Porto Alegre, segunda-feira, 25 de abril de 2016. Atualizado às 22h54.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
9999°C
15°C
7°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 3,5470 3,5490 0,64%
Turismo/SP 3,4700 3,6800 1,07%
Paralelo/SP 3,4800 3,6800 1,07%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral | Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas | GeraçãoE
ASSINE  |   ANUNCIE 
COMENTAR CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR
Repórter Brasília Edgar Lisboa


Repórter Brasília

Notícia da edição impressa de 26/04/2016

PT perde nas trocas

Na janela de troca partidária, houve um grande perdedor. O PT, partido com a segunda maior bancada na Câmara, perdeu um quinto dos prefeitos. Dos 638 chefes municipais petistas eleitos em 2012, 135 pediram desfiliação ou foram expulsos até 2016. A maior debandada foi em São Paulo, Paraná e Rio de Janeiro. Dos 74 petistas eleitos em São Paulo, 36 pediram desfiliação. Entre os paranaenses, foram 19 de 41. No Rio de Janeiro, 7 de 12.
Grande derrota
O resultado disso virá nas eleições deste ano. O PT vinha aumentando o número de prefeitos e vereadores em cada eleição. Muito provavelmente, vai acontecer a mesma coisa que em 2014: esse crescimento irá estancar. No pleito que elegeu Dilma Rousseff (PT), o partido perdeu 10 cadeiras na Câmara dos Deputados. "A debandada é de gente que não quer carregar a sigla nas costas", disse o cientista político da Universidade de Brasília David Fleischer. De acordo com ele, os adversários de petistas vão "carregar tudo o que aconteceu" e jogar sobre os candidatos do PT. "Será uma grande derrota, o PT sairá enfraquecido, mas não vai acabar."
Um ou outro
No Rio Grande do Sul, a debandada vista em outros estados não ocorreu. Dos 72 prefeitos eleitos pelo PT em 2012, apenas um se desfilhou. Nos outros partidos, as desfiliações também foram mínimas. "A janela para mudança de partido não trouxe grandes impactos. Houve um ou outro que mudou, algo natural no processo democrático", disse o presidente da Federação das Associações de Municípios do Rio Grande do Sul (Famurs) e prefeito de Candiota, Luiz Carlos Folador (PT). Ele aponta que os motivos para um prefeito mudar de partido são, muitas vezes, diferentes do cenário nacional. "A realidade local é diferente. As mudanças podem vir das condições dentro das legendas, o prefeito pode estar isolado em seu partido."
Como a Igreja Católica
Folador, que é petista, comentou a debandada em outros estados. "O que tinha que acontecer, aconteceu. Quem saiu, saiu. Mas o PT ainda é um partido forte, com grande número de filiados. Nós continuamos fortes, apesar dos pesares", disse. Ele comparou a legenda com a Igreja Católica, que, em quase 2 mil anos de existência, sofreu todo tipo de ataque e continua forte.
Cooperativismo na Fenasoja
A Comissão de Agricultura e Reforma Agrária do Senado irá a Santa Rosa promover um debate sobre cooperativismo e crise econômica na 21ª Fenasoja. O requerimento é da senadora gaúcha Ana Amélia Lemos (PP).
 
COMENTÁRIOS
Deixe seu comentário sobre este texto.



DEIXE SEU COMENTÁRIO CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR
LEIA TAMBÉM
Dívidas na Justiça
A votação da proposta que estende o pagamento da dívida dos estados poderá ser adiada mais uma vez.
Bate a dor de cabeça
O clima de ressaca na Câmara dos Deputados após o impeachment cada vez mais se assemelha às manhãs pós-bebedeira
Burburinho nos partidos
Na ressaca do impeachment e em semana de feriado, a Câmara dos Deputados sente a falta do que fazer. Apesar de não estar mais com o processo do impedimento da presidente Dilma Rousseff (PT), a Câmara pouco discutiu sobre outros assuntos
PDT dividido

 EDIÇÃO IMPRESSA

Clique aqui
para ler a edição
do dia e edições
anteriores
do JC.


 
para folhear | modo texto
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
Digite o resultado
da operação matemática
neste campo