Porto Alegre, terça-feira, 08 de março de 2016. Atualizado às 08h12.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
19°C
30°C
19°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 3,7940 3,7960 0,93%
Turismo/SP 3,6500 3,9500 2,06%
Paralelo/SP 3,6500 3,9500 2,06%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral | Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas | GeraçãoE
ASSINE  |   ANUNCIE  |   ATENDIMENTO ONLINE
COMENTAR CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR

governo do estado Notícia da edição impressa de 08/03/2016. Alterada em 08/03 às 08h12min

Tatsch defende concessões e PPPs no Estado

JONATHAN HECKLER/JC
Titular do Planejamento, Cristiano Tatsch sinaliza que Corag será extinta

Marcus Meneghetti

Ao comentar a análise do ex-governador Antonio Britto (ex-PMDB e ex-PPS) de que a conjuntura atual é desfavorável a privatizações, o secretário estadual de Planejamento e Desenvolvimento Regional, Cristiano Tatsch (PMDB), disse que "o caminho moderno (para incrementar os serviços públicos) é o das concessões e parcerias público-privadas (PPPs)".
Entretanto, Tatsch que era presidente da Companhia Riograndense de Telecomunicações (CRT) na época em que foi privatizada pelo governo Britto acredita que há instituições que podem ser extintas.
Em entrevista exclusiva ao Jornal do Comércio, o ex-governador que está sem filiação partidária desde que concorreu ao Piratini em 2002, pelo PPS analisou que "não existem ativos que o Estado poderia abrir mão sem prejudicar suas finalidades e que, ao mesmo tempo, teriam alguma atratividade em um momento de crise tão grande". Além disso, considerou que não há compradores, porque o Brasil não está conseguindo acessar os mercados internacionais, e o empresariado brasileiro está retraído.
"De alguma maneira, as privatizações já passaram. Até porque não tem mais o que privatizar. Mas tem o que extinguir, como a Cesa (Companhia Estadual de Silos e Armazéns) e a Corag (Companhia Rio-Grandense de Artes Gráficas)", analisou Tatsch.
O titular da pasta do Planejamento justificou as extinções da Cesa e da Corag, argumentando que reduziriam o custo com a máquina pública, o que seria significativo sobretudo no momento de crise pelo qual passa o Estado. Para o secretário, as estatais foram importantes por volta da década de 1950, quando o empresariado não tinha condições de instalar a infraestrutura no País, como redes elétricas, de telefonia, saneamento básico etc.
"(A Cesa e a Corag) foram importantes na época em que foram criadas, pois o setor privado não tinha condições de oferecer esses serviços. Mas, se analisarmos agora a Corag, por exemplo, veremos que ela trabalha com máquinas obsoletas, o que prejudica a qualidade dos serviços prestados", falou Tatsch.
Ele ponderou ainda que a maior dificuldade para fechar essas companhias são os trabalhadores, "que obviamente não querem o fim delas". "Mas temos que pensar no interesse da comunidade como um todo", justificou.
De qualquer forma, segundo avaliação do titular do Planejamento, a extinção de aparatos estatais não é suficiente para resolver os problemas financeiros. Para oferecer serviços públicos de qualidade à população, Tatsch propõe concessões.
"Nos países desenvolvidos, o Estado delega, cobra e cuida da prestação de serviços públicos. Mas quem executa é a iniciativa privada, sob certas condições estipuladas pelo Estado, mas com margem de lucro às empresas. Este é o caminho moderno para oferecer serviços de qualidade", projetou.
Tatsch disse ainda que a pasta tem estudado casos de concessões realizados em outros estados, principalmente em setores da Educação, presídios, zoológicos e na Companhia Riograndense de Saneamento (Corsan).
COMENTÁRIOS
Deixe seu comentário sobre este texto.



DEIXE SEU COMENTÁRIO CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR
LEIA TAMBÉM
Sefaz não confirma pagamento da folha dos servidores em dia
Desde abril, funcionários públicos no Rio Grande do Sul tem convivido com a incerteza sobre o salário
Estado paga dívida e consegue desbloquear de contas Sartori responde a críticas do presidente do TJ

 EDIÇÃO IMPRESSA

Clique aqui
para ler a edição
do dia e edições
anteriores
do JC.


 
para folhear | modo texto
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
Digite o resultado
da operação matemática
neste campo