Porto Alegre, terça-feira, 05 de abril de 2016. Atualizado às 23h46.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
27°C
32°C
25°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 3,6780 3,6800 1,76%
Turismo/SP 3,5800 3,7900 1,06%
Paralelo/SP 3,5800 3,7900 1,06%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral | Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas | GeraçãoE
ASSINE  |   ANUNCIE  |   ATENDIMENTO ONLINE
COMENTAR CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR

saúde Notícia da edição impressa de 06/04/2016. Alterada em 05/04 às 21h21min

MP-RS busca solução para abertura de UPAs

Juliano Tatsch

O Ministério Público do Rio Grande do Sul (MP-RS) reuniu, na segunda-feira, prefeitos de 17 municípios gaúchos para buscar uma solução negociada que resulte na abertura de Unidades de Pronto Atendimento (UPAs) as quais, mesmo com as estruturas físicas prontas ou praticamente prontas, seguem com suas portas fechadas.
A complexidade reside no fato de que todo o processo de abertura de uma UPA envolve os três entes federativos - União, Estado e municípios. Assim, desde a assinatura do convênio entre as três partes, seguindo as normas das Portarias nº 1.601, de 2013, que estabelece as diretrizes de implantação das unidades, e nº 342, de 2013, que redefine as normas e dispõe sobre o custeio mensal, até o início do funcionamento, tanto o governo federal quanto o governo do Estado e as prefeituras precisam estar alinhados.
A mediação do MP-RS foi solicitada pela Federação das Associações dos Municípios do Rio Grande do Sul (Famurs) e pelos próprios prefeitos, que alegam inviabilidade financeira para abrir as unidades e as manter em funcionamento. "Os prédios estão concluídos ou em fase de conclusão com verbas do governo federal. Além das unidades fechadas, temos outras 15 em funcionamento no Estado e alguns dos prefeitos dessas cidades reclamam que estão arcando com uma fatia muito grande do custeio", afirma o coordenador de Apoio Operacional dos Direitos Humanos do Ministério Público, Mauro Souza.
Conforme a Famurs, quando da contratualização com o ministério, o acordo previa que, de um valor de R$ 600 mil para custeio mensal, a União e o Estado arcariam com R$ 100 mil cada, e os municípios, com os R$ 400 mil restantes. "A quantia necessária para manter a UPA, entretanto, aumentou, mas tanto o ministério quanto o governo estadual não teriam feito acréscimos nos valores repassados às prefeituras. Há municípios que dizem estar colocando em torno de R$ 800 mil por mês para manter a unidade em funcionamento", explica o promotor.
Uma das propostas levadas pelos municípios para o encontro foi transformar UPAs em Unidades Básicas de Saúde (UBSs). A ideia, porém, é rechaçada tanto pelo governo do Estado quanto pelo Ministério da Saúde. "O ministério não autoriza a transformação em UBS, e o Estado diz que não repassará valores para unidades que não forem habilitadas como UPAs", diz Souza, que destaca não haver uma solução única para todos os casos, sendo necessária, portanto, uma abordagem individual. "O município firmou um convênio e precisa cumprir. Talvez tenha ocorrido um erro de avaliação quando dessa assinatura, mas agora, depois de assinado, tem de ser cumprido."
O promotor não descarta, em último caso, ingressar na Justiça contra os três entes cobrando a abertura das unidades fechadas. Na sexta-feira, haverá mais um encontro, desta vez com a prefeitura de Santo Ângelo, o Estado e o Ministério da Saúde, para tratar da unidade da cidade.
 
COMENTÁRIOS
Deixe seu comentário sobre este texto.



DEIXE SEU COMENTÁRIO CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR
LEIA TAMBÉM
Laboratório nacional entra em consórcio para novas drogas
A farmacêutica brasileira Aché entrou no SGC, uma parceria internacional para acelerar o desenvolvimento de novos remédios
Anvisa aprova nova droga para câncer de pulmão e melanoma
Os imunoterápicos, bola da vez da indústria farmacêutica, são medicamentos que agem ativando o próprio sistema imunológico para que ele combata a doença
Brasil tem 1.046 casos confirmados de microcefalia
Do total de registros acumulados desde agosto do ano passado até agora, 1.814 foram descartados, 1.046 foram confirmados para microcefalia e 4.046 estão sob investigação
Brasil já registrou 444 casos graves e 71 mortes por H1N1 neste ano

 EDIÇÃO IMPRESSA

Clique aqui
para ler a edição
do dia e edições
anteriores
do JC.


 
para folhear | modo texto
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
Digite o resultado
da operação matemática
neste campo