. Alterada em 15/04 às 13h51min

Anvisa estuda ir à Justiça contra liberação da pílula do câncer

Folhapress

A Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) estuda ir à Justiça contra a liberação da produção, distribuição e uso da fosfoetanolamina sintética, substância conhecida como "pílula do câncer".
A medida ocorre após a presidente Dilma Rousseff (PT) sancionar a lei que autoriza o uso da substância no tratamento de pacientes com câncer, mesmo após recomendação contrária de órgãos do governo, como o Ministério da Saúde e a própria Anvisa.
Para a agência, a liberação transforma em "medicamento" autorizado uma substância que, apesar de desenvolvida há 20 anos no Brasil em uma laboratório da USP, nunca passou pelos estudos clínicos necessários para comprovar sua segurança e eficácia.
"É importante ressaltar que liberar medicamentos que não passaram pelos devidos critérios técnicos significa colocar em risco a saúde da população", afirma a Anvisa, em nota.
A agência alega ainda que jamais recebeu nenhum pedido de solicitação de registro ou de autorização para que os ensaios clínicos obrigatórios fossem realizados por pesquisadores e produtores interessados.
Outros motivos também pesam para a agência avaliar a possibilidade de recorrer à Justiça contra a fosfoetanolamina. A avaliação é que, além de trazer riscos à saúde, a autorização pela presidente Dilma Rousseff também interfere na autonomia e reconhecimento da agência, responsável pelo acompanhamento e liberação de medicamentos no país.
Outros órgãos de governo evitaram se manifestaram com a mesma força sobre a decisão.
Questionada, Emilia Curi, ministra interina da Ciência e Tecnologia, pasta que financia pesquisas sobre a fosfoetanolamina, disse que a decisão ocorreu devido à forte comoção social e do Congresso, mas foi tomada "com cuidado" pela presidente.
Inicialmente, Curi negou que a medida tenha sido precipitada. Em seguida, porém, disse que, se pudesse, "como cientista e pesquisadora", teria pedido mais prazo para que o tema fosse analisado ou "que esperassem um amadurecimento das pesquisas".
Segundo a pasta, novos resultados de pesquisas, ainda na fase pré-clínica, devem ser divulgados neste mês. A previsão é que os estudos pré-clínicos sejam finalizados ainda neste ano. Em seguida, a substância poderá ganhar o aval para ser testada em humanos.
Em nota, o Ministério da Saúde informou que deve criar um comitê para estabelecer critérios específicos para a prescrição, uso e distribuição do produto.
COMENTÁRIOS
Deixe seu comentário sobre este texto.



DEIXE SEU COMENTÁRIO CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR
LEIA TAMBÉM
Zika: estudo americano confirma pesquisa brasileira, diz ministério
O centro de controle americano anunciou a confirmação, com base em estudo que fez uma revisão rigorosa das evidências, de que o zika é a causa da microcefalia e de outros danos cerebrais identificados em fetos, cujas mães foram infectadas pelo vírus
Pílula do câncer: pacientes vão arcar com custos para aquisição, diz ministério
Por meio de nota, esclareceu que, com a autorização de uso, os pacientes interessados terão de arcar com todos os custos, já que a substância não foi incorporada ao Sistema Único de Saúde (SUS)
Com dívida de R$ 1,4 bilhão, filantrópicos alertam para risco de fechamento de hospitais
Em encontro que reuniu mais de mil pessoas na Assembleia Legislativa, nesta quinta-feira, os trabalhadores dos 245 hospitais filantrópicos e Santas Casas do Rio Grande do Sul denunciaram o aumento da dívida dos estabelecimentos (com bancos, fornecedores e encargos trabalhistas), que ultrapassa R$ 1,4 bilhão
Dilma sanciona 'pílula do câncer' sem vetos
O produto poderá ser usado pelos pacientes, "por livre escolha", desde que tenham laudo médico que comprove o diagnóstico

 EDIÇÃO IMPRESSA

Clique aqui
para ler a edição
do dia e edições
anteriores
do JC.


 
para folhear | modo texto
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
Digite o resultado
da operação matemática
neste campo