Porto Alegre, domingo, 10 de abril de 2016. Atualizado às 22h37.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
23°C
25°C
22°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 3,5950 3,5970 2,59%
Turismo/SP 3,6200 3,8100 0,78%
Paralelo/SP 3,6200 3,8100 0,78%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral | Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas | GeraçãoE
ASSINE  |   ANUNCIE 
COMENTAR CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR

Mineração Notícia da edição impressa de 11/04/2016. Alterada em 10/04 às 21h58min

Fepam analisa extração de areia no Guaíba

JONATHAN HECKLER/JC
Ação visa determinar possíveis impactos causados pela exploração

Jefferson Klein

O governo do Estado traz ao debate, mais uma vez, um tema que promete ser motivo de polêmica entre ambientalistas e empreendedores do ramo da mineração: um estudo para a retirada de areia do lago Guaíba. A presidente da Fundação Estadual de Proteção Ambiental (Fepam) e secretária do Ambiente e do Desenvolvimento Sustentável, Ana Pellini, ressalta que o trabalho não se trata de um zoneamento econômico-ecológico completo, e sim de uma pesquisa voltada exclusivamente para a extração de areia. A ação visa determinar os possíveis impactos no meio ambiente e em que locais poderá ser adotada a extração.
A expectativa é que o levantamento seja concluído no primeiro semestre. Em 2015, a Fepam tentou avaliar a retomada, em caráter experimental, da extração no Guaíba. No entanto, o Ministério Público Estadual recomendou que o governo se abstivesse de emitir licença ambiental para atividade de pesquisa ou remoção de areia no local. Questionada se o nova iniciativa satisfará às exigências do Ministério Público, a secretária respondeu: "a gente vai apresentar para eles, aí que vamos saber".
Ana reitera que o governo está desenvolvendo estudos para ter um indicador de onde poderá ser retirada a areia do Guaíba, sem prejuízos para o meio ambiente. A secretária acrescenta que o Departamento Municipal de Água e Esgoto (Dmae), que monitora a qualidade da água e a questão de sedimentos do lago, tem passado informações que possui em seu banco de dados. Outros elementos estão sendo colhidos da Corsan e do Instituto de Pesquisas Hidráulicas da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (Ufrgs). O plano de bacia do lago também será aproveitado.
Além disso, o Estado está adquirindo um ecobatímetro (equipamento de sondagem), que deverá chegar em até 30 dias. O aparelho, que custa aproximadamente R$ 1,5 milhão e contará com financiamento do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), já é um interesse antigo do governo gaúcho, que queria comprar o ecobatímetro em 2013.
A presidente da Fepam reforça que o assunto é relevante e mexe com o mercado da construção civil. Conforme Ana, a areia no Rio Grande do Sul é cara e de baixa qualidade, sendo que a extração no rio Jacuí é limitada. A secretária adianta que as informações colhidas até agora levam a crer que, de uma maneira controlada e em pontos determinados, com as dragas monitoradas por GPS, será possível liberar a atividade no lago Guaíba.
COMENTÁRIOS
Deixe seu comentário sobre este texto.



DEIXE SEU COMENTÁRIO CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR
LEIA TAMBÉM
Copelmi prepara início de obras de mina de carvão Avança criação de grupo para avaliar demandas da mineração
Projeto Retiro espera obter licença neste semestre Diretor da Vale espera que Samarco volte a operar no fim do ano ou em 2017

 EDIÇÃO IMPRESSA

Clique aqui
para ler a edição
do dia e edições
anteriores
do JC.


 
para folhear | modo texto
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
Digite o resultado
da operação matemática
neste campo