Porto Alegre, segunda-feira, 11 de abril de 2016. Atualizado às 23h40.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
22°C
26°C
21°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 3,4930 3,4950 2,83%
Turismo/SP 3,5200 3,6900 3,14%
Paralelo/SP 3,5200 3,6900 3,14%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral | Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas | GeraçãoE
ASSINE  |   ANUNCIE 
COMENTAR CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR

Consumo Notícia da edição impressa de 12/04/2016. Alterada em 11/04 às 21h48min

Cesta básica sobe 0,98% em Porto Alegre

JONATHAN HECKLER/JC
Segundo o Dieese, reajuste da carne foi menor no período, com aumento de 2,52%

Adriana Lampert

Instabilidade climática e alta nos custos de produção encareceram o preço da cesta básica em 16 de 27 capitais brasileiras durante o mês de março. Segundo dados da Pesquisa Nacional da Cesta Básica, realizada mensalmente pelo Dieese, a maior parte dos 13 produtos que integram o conjunto de alimentos essenciais está mais cara em quase todo o País. Em Porto Alegre, o valor da cesta básica sofreu uma variação de 0,98%, passando de R$ 416,82, em fevereiro, para R$ 420,90 em março.
Nos supermercados gaúchos, 11 produtos tiveram alta no mês passado, sendo que as variações mais significativas ocorreram em manteiga (7,97%), banana (7,47%), batata (6,94%), leite (5,53%), óleo (4%) e feijão (3,93%). "A produção agrícola tem enfrentado dificuldades de uma forma geral, por conta da seca no Norte e parte do Nordeste do País, mas também pelo excesso de chuvas, com inundações, temporais, geadas e granizo nas regiões Sul, Sudeste e Centro-Oeste", observa a técnica do Dieese, Daniela Sandi. Ela destaca ainda que a oferta está menor em função da queda na produção e na qualidade dos produtos. "Consequentemente, os preços dispararam em nível de consumidor."
Outro fator que contribuiu para a elevação de preços da cesta básica foi o aumento dos custos de produção, como mão de obra, energia elétrica, combustível e insumos em geral. "A variação altista é reflexo do processo inflacionário em curso", afirma Daniela. "Nesse cenário, associado ao aumento do desemprego, o trabalhador de menor renda é o mais impactado não só pelo peso proporcionalmente maior da alimentação no orçamento, mas porque depende unicamente do salário", ressalta a técnica do Dieese.
Porto Alegre ficou em quinto lugar no ranking de cidades com a cesta básica mais cara, sendo superada por Brasília, São Paulo, Florianópolis e Rio de Janeiro. "Em março, o valor da cesta básica na capital gaúcha pesou para a população de baixa renda, uma vez que representou 51,99% do salário-mínimo líquido (contra 51,48% em fevereiro)", compara Daniela. No mês passado, o salário-mínimo necessário para atender às necessidades básicas de uma família formada por um casal e dois filhos foi de R$ 3.725,01 - o que representa 4,23 vezes mais o mínimo vigente, que está em R$ 880,00.
Entre os produtos de maior peso na cesta básica, a carne sofreu uma elevação menor no preço, com alta de 2,52%. De acordo com a técnica do Dieese, a baixa oferta ocorreu não somente porque o número de animais para abate diminuiu (com fechamento de plantas de frigoríficos no Centro-Sul do País), mas também pelo aumento das exportações, em vista do câmbio valorizado.
"O aumento nos preços do leite e da manteiga também é reflexo da questão bovina - segmento que, por exigir altos custos, também tem recebido poucos novos investimentos -, além do fato de que a produção de março ocorreu em período de entressafra, o que ocasiona pressão no valor destes dois itens." Taxado como vilão na maioria das vezes em que ocorre alta no preço da cesta básica, neste mês, o tomate contribuiu para que a elevação não fosse ainda maior na capital gaúcha. O custo do produto para o consumidor caiu -18,97%. Também o açúcar ficou mais barato em março, com preço reduzido em -1,40%.
No ano, a cesta ficou 0,82% mais barata. A queda foi puxada pelos produtos in natura: tomate (-38,16%) e batata (-3,26%). Dos 11 produtos que tiveram alta, o leite (22,51%), o óleo (19,14%), o feijão (18,48%) e o açúcar (17,01%) foram os que registraram as maiores variações. Em curto e médio prazo, a tendência é de os preços se mantenham elevados, opina a técnica do Dieese. No País, as maiores altas no valor da cesta básica aconteceram em Vitória (4,19%), Palmas (3,41%) e Salvador (3,22%), enquanto as retrações mais significativas ocorreram em Manaus (-12,87%) e Boa Vista (-7,5%).
COMENTÁRIOS
Deixe seu comentário sobre este texto.



DEIXE SEU COMENTÁRIO CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR
LEIA TAMBÉM
Inflação das famílias de baixa renda cai em março Gaúchos compram menos ovos de chocolate Tendência é o consumidor frear compra de bens duráveis, diz CNC
A tendência, diz ela, é evitar a contratação de financiamentos de longo prazo, a juros altos, como os atuais
Intenção de consumo das famílias gaúchas cai 38% em março, aponta Fecomércio-RS

 EDIÇÃO IMPRESSA

Clique aqui
para ler a edição
do dia e edições
anteriores
do JC.


 
para folhear | modo texto
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
Digite o resultado
da operação matemática
neste campo