Porto Alegre, terça-feira, 12 de abril de 2016. Atualizado às 00h01.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
22°C
26°C
21°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 3,4930 3,4950 2,83%
Turismo/SP 3,5200 3,6900 3,14%
Paralelo/SP 3,5200 3,6900 3,14%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral | Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas | GeraçãoE
ASSINE  |   ANUNCIE 
COMENTAR CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR

Agronegócios Notícia da edição impressa de 12/04/2016. Alterada em 12/04 às 00h01min

Oferta de carne suína pode cair com exportação

ANDRÉ NETTO/ARQUIVO/JC
Rio Grande do Sul respondeu por 30,9% dos embarques do setor de janeiro a março

Guilherme Daroit

Há muito tempo externando o desejo de tornar-se menos dependente da Rússia, o setor brasileiro de carne suína teve algo a comemorar no primeiro trimestre de 2016. No período, a China comprou 10,9 mil toneladas de carne de porco do Brasil, um aumento de incríveis 13.991% em relação ao ano passado, quando foram apenas 78 toneladas embarcadas para lá. No geral, as exportações de suínos cresceram 77,8% nos três meses, atingindo 165 mil toneladas. Caso mantenha o ritmo, a Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA) já projeta uma queda de 5% na oferta interna de suínos.
"Porém, se começarmos a abater o porco menor por conta da falta de milho, ou se a China começar a comprar ainda mais, pode ser que a redução seja maior", prevê o vice-presidente da entidade, Ricardo Santin. "De qualquer forma, o consumo interno, que poderia ocupar o espaço deixado pela carne bovina, não está acontecendo, temos apenas um crescimento leve pelo que vemos com os supermercados", garante o presidente executivo da ABPA, Francisco Turra, que classifica como "impressionantes" os números do setor.
Turra saudou o crescimento da China também nas aves, registrando um aumento de 52% no período, para 98 mil toneladas de frango brasileiro. Ao todo, o País vendeu 1,039 milhão de toneladas de aves nos três primeiros meses de 2016, crescimento de 11,96%. As vendas, porém, reverteram em receitas 6,5% menos do que no ano passado, principalmente pelos resultados de janeiro e fevereiro. "Em março, nota-se uma recuperação que esperamos que se mantenha", garante Turra. A previsão é de estabilidade na oferta de aves no mercado interno.
Turra situa que a Rússia fechou 2015 com 48% das compras de suínos brasileiros, enquanto no primeiro trimestre de 2016, mesmo aumentando 76% em volume, ficou em apenas 37% do total. "Queremos reduzir ainda mais essa dependência, porque é perigosa. Hoje está tudo bem, mas daqui a pouco já não está mais", afirma o executivo. Turra afirma que o México pode ser o próximo mercado a ser aberto para suínos, embora a vacinação para febre aftosa nos bovinos ainda seja um empecilho. "Para eles, vacinar significa ter a doença. Estamos fazendo estudos para provar que não há risco algum", comentou, afirmando que gostaria de que mais estados, além de Santa Catarina, suspendessem as vacinas.
Do total, o Rio Grande do Sul respondeu por 30,9% das vendas de suínos, crescendo 58% em relação ao mesmo período do ano passado. O Estado exportou 50,4 mil toneladas no trimestre. Já nas aves, os gaúchos responderam por 16,6% das vendas do País, com um crescimento de 9,4% em relação a 2015. Foram exportadas 169 mil toneladas de frango pelo Estado.
Os produtores também afirmaram preocupação com a situação da escassez de milho no mercado nacional, cuja alta no preço resultou em 9% dos 23% de aumento de custo nos últimos seis meses. O grão é um dos principais insumos para a criação tanto de porcos quanto de frangos, e a ABPA acredita que levará ainda mais 60 dias até que se normalize o abastecimento. "Acreditamos que, com a segunda safra, a situação melhore", prevê Turra.
O presidente também acredita que, com a chegada da soja aos portos, o embarque de milho também seja menor nos próximos meses, sobrando mais grãos para a produção de animais. Turra projeta que, das 45 milhões de toneladas do grão que a indústria consome, pelo menos 700 mil toneladas serão importadas.
COMENTÁRIOS
Deixe seu comentário sobre este texto.



DEIXE SEU COMENTÁRIO CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR
LEIA TAMBÉM
Exportações do agronegócio atingem US$ 8,35 bilhões e crescem 5,9% em março
Colheita das culturas de verão se acelera no Estado Safra do País deve alcançar 209 milhões de toneladas Safra 2016 soma 210,0 milhões de toneladas, revela IBGE

 EDIÇÃO IMPRESSA

Clique aqui
para ler a edição
do dia e edições
anteriores
do JC.


 
para folhear | modo texto
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
Digite o resultado
da operação matemática
neste campo