Porto Alegre, quinta-feira, 31 de março de 2016. Atualizado às 09h07.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
21°C
31°C
21°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 3,6200 3,6220 0,46%
Turismo/SP 3,6200 3,7800 0,52%
Paralelo/SP 3,6200 3,7800 0,52%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral | Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas | GeraçãoE
ASSINE  |   ANUNCIE  |   ATENDIMENTO ONLINE
COMENTAR CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR

crise política Notícia da edição impressa de 31/03/2016. Alterada em 30/03 às 23h16min

Especialistas avaliam impeachment de Dilma

MARCELO G. RIBEIRO/JC
Bancos públicos não podem financiar o Tesouro, diz Victória

Marcus Meneghetti

Uma disputa simbólica se estabeleceu na opinião pública para classificar o processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff (PT) como "golpe" ou "ferramenta constitucional". Os apoiadores da presidente se referem ao impeachment como "golpe", pois as pedaladas fiscais justificativa jurídica para o pedido de impedimento não seriam crime. Os opositores, por outro lado, defendem que o processo é legal e que as pedaladas são motivo suficiente para a cassação da presidente.
O cientista político e professor da Ufrgs Francisco Ferraz e a economista Victória Werneck esclareceram alguns aspectos dessa discussão golpe versus ferramenta constitucional ao conversar com os jornalistas na coletiva de imprensa que antecede a palestra-almoço Tá na Mesa, organizada pela Federasul. Para Ferraz, ao definir o rito do impeachment, ou seja, as instâncias pelas quais o processo deve passar, o Supremo Tribunal Federal (STF) o legitimou.
"O que há de mais objetivo é a decisão do STF. O Supremo, ao regulamentar o impeachment, legitimou o processo. (...) Ou seja, a Suprema Corte do Brasil que, pela sua composição, creio que não está alinhada com nenhum dos lados disse que, se o processo acontecer de um determinado jeito, está tudo bem", analisou Ferraz. 
O cientista político não quis entrar no mérito do processo, ou seja, as pedaladas fiscais. Mas Victória foi incisiva ao avaliar que tal manobra administrativa é proibida desde 2000, quando foi aprovada a Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF). 
"A LRF, aprovada em 2000, proíbe o que foi feito (pedaladas fiscais). Os bancos públicos não podem financiar o Tesouro. São agentes financeiros dele", afirmou Victória. 
O artigo 25 da LRF diz o seguinte: "É vedada a realização de operação de crédito entre um ente da Federação, diretamente ou por intermédio de fundo, autarquia, fundação ou empresa estatal dependente, e outro, inclusive suas entidades da administração indireta, ainda que sob a forma de novação, refinanciamento ou postergação de dívida contraída anteriormente".
As pedaladas fiscais acontecem quando o tesouro nacional atrasa, por exemplo, o repasse dos recursos de programas sociais como o Bolsa Família para os bancos públicos, mas, mesmo assim, as instituições financeiras distribuem os valores dos benefícios à população. Mais tarde, quando entra dinheiro no caixa do governo, ele paga aos bancos o valor atrasado, só que sem pagar juros, afinal é o próprio governo que administra essas entidades financeiras.  
A economista comparou ainda as pedaladas fiscais ao uso do cheque especial: "O governo poderia fazer isso por dois, três... 10 dias. Só que pagando juros do cheque especial. Não pode fazer por meses. Quem me dera que os bancos nos deixassem usar o cheque especial sem juros por meses e meses".
Além disso, ela exemplificou as pedaladas, citando o caso dos recursos não transferidos para a Caixa Econômica Federal, para financiar o programa Minha Casa Minha vida, e para o Banco do Brasil, para financiar o Bolsa Família.


COMENTÁRIOS
Datio R Thomaz - 31/03/2016 08h26min
Umberto Eco - Nome da Rosa: personagem discutindo sobre a possibilidade da moça ser queimada viva ou não: É CARNE QUEIMADA!

DEIXE SEU COMENTÁRIO CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR
LEIA TAMBÉM
Cunha diz que audiência pública não pode ocorrer durante ordem do dia
A fala ocorreu após a confusão na comissão do impeachment que foi encerrada no momento em que a sessão extraordinária começou
Defesa de presidente pela AGU provoca polêmica no meio jurídico
A defesa da presidente Dilma Rousseff no processo de impeachment, a cargo da Advocacia-Geral da União (AGU), vem embalada em controvérsias
José Otávio Germano e mais seis são denunciados pela PGR Governo quer construir nova maioria e acredita que PMDB errou na estratégia
Um dia após o desembarque do PMDB, o governo resolveu encarar as negociações em torno do processo de impeachment com outros olhos

 EDIÇÃO IMPRESSA

Clique aqui
para ler a edição
do dia e edições
anteriores
do JC.


 
para folhear | modo texto
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
Digite o resultado
da operação matemática
neste campo