Porto Alegre, terça-feira, 05 de abril de 2016. Atualizado às 17h12.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
32°C
30°C
24°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 3,6660 3,6680 1,43%
Turismo/SP 3,5800 3,7900 1,06%
Paralelo/SP 3,5800 3,7900 1,06%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral | Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas | GeraçãoE
ASSINE  |   ANUNCIE  |   ATENDIMENTO ONLINE
COMENTAR CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR

Panama Papers 05/04/2016 - 15h11min. Alterada em 05/04 às 17h13min

Fisco da França coloca Panamá de volta em lista de países não cooperativos

O ministro das Finanças da França, Michel Sapin, afirmou nesta terça-feira que o Panamá deve ser colocado de volta em uma lista de países que não cooperam com o Fisco francês após a revelação dos Panama Papers, documentos que ligam o escritório Mossack Fonseca, sediado no país, a várias figuras públicas proeminentes ao redor do mundo usaram veículos offshore para guardar dinheiro no exterior.
Em uma audiência na Assembleia Nacional, Sapin afirmou que o Panama enganou a comunidade internacional ao fazê-la crer que seguia as práticas adotadas internacionalmente.
"O país conseguiu ser removido da lista de paraísos fiscais. Isto não é mais possível", disse Sapin.
A volta do Panamá à lista significa que dividendos que saírem de território francês para o país deverão ser taxados em 75%, além de exigirem maior documentação. Também não será possível abater impostos pagos no Panama da declaração feita na França.
Ainda assim, a medida não deve ter impacto direto sobre a maior parte das práticas documentadas nos Panama Papers, uma vez que, em sua maioria, os clientes utilizavam a Mossack Fonseca para criar empresas em outros países.
"A fraude fiscal é inaceitável num momento em que o povo francês enfrenta tantas dificuldades", disse Sapin.
O banco francês Société Générale é uma das muitas instituições financeiras que ajudaram clientes a abrir conta no exterior com ajuda da Mossack Fonseca. Hoje, o banco afirmou que o escritório panamenho ajudou alguns de seus clientes a abrir companhias offshore, "algumas das quais" ainda estão ativas hoje.
"Estas companhias são comandadas com total transparência", disse o SocGen, acrescentando que lembra regulamente a seus clientes de suas obrigações em se enquadrar nas regras e regulamentos de seus países. 
COMENTÁRIOS
Deixe seu comentário sobre este texto.



DEIXE SEU COMENTÁRIO CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR
LEIA TAMBÉM
Panamá Papers mostram que "evasão fiscal é um grande problema global", diz Obama
Segundo ele, os Panama Papers demonstram que os líderes devem fazer mais para estreitar as leis tributárias e reprimir indivíduos e empresas que utilizam paraísos fiscais. Obama ainda afirmou que os EUA e outros países devem "dar o exemplo" em fechar lacunas
Presidente da Fifa é acusado de participação em negócios em paraíso fiscal
De acordo com a reportagem do jornal, os arquivos levantaram dúvidas sobre a participação do dirigente em acordos realizados quando foi diretor jurídico da Uefa, entidade que rege o futebol europeu

 EDIÇÃO IMPRESSA

Clique aqui
para ler a edição
do dia e edições
anteriores
do JC.


 
para folhear | modo texto
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
Digite o resultado
da operação matemática
neste campo