Porto Alegre, quarta-feira, 20 de abril de 2016. Atualizado às 00h20.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
29°C
33°C
22°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 3,5270 3,5290 1,91%
Turismo/SP 3,4700 3,7100 0,53%
Paralelo/SP 3,4800 3,7100 0,53%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral | Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas | GeraçãoE
ASSINE  |   ANUNCIE 
COMENTAR CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR

Energia Notícia da edição impressa de 20/04/2016. Alterada em 19/04 às 22h25min

CEEE tem prejuízo de R$ 429 milhões em 2015

JONATHAN HECKLER/JC
Área de geração e transmissão lucrou R$ 84,9 milhões, disse Machado

Jefferson Klein

Ao olhar o balanço de 2015 do Grupo CEEE, o otimista salientará que houve a redução de 40,83% do prejuízo em relação ao ano anterior (R$ 429,2 milhões contra R$ 725,4 milhões). Já o pessimista destacará que o revés continua gigantesco. Também é distinto o desempenho das área de geração e transmissão da estatal, que foi lucrativo, e da distribuição, que elevou o seu resultado negativo.
O braço de distribuição do grupo, a Companhia Estadual de Distribuicao de Energia Eletrica (CEEE-D), teve um prejuízo de R$ 514,2 milhões no ano passado, representando alta de 15,50%, se comparado ao revés de R$ 445,2 milhões em 2014. Já o segmento de geração e transmissão, com a Companhia Estadual de Geracao e Transmissao de Energia Eletrica (CEEE-GT), obteve lucro líquido de R$ 84,9 milhões no exercício de 2015, uma alta de 130,32% e reversão de um prejuízo apresentado em 2014, de R$ 280,1 milhões.
O presidente do Grupo CEEE, Paulo de Tarso Pinheiro Machado, atribui o incremento do prejuízo na área de distribuição ao contexto atual do setor elétrico. Entre as explicações dessa consequência está o fato que o crescimento da receita líquida foi da ordem de 18%, o que não foi suficiente para cobrir o aumento das despesas, especialmente com o custo de energia, que subiu 27%. O dirigente cita ainda a energia proveniente de Itaipu, cujo contrato é dolarizado, e uma redução média de consumo de energia da ordem de 4%.
Além disso, encerrou-se o recebimento de receitas oriundas da Conta de Desenvolvimento Energético (CDE), relativas a indenizações de ativos, e a inadimplência na área de concessão da distribuidora saltou de 1,5% para 3,2% (em relação ao faturamento da companhia). Refletiram no prejuízo da CEEE-D despesas como as com os chamados funcionários ex-autárquicos e passivos judiciais (a projeção para 2016 é de um gasto de R$ 73 milhões com essas ações). No caso da CEEE-GT, com a valorização da geração de energia, houve o crescimento da receita maior do que a despesa. Desde 2011, a estatal não verificava lucro na área de geração e transmissão.
O diretor financeiro e de relações com investidores do Grupo CEEE, Roberto Calazans, indica como medidas que foram tomadas para tentar melhorar a saúde da empresa como um todo a criação do comitê de racionalização do gasto, a priorização de investimentos estratégicos para a companhia e a renegociação de dívidas (na ordem de R$ 700 milhões). O dirigente reforça que o grupo (somando-se as áreas de distribuição e geração e transmissão) conseguiu cortar, em custos e despesas operacionais, R$ 206 milhões em 2015 em relação ao ano anterior, sobrando um total de custos de cerca de R$ 1,65 bilhões.
Quanto às perspectivas para 2016, Pinheiro Machado espera que nos próximos dias a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) publique uma resolução possibilitando a renegociação dos contratos de energia de diversas distribuidoras brasileiras, entre as quais a CEEE-D. O dirigente ressalta que essa ação terá uma influência capital para o futuro dessas companhias. Pinheiro Machado aponta que, hoje, aproximadamente 80% das concessionárias do País encontram-se com excesso quanto à contratação de energia. "Significa que dentro de um cenário de redução de consumo e inadimplência, a energia comprada não vai ser repassada", detalha.

Presidente da Companhia admite preocupação quanto a cumprimento das metas da concessão


FERNANDO C. VIEIRA/GRUPO CEEE/DIVULGAÇÃO/JC
Como contrapartida, geração de caixa neste ano terá que ser positiva
Em dezembro, a CEEE-D assinou a renovação do seu contrato de concessão por mais 30 anos. No entanto, como no caso de dezenas de outras distribuidoras, a continuidade da concessão dependerá do cumprimento de metas de qualidade quanto ao abastecimento de energia e econômico-financeiras. Questionado se são alarmantes os objetivos estipulados, o presidente do Grupo CEEE, Paulo de Tarso Pinheiro Machado, afirma que prefere usar a palavra "preocupante".
O dirigente revela que, na semana passada, houve uma reunião com o governador José Ivo Sartori para detalhar o compromisso do acionista controlador (no caso da CEEE-D, o Executivo gaúcho) para evitar uma eventual caducidade da concessão. A partir deste ano, como contrapartida da renovação, a CEEE-D já terá que atingir a geração de caixa positiva. "O mais importante é o seguinte: tudo que não alcançarmos neste ano, o Estado é obrigado a aportar até 180 dias após a publicação do balanço", adverte o diretor Financeiro e de Relações com Investidores do Grupo CEEE, Roberto Calazans. Ou seja, se a CEEE-D tiver um prejuízo de R$ 100 milhões em 2016, por exemplo, o governo gaúcho precisará investir esse montante na companhia. A distribuidora não pode deixar de atingir os objetivos programados no conjunto de dois anos, dentro de um intervalo de cinco anos, sob o risco de perder a concessão. Pinheiro Machado enfatiza que várias empresas que renovaram os seus contratos em 2015 terão dificuldades em cumprir as exigências, o que deve fazer com que a Aneel reavalie a questão.
Se a situação financeira preocupa, o dirigente comemora a melhora quanto aos índices que verificam a qualidade no fornecimento de energia da CEEE-D. No indicador Duração Equivalentede Interrupção por Unidade Consumidora (DEC), a concessionária obteve uma redução de 37% de 2014 para 2015, passando de 27,45 horas/ano para 17,08 horas/ano. Já no indicador Frequência Equivalente de Interrupção por Unidade Consumidora (FEC), a diminuição foi de 33%, passando de 17,66 o número de vezes de interrupções para 11,70.

Empresa busca parceria para finalizar projeto de parque eólico em Rio Grande


Depois de vencer um leilão de energia promovido pelo governo federal e com isso garantir a comercialização da eletricidade a ser gerada, o Grupo CEEE está construindo o parque eólico Povo Novo, no município de Rio Grande. Porém, em virtude da escassez de recursos, a estatal busca agora sócios para concluir o empreendimento. Não está definida ainda qual será proporção da participação da estatal e da empresa que ingressar na iniciativa.
A perspectiva era que o projeto, que deve absorver cerca de R$ 300 milhões em investimentos, contasse com apoio do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID). Porém, o Grupo CEEE não conseguiu obter esse empréstimo. O diretor Financeiro e de Relações com Investidores do Grupo CEEE, Roberto Calazans, adianta que está sendo feita uma captação, com a Caixa Econômica Federal, de R$ 500 milhões para a CEEE-GT e parte dos recursos serão destinados ao parque eólico.
O complexo terá potência instalada de 55 MW (cerca de 1,5% da demanda média de energia do Rio Grande do Sul). Atualmente, a usina, que já deveria, por contrato, estar operando desde janeiro deste ano, apresenta apenas 35% de avanço nas obras. O novo cronograma prevê o início de operação em abril de 2017. O presidente do Grupo CEEE, Paulo de Tarso Pinheiro Machado, recorda que, para fortalecer financeiramente a estatal, está prevista a reavaliação das participações societárias do grupo e alienação de imóveis. Também para reduzir as despesas, recentemente, o Grupo CEEE demitiu 197 empregados, o que deve gerar uma redução na folha de pessoal de cerca de R$ 54 milhões ao ano.
COMENTÁRIOS
Deixe seu comentário sobre este texto.



DEIXE SEU COMENTÁRIO CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR
LEIA TAMBÉM
Energia vendida pela EDP a clientes finais cai 4,8% no 1º trimestre
Segundo a empresa, a queda reflete a diminuição do consumo das principais classes diante da desaceleração da economia e do aumento das tarifas de energia elétrica
Tractebel conclui compra de 50% da GD Brasil Energia Solar
O valor do investimento poderá atingir até R$ 24,300 milhões
Enel inicia construção de parque eólico de US$ 190 milhões na Bahia
Conforme informou a empresa, serão investidos US$ 190 milhões na usina, que tem previsão de entrar em operação no segundo semestre de 2017
Solução política deve permitir continuidade do diálogo no setor elétrico, aponta ABCE
Executivo lembra que, mesmo com o canal de diálogo aberto com o Ministério de Minas e Energia, neste momento fica tudo um pouco dependente de questões políticas

 EDIÇÃO IMPRESSA

Clique aqui
para ler a edição
do dia e edições
anteriores
do JC.


 
para folhear | modo texto
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
Digite o resultado
da operação matemática
neste campo