Porto Alegre, terça-feira, 26 de abril de 2016. Atualizado às 13h41.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
13°C
14°C
7°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 3,5230 3,5250 0,67%
Turismo/SP 3,4700 3,6800 0%
Paralelo/SP 3,4800 3,6800 0%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral | Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas | GeraçãoE
ASSINE  |   ANUNCIE 
COMENTAR CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR

Inovação Notícia da edição impressa de 25/04/2016. Alterada em 26/04 às 13h41min

Brasileiros desenvolvem projeto sensorial inédito

HANS ERIC OLSON/DIVULGAÇÃO/JC
Social Galaxy_Divulgação Hans Eric Olson (23)

Patricia Knebel

>Um túnel do tempo contemporâneo, espelhado do teto ao chão e que projeta o conteúdo de fotos, legendas e hashtags do Instagram de cada um dos visitantes. Tudo sonorizado e amplificado, oferecendo ao internauta uma experiência tecnológica humanizada da parte da sua vida que se passa na rede social.
É inovador, diferente e foi desenvolvido por dois brasileiros e um americano para a loja Samsung 837, inaugurada neste ano no Meatpacking District, em Nova Iorque (EUA). A previsão era que a exposição ficasse até 1 de maio, mas as filas diárias registradas no espaço deverão estender a experiência para, pelo menos, até agosto.
O ambiente é dedicado integralmente a experimentações. Lá, as pessoas não adquirem produtos da Samsung, mas podem vivenciar as novas tecnologias de uma forma diferenciada. E o ponto alto é, justamente, a Social Galaxy, como foi batizada essa iniciativa. "Somos designers de experiências e, como pudemos mostrar nesse projeto, a tecnologia pode ser a ponte para contarmos histórias significativas e humanas", explica Marcelo Pontes, sócio-fundador e diretor de arquitetura e design da Black Egg, companhia responsável por esse desenvolvimento.
A navegação pela Social Galaxy acontece em duas etapas. Na primeira parte, o usuário digita a conta do Instagram em um celular conectado ao espaço e atravessa o túnel das próprias experiências projetadas em mais de 300 telas. As fotos levam cerca de 30 segundos para serem carregadas.
A viagem termina em uma cabine onde o smartphone Galaxy S6 está à disposição para que o visitante faça uma mega selfie. Depois disso, a imagem é refletida em um telão equivalente a três andares de altura composto por 96 telas de LED. As pessoas que estão do lado de fora da cabine podem acompanhar tudo por meio de diversos olhos mágicos.
O projeto levou cerca de 90 dias para ficar pronto e foi desenvolvido de forma totalmente customizada. Aliás, essa é uma característica da Black Egg, já que a companhia não tem um portfólio fixo de produtos e soluções. "Somos uma espécie de alfaiataria da tecnologia e experiência. Temos um repertório de trabalhos experimentais e estamos sempre tentando criar coisas que nunca foram feitas antes", comenta Pontes.
Especializada na criação de experiências sensoriais por meio da tecnologia, a empresa foi fundada em 2013 por Pontes, Lucas Werthein e o americano Kenzo Digital, que assinou o show da cantora Beyoncé na edição de 2011 da Billabord Awards, quando a cantora criou um exército de Beyoncé durante a performance da canção Run the World.
A empresa tem sede em São Paulo, Rio de Janeiro e Nova Iorque, e já assinou projetos para Apple, Nike, Coca-Cola, o produtor musical Kanye West e a marca de roupas, perfumes e cosméticos Kenzo Paris.
Ao expertise de design, tecnologia e conteúdo dos três sócios são agregados os conhecimentos de profissionais de diversas partes do mundo, como Espanha, Inglaterra e Índia, que colaboram no desenvolvimento dos projetos. "É uma nova maneira de trabalhar também, já que o nosso mercado é o mundo. Buscamos os melhores engenheiros, programadores e outros especialistas independente do local em que eles estão fisicamente", diz o sócio-fundador. Como a empresa possui clientes em três continentes, esse foi o modelo que os gestores desenharam para que não ficassem limitados às habilidades apenas das pessoas mais próximas geograficamente.
A empresa está trabalhando constantemente em novos projetos, mas conseguir arrancar quais são eles não é tarefa fácil. Como a maioria dos clientes os procura para iniciativas voltadas para alguma ação inovadora, eles trabalham sob sigilo. "São projetos que dependem justamente do elemento surpresa", justifica Pontes.
COMENTÁRIOS
Deixe seu comentário sobre este texto.



DEIXE SEU COMENTÁRIO CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR
LEIA TAMBÉM
Edital terá R$ 6,5 milhões para apoiar empreendedores industriais gaúchos
Instituições universitárias e centros tecnológicos firmarão contrato com a AGDI.
Nasa usa crowdsourcing para buscar designers Sala de escape game é desafio para jogadores E-patinete Surfer é opção de mobilidade consciente

 EDIÇÃO IMPRESSA

Clique aqui
para ler a edição
do dia e edições
anteriores
do JC.


 
para folhear | modo texto
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
Digite o resultado
da operação matemática
neste campo