Porto Alegre, quarta-feira, 06 de abril de 2016. Atualizado às 22h48.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
23°C
30°C
22°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 3,6450 3,6470 0,89%
Turismo/SP 3,5900 3,8100 0,52%
Paralelo/SP 3,5900 3,8100 0,52%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral | Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas | GeraçãoE
ASSINE  |   ANUNCIE  |   ATENDIMENTO ONLINE
COMENTAR CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR

saúde Notícia da edição impressa de 07/04/2016. Alterada em 06/04 às 22h33min

Estado registra mais duas mortes por gripe A

MARCELO G. RIBEIRO/JC
Algumas clínicas de Porto Alegre já registram falta da vacina

Suzy Scarton

O Rio Grande do Sul teve conconfirmadas mais duas mortes pelo vírus H1N1, causador da gripe A. Tratam-se de um idoso de 64 anos, morador de Flores da Cunha, na Serra, que possuía diabetes e cardiopatia, e de um caminhoneiro paranaense, que faleceu na terça-feira, em Vacaria, nos Campos de Cima na Serra.
De acordo com a prefeitura de Flores da Cunha, o paciente que faleceu chegou a ficar uma semana em casa, esperando convalescer. Como não melhorou, procurou o hospital e foi encaminhado a Caxias do Sul, onde morreu.
A Secretaria Estadual da Saúde (SES) irá liberar mais informações na tarde de hoje. No entanto, o secretário João Gabbardo dos Reis adiantou que não há motivo para "essa mobilização toda" em relação à vacinação. "Os números que temos estão absolutamente dentro da normalidade. Todos os anos, o número de óbitos que ocorrem pela Síndrome Respiratória Aguda Grave é relevante e muito maior do que os casos de óbito por H1N1", comentou.
Gabbardo insistiu que os grupos de maior vulnerabilidade, como crianças, idosos, gestantes e portadores de doenças crônicas, são os mais beneficiados pela vacina. "Não adianta pensar que a vacina deve ser dada para quem tem o maior risco de ficar doente, não é isso. A vacina é dada para quem tem maior vulnerabilidade, ou seja, se tiver gripe, pode ter complicações."
A SES ainda afirma que casos em investigação são comuns e que o Estado possui uma quantidade grande. Como também foram registrados óbitos em outros estados, inclusive Santa Catarina, vizinho do Rio Grande do Sul, a pasta não considera as mortes surpreendentes. A campanha nacional de vacinação se inicia em 30 de abril, mas o Estado começa a aplicar as doses no dia 25.
Clínicas particulares já estão oferecendo as doses por cerca de R$ 100,00. No entanto, na Capital, na Prophylaxis da avenida Ipiranga e no Núcleo de Vacinas do Hospital Moinhos de Vento, por exemplo, já não há mais vacinas disponíveis. Na clínica Imonuclin, na avenida Neusa Goulart Brizola, a tetravalente a partir de três anos está disponível por R$ 100,00. Há desconto para grupos com três ou mais pessoas.

São Paulo começou imunização com doses remanescentes


Em São Paulo, embora o governo não queira se referir ao aumento de casos como "surto", até o dia 29 de março, o estado havia sido notificado de 465 suspeitas e 59 óbitos pela Síndrome Respiratória Aguda Grave, atribuíveis ao vírus influenza. Destes, 372 casos e 55 óbitos foram relacionados ao H1N1. No ano passado, 65 pessoas morreram pelo vírus no estado.
Para tentar conter a propagação da doença, desde o dia 27 de março, a Secretaria de Saúde de São Paulo decidiu antecipar a vacinação em 67 municípios com doses remanescentes de 2015.
Ontem, o ministro da Saúde, Marcelo Castro, afirmou que o surto de H1N1 em São Paulo preocupa por ocorrer mais cedo do que o esperado para um aumento de casos. No Brasil, são 444 casos de agravamento dos sintomas e 73 mortes.
COMENTÁRIOS
Deixe seu comentário sobre este texto.



DEIXE SEU COMENTÁRIO CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR
LEIA TAMBÉM
Rio Grande do Sul registra menor taxa de mortalidade infantil da história H1N1 preocupa por circular mais cedo neste ano, diz ministro da Saúde
A campanha nacional está marcada para ocorrer em todo o país entre 30 de abril e 20 de maio
STF decide que USP só pode fornecer estoque da pílula do câncer
Segundo o Supremo, que tomou ontem (5) a decisão, a universidade alega que as ações que liberam a substância colocam em risco a saúde dos pacientes, pois a fosfoetanolamina não tem eficácia e qualidade comprovada
Casa Branca anuncia que destinará US$ 589 milhões para combate ao vírus zika
Anteriormente, esses recursos estavam destinados à luta contra o ebola, em grande medida bem-sucedida

 EDIÇÃO IMPRESSA

Clique aqui
para ler a edição
do dia e edições
anteriores
do JC.


 
para folhear | modo texto
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
Digite o resultado
da operação matemática
neste campo