Porto Alegre, quarta-feira, 20 de abril de 2016. Atualizado às 00h21.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
29°C
33°C
22°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 3,5270 3,5290 1,91%
Turismo/SP 3,4700 3,7100 0,53%
Paralelo/SP 3,4800 3,7100 0,53%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral | Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas | GeraçãoE
ASSINE  |   ANUNCIE 
COMENTAR CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR

artigo Notícia da edição impressa de 20/04/2016. Alterada em 19/04 às 22h33min

Opinião econômica: O 'day after'

Fred Chalub/Folhapress/Arquivo/JC
Benjamin Steinbruch é diretor-presidente da CSN e presidente do conselho de administração da empresa

Benjamin Steinbruch

Infelizmente, o Brasil vive um momento de enorme tumulto. Ninguém dá ouvidos a nada, a não ser à discussão do impeachment presidencial e à eventual mudança de governo.
Apesar da decisão de domingo (17), favorável ao andamento do processo de afastamento da presidente, pairam enormes dúvidas sobre o que deve acontecer no curto prazo. Qualquer que seja o caminho a ser definido pelo Senado, com Dilma ou sem Dilma, o País vai precisar de tolerância entre as partes envolvidas nessa batalha política.
Não haverá ganhadores se a disputa descambar para a radicalização e a violência. Seremos todos vítimas. Esse é um lado da questão. Mas também seremos todos perdedores se, após a definição do Senado, o governo sucumbir à ideia de que a correção de rumos da economia pode se dar apenas com a adoção de um plano de austeridade.
Ressalve-se, desde logo, que o controle de gastos e o equilíbrio das contas públicas é absolutamente essencial. Sem controle de gastos, não é possívelbaixar a carga tributária e pensar em prosperidade.
Será, porém, um grave erro se no "day after" da crise o governo resultante ignorar medidas há décadas reivindicadas pela sociedade brasileira. A necessidade de reformas é uma unanimidade no País. Nem é necessário detalhá-las mais, porque o leitor já as conhece de cor: tributária, trabalhista, previdenciária e política.
Talvez esse governo pós-crise, entretanto, não seja capaz de fazê-las no curtíssimo prazo. Será compreensível se isso ocorrer, dada a enorme dificuldade de acordo político para aprová-las no Congresso.
Mas não será aceitável que a nova gestão deixe de adotar medidas emergenciais para a retomada do crescimento da economia, do emprego e da renda.
Não podemos cair na armadilha de que as políticas de estímulo ao consumo não funcionam mais para aquecer a economia só porque falharam nos últimos anos.
Grande parte dos problemas que enfrentamos hoje, com a recessão, decorre de erros cometidos na área monetária e cambial. Políticas de estímulo ao consumo não funcionaram também porque foram tomadas com câmbio fora do lugar e juros em níveis absurdamente elevados.
As políticas públicas buscaram incentivar o consumo com créditos especiais e com redução de impostos, por exemplo, enquanto mantinha-se o dólar abaixo de R$ 2,00. E isso foi uma dádiva para a China e outros países exportadores. Ou seja, essas políticas ajudaram a criar empregos no exterior, enquanto a indústria brasileira perdia competitividade e espaço no mercado interno. Basta observar o valor do deficit comercial da indústria brasileira de transformação, que passou de US$ 50 bilhões em 2014.
Com juros civilizados e câmbio no lugar, o estímulo ao consumo, num País de mais de 200 milhões de habitantes, pode funcionar, sem dúvida nenhuma, para puxar o crescimento. Tome-se o exemplo do vizinho Chile, talvez o país mais elogiado da América do Sul pela sua política econômica consistente. Para tentar escapar da recessão, esse país manteve em 3,5% sua taxa de juros na semana passada, embora a inflação esteja em 4,5%, acima da meta de 4%.
Não podemos cair na esparrela de achar que as regras do mercado são leis divinas. Bons governos agem para estimular os indutores da produção, do crescimento e do emprego, e não os que vivem da especulação financeira.
Diretor-presidente da Companhia Siderúrgica Nacional e presidente do conselho de administração da empresa
COMENTÁRIOS
Deixe seu comentário sobre este texto.



DEIXE SEU COMENTÁRIO CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR
LEIA TAMBÉM
PT, por que esta marca vale tanto?
A interrogação adicionada ao ponto de exclamação reforça simultaneamente dúvida, surpresa, e até descontentamento
Desenvolvimento pessoal em tempos de crise
A crise econômica que nos engendra não atinge somente empresas
Não à extração de areia no Guaíba
De tempos em tempos, Ana Pellini, traz o assunto à baila, sem que nada de novo e relevante tenha acontecido em relação ao Zoneamento Ecológico-Econômico previsto na Lei nº 49.255/2012
Palavra negada!
A agricultura familiar representa 84% dos estabelecimentos rurais do Brasil

 EDIÇÃO IMPRESSA

Clique aqui
para ler a edição
do dia e edições
anteriores
do JC.


 
para folhear | modo texto
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
Digite o resultado
da operação matemática
neste campo