Porto Alegre, terça-feira, 15 de março de 2016. Atualizado às 10h18.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
25°C
32°C
21°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 3,7320 3,7340 2,24%
Turismo/SP 3,5500 3,7700 0,52%
Paralelo/SP 3,5500 3,7700 0,52%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral | Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas | GeraçãoE
ASSINE  |   ANUNCIE  |   ATENDIMENTO ONLINE
COMENTAR CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR

Protestos 13/03/2016 - 12h26min. Alterada em 13/03 às 13h17min

Manifestações pelo impeachment de Dilma começam pelo País

Tania Rego/Agencia Brasil/JC
Rio: Manifestação em Copacabana

Os protestos pró-impeachment da presidente Dilma Rousseff começaram por Brasília, Recife, Rio de Janeiro, Salvador e Manaus. Em São Paulo e Porto Alegre, os atos ocorrem durante a tarde.  
O ato no Rio de Janeiro se concentra na avenida Copacabana. Segundo a GloboNews, a Polícia Militar não vai divulgar o número de público. Os movimentos que organizam os protestos - Movimento Brasil Libre e Vem para a Rua - apontam entre 750 mil e 1 milhão de participantes.
A Polícia Militar projetou, em Brasília, cerca de 20 mil pessoas se concentraram por toda a Esplanada dos Ministérios, desde o começo da manhã, e teriam ultrapassado cem mil participantes no fim do ato, que ocorreu logo após às 12h. Em março de 2015, 45 mil teriam protestado. Em Recife, a manifestação se concentra na praia de Boa Viagem, onde as pessoas portam bonecos gigantes do juiz federal Sério Moro e usam adesivos com Já Basta e Fora Dilma. 
Em Salvador, a caminhada programada pelos organizadores do evento, entre o Farol da Barra e o Cristo, na orla da capital baiana, começou ao som da "Marcha do Japonês" - Ai, meu Deus / Me dei mal / Bateu na minha porta o japonês da Polícia Federal - gritavam os manifestantes, acompanhados por um minitrio. Na capital baiana, o ato leva a assinatura do Grupo Liberalismo Salvador, da Ordem dos Médicos do Brasil, Revoltados online, Vem pra Rua e outros. Em Belém, os atos contra o governo já chegaram ao bairro do Umarizal. 
De acordo com Breno Saradelo, coordenador regional do Movimento Brasil Livre, a manifestação é um apelo “contra a corrupção institucionalizada, independentemente do governo e do partido”. 
Na capital federal, as pessoas começaram a se concentrar perto do Museu da República ainda às 9h. Entre o público, há várias famílias. A maioria das pessoas se veste de camiseta verde e amarela. Um boneco vestido de presidiário, chamado pelo movimento de Pixuleco, está amarrado no chão. Alguns manifestantes estão se alinhando, em frente ao Congresso Nacional, como em um moldura para escrever a frase "Fora, Dilma".
Em vários momentos, os manifestantes faziam uma ola em defesa da "limpeza", que defende a saída de políticos corruptos. Nominalmente, eles citam o presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), do presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL) e de Dilma.
Estão programadas manifestações a favor do impeachment de Dilma em 415 cidades neste domingo, segundo o movimento Vem pra Rua. Em algumas cidades, a Central Única dos Trabalhadores (CUT) e movimentos mantiveram a realização de manifestações pró-governo e pró-Lula, tais como Fortaleza, Rio de Janeiro e Porto Alegre. A CUT convocou suas seccionais para uma manifestação a favor da democracia para a próxima sexta-feira, dia 18. No DF, o PT convocou nova manifestação para o dia 31 de março.

No Exterior

Em Londres, cerca de 50 pessoas protestam em frente à embaixada do Brasil no centro da capital britânica em apoio ao impeachment. Com gritos de "Lula na cadeia" e "Fora Dilma", o grupo segurava cartazes contra o governo, o PT e a favor do juiz Sérgio Moro.
Mariza Palma Gomes, contadora de São Paulo e que mora há 15 anos em Londres, liderava os gritos contra a presidente Dilma segurando uma bandeira do PT. "O Brasil está cansado de tanta corrupção. Claro que apoio o impeachment, mas não sei o que virá depois", disse.
Com agências Estadão Conteúdo e Brasil


COMENTÁRIOS
MARCUS FREITAS - 14/03/2016 20h03min
Todos nós sabemos, que para um presidente(a) se manter no poder, é preciso participar do jogo do congresso nacional, que impõem as regras da corrupção. Como a Dilma não quis participar desse jogo, poderá até perder o mandato. Existe um pseudo impressão de que o poder judiciário está moralizando o país, isso não é verdade, pois o CNJ está obrigando vários majistrados a devolver valores indevidos.

DEIXE SEU COMENTÁRIO CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR
LEIA TAMBÉM
Clamor por impeachment leva milhares às ruas Página de deputado Jean Wyllys no Facebook é invadida Presidência diz que caráter pacífico das manifestações demonstra maturidade
A presidente Dilma Rousseff passou o domingo no Palácio da Alvorada acompanhando pelo noticiário e por interlocutores as mobilizações pelo País
Manifestações anti-Dilma reúnem 215 mil no Rio Grande do Sul

 EDIÇÃO IMPRESSA

Clique aqui
para ler a edição
do dia e edições
anteriores
do JC.


 
para folhear | modo texto
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
Digite o resultado
da operação matemática
neste campo