Porto Alegre, segunda-feira, 11 de abril de 2016. Atualizado às 23h41.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
22°C
26°C
21°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 3,4930 3,4950 2,83%
Turismo/SP 3,5200 3,6900 3,14%
Paralelo/SP 3,5200 3,6900 3,14%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral | Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas | GeraçãoE
ASSINE  |   ANUNCIE 
COMENTAR CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR
Repórter Brasília Edgar Lisboa


Repórter Brasília

Notícia da edição impressa de 12/04/2016

Berlim do Cerrado

Como Berlim até 1988, Brasília está dividia por um muro físico e ideológico. A capital, que já se parece um pouco com Alexanderplatz e o resto de Berlim Oriental, também terá uma barreira com o intuito de impedir a circulação de pessoas e com guardas, sentinelas e um "corredor para autoridades". Preparada para o confronto inevitável no dia 17, data da votação em plenário do impeachment da presidente Dilma Rousseff (PT), a Secretaria de Segurança do Distrito Federal montou uma estrutura separando os manifestantes favoráveis e contrários. Tudo isso para evitar que na hora o vermelho prevaleça por simples razão biológica. A ironia é que a divisão dos protestos segue um pouco a divisão da cidade. À direita da Esplanada dos Ministérios, ficarão os manifestantes pró-impeachment. No mesmo lado, ficam os bairros nobres Asa Sul, Lago Sul e Sudoeste, que pendem para o conservadorismo. Um pouco mais distante está o bairro de Águas Claras, que registra pico de panelaços em qualquer menção ao PT. À esquerda da Esplanada, ficarão os contrários ao impeachment, em direção ao bairro da Asa Norte e à Universidade de Brasília. A Asa Norte é o que tem de mais próximo de um bairro boêmio na capital. Coalhada de bares, galerias de arte e festas, pende para a esquerda, assim como a UnB.
Falta de convicção
Na Câmara dos Deputados, um muro muito mais poroso se formou em torno do impeachment. Os dois lados brigam pelo voto dos indecisos e temem traições. De acordo com a Datafolha, 60% dos deputados são favoráveis ao impedimento de Dilma. A conta dá 308. Do outro lado, 21% se dizem contrários, ou 108 parlamentares. Apesar de precisar de menos votos para barrar o impeachment, 172, o governo terá que arregimentar 64 deputados. Para os favoráveis, são apenas 34. Para o deputado federal gaúcho Jerônimo Goergen (PP), há uma falta de convicção. "Falavam que queriam tocar rápido, porque iriam ganhar, e agora estão falando até em judicializar." O Planalto ameaçou ir ao Supremo Tribunal Federal caso o impeachment passe na Câmara.
Briga da elite
O deputado federal gaúcho Henrique Fontana (PT) acusou os parlamentares a favor do impeachment de tentarem chegar ao governo do País sem votos, através de um "acordão da elite". "A questão que movimenta a crise política é que boa parte da oposição não respeita o resultado das eleições." Em um momento de polarização, ficaria difícil defender a tese, mas, de acordo com o Data Popular, instituto de pesquisas especializado nas classes C e D, a discussão é vista como uma disputa de poder, uma briga da elite. "Se algum dos dois lados quiser de fato ganhar a classe C, que hoje corresponde a 54% do eleitorado, vai ter que quebrar a cabeça para mostrar que o que está em discussão vai além do debate da corrupção", disse o presidente do Instituto, Renato Meirelles.
COMENTÁRIOS
Deixe seu comentário sobre este texto.



DEIXE SEU COMENTÁRIO CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR
LEIA TAMBÉM
Novas eleições
A crise política vivida pelo País levou alguns políticos a pedirem eleições gerais ainda esse ano. A proposta, que já vinha sendo defendida por partidos como P-Sol e PSTU, ganhou força depois que a ex-presidenciável Marina Silva (Rede-AC) e o senador Valdir Raupp (PMDB-RO) encamparam a ideia
A origem de todos os males
"Depois da votação do impeachment, não importa o lado que ganhar, o País ficará em atrito permanente."
Democracia de mentirinha
Do Rio Grande do Sul, longe de Brasília, o ex-senador gaúcho Pedro Simon (PMDB) vê o desenrolar da crise política
Só depois do impeachment
Rachado por conta da decisão de se manter na base do governo, o PP quer discutir o futuro agora. A legenda, recém-incrementada e com a terceira maior bancada da Câmara, foi alçada ao patamar de maior aliado e recebe afagos do Palácio do Planalto e promessas de ministérios com muitos recursos

 EDIÇÃO IMPRESSA

Clique aqui
para ler a edição
do dia e edições
anteriores
do JC.


 
para folhear | modo texto
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
Digite o resultado
da operação matemática
neste campo