Porto Alegre, quarta-feira, 06 de abril de 2016. Atualizado às 13h23.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
32°C
30°C
25°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 3,6630 3,6650 0,40%
Turismo/SP 3,5900 3,8500 1,58%
Paralelo/SP 3,5900 3,8500 1,58%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral | Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas | GeraçãoE
ASSINE  |   ANUNCIE  |   ATENDIMENTO ONLINE
COMENTAR CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR

Saúde Notícia da edição impressa de 06/04/2016. Alterada em 06/04 às 13h23min

Emergências de Porto Alegre têm restrição no atendimento

MARCO QUINTANA/JC
Hospital de Clínicas recebe apenas pacientes graves

Suzy Scarton

Desde segunda-feira, as emergências de quatro dos principais hospitais da Capital apresentam superlotação, o que os levou a restringir o atendimento a casos graves e de emergência. A situação do Hospital de Clínicas é a mais crítica: ontem à tarde, 143 adultos disputavam um lugar entre 41 leitos, e 11 crianças, entre nove leitos pediátricos. No Hospital Conceição, havia 132 pacientes para 64 leitos.
Na Santa Casa de Misericórdia, o atendimento tem sido restrito há meses. Ontem à tarde, todos os 26 leitos do Sistema Único de Saúde (SUS) estavam ocupados, e, pela manhã, havia 28 pacientes. Na emergência do Hospital São Lucas da Pucrs, 26 adultos disputavam vaga entre 13 leitos do SUS. O atendimento está restrito a pacientes de classificação amarela, que demanda urgência, e casos ainda mais graves. Os leitos destinados a pacientes conveniados não apresentavam superlotação. No entanto, a emergência pediátrica também não atende com capacidade total, uma vez que o prédio passa por reformas.
A alta demanda de atendimento médico não está diretamente relacionada com a chegada do vírus H1N1 ao Estado. Entretanto, embora o inverno ainda não tenha começado e as temperaturas ainda estejam altas, o número de pacientes com sintomas gripais aumentou nos últimos dias no São Lucas e no Hospital de Clínicas.
Mesmo que ainda não haja vacinas disponíveis na rede pública estadual, os pacientes que procuram os hospitais passam pela triagem e, se confirmada a gripe A, recebem tratamento indicado. Em casos mais graves, o tamiflu pode ser utilizado.

Tamiflu está disponível em unidades de saúde da Capital mediante receita médica


Em Porto Alegre, o Oseltamivir, conhecido como tamiflu, está disponível nas unidades de saúde e farmácias do município. Para receber o tratamento, o paciente deve ter receita médica válida e dirigir-se a um dos locais de entrega.
No que se refere à prevenção, quem pertence aos grupos de risco tem prioridade na imunização. Quem sofrer de doenças respiratórias, cardíacas e imunodeficiências, por exemplo, deve procurar os postos a partir de 25 de abril. O Ministério da Saúde também recomenda que crianças de seis meses a cinco anos, gestantes, puérperas, trabalhadores da saúde e do sistema prisional, idosos, indígenas e presos recebam a dose.
O infectologista do Hospital Moinhos de Vento Paulo Ernesto Gewer Filho afirma que toda a população corre risco de se contaminar. "Todos deveriam ter direito à vacina. As pessoas mais vulneráveis podem desenvolver complicações maiores", argumenta.
De acordo com Gewer, quando os sintomas começarem, é importante procurar um posto de saúde ou um consultório médico, a fim de evitar a superlotação de emergências. O quadro inicial é de febre, mal-estar, perda de apetite, dor no corpo, dores articulares, de garganta e de cabeça, e cansaço. "Embora os sintomas sejam semelhantes, a intensidade de um resfriado é moderada. A pessoa consegue trabalhar ou ir à escola. A gripe, no entanto, impossibilita as atividades, e o paciente fica acamado", argumenta.
Com a propagação da dengue, da febre chikungunya e do zika vírus, algumas pessoas podem se confundir, uma vez que os sintomas são parecidos. No entanto, as doenças transmitidas pelo Aedes aegypti não provocam dor de garganta.
COMENTÁRIOS
Deixe seu comentário sobre este texto.



DEIXE SEU COMENTÁRIO CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR
LEIA TAMBÉM
Laboratório nacional entra em consórcio para novas drogas
A farmacêutica brasileira Aché entrou no SGC, uma parceria internacional para acelerar o desenvolvimento de novos remédios
Anvisa aprova nova droga para câncer de pulmão e melanoma
Os imunoterápicos, bola da vez da indústria farmacêutica, são medicamentos que agem ativando o próprio sistema imunológico para que ele combata a doença
Brasil tem 1.046 casos confirmados de microcefalia
Do total de registros acumulados desde agosto do ano passado até agora, 1.814 foram descartados, 1.046 foram confirmados para microcefalia e 4.046 estão sob investigação
MP-RS busca solução para abertura de UPAs
A complexidade reside no fato de que todo o processo de abertura de uma UPA envolve os três entes federativos - União, Estado e municípios

 EDIÇÃO IMPRESSA

Clique aqui
para ler a edição
do dia e edições
anteriores
do JC.


 
para folhear | modo texto
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
Digite o resultado
da operação matemática
neste campo