Porto Alegre, quinta-feira, 31 de março de 2016. Atualizado às 00h08.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
22°C
31°C
21°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 3,6200 3,6220 0,46%
Turismo/SP 3,6200 3,7800 0,52%
Paralelo/SP 3,6200 3,7800 0,52%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral | Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas | GeraçãoE
ASSINE  |   ANUNCIE  |   ATENDIMENTO ONLINE
COMENTAR CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR

Editorial Notícia da edição impressa de 31/03/2016. Alterada em 30/03 às 21h34min

Emprego formal volta a ser o sonho de milhões

Chegou a 186 mil o número de pessoas desempregadas na Região Metropolitana de Porto Alegre em fevereiro de 2016. No País, são 2,859 milhões sem trabalho formal, um recorde na Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad), iniciada no primeiro trimestre de 2012 pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).
Há seis meses, essa variação tem ficado acima de 2 milhões de pessoas por mês. O nível de ocupação no País - população ocupada em relação a população em idade de trabalhar - caiu a 55,5%, um recuo de 1,2 ponto percentual em um ano. Indústria, comércio e serviços foram os setores mais atingidos.
Isso é uma tragédia social que precisa, deve e será combatida. E a inflação também deve ser rechaçada até as últimas consequências, segundo Nelson Barbosa, ministro da Fazenda. A segunda promessa está sendo atingida com queda mensal, segundo a Pesquisa Focus do Banco Central, do Índice de Preços ao Consumidor no Atacado (IPCA), que baliza a inflação oficial.
Com a alta dos juros, a dívida bruta interna do governo federal atingiu a R$ 2,8 trilhões, um exagero. Pagando 14,25% ao ano para rolar essa dívida, não surpreende quando os bancos têm lucros fabulosos, incluindo os oficiais Banco do Brasil e Caixa Econômica Federal. Para combater a inflação, segundo os doutos em economia e finanças, o melhor caminho é pela via da reativação econômica. Assim, serão gerados empregos, haverá consumo, mais impostos serão recolhidos e o equilíbrio social também terá sensível melhoria.
Será necessário gerar 600 milhões de empregos na próxima década no mundo, segundo a Organização Internacional do Trabalho (OIT). O pior é que, atualmente, mais de 100 milhões de pessoas estavam desempregadas nas economias do G-20 e 447 milhões foram consideradas trabalhadores pobres, vivendo com menos de US$ 2 por dia. Ainda segundo a entidade, preocupa a desigualdade de renda crescente em muitos países do G-20, embora algum progresso tenha sido feito em economias emergentes, como o Brasil e a África do Sul. Mas isso somente até 2012, no caso do Brasil, muito especialmente. Agora, o desemprego grassa.
Por isso, ter um trabalho formal é a aspiração de milhões de jovens brasileiros. Os pais e avós de hoje faziam de tudo para conseguir um bom emprego. Não precisava, até os anos de 1970, ser no serviço público, hoje o sonho de todos, graças às diferenças entre vencimentos e salários, além da estabilidade, entre outras vantagens.
No entanto, para compensar o aumento do funcionalismo é preciso cortar no custeio, o que os governos pouco fazem, especialmente o federal, mas os estados e os municípios têm também uma boa parcela de responsabilidade. Se até os anos de 1970 ser datilógrafo era quase obrigatório em todos os concursos, inclusive para o cobiçado Banco do Brasil, além de dominar bem português e matemática, hoje imperam o programas de informática. Mais teoria, muita teoria, com graduação, mestrado e doutorado.
Entretanto, a busca por um emprego continua sendo a aspiração da classe média graduada, quando há muitas vagas para a mão de obra técnica em que o Ensino Médio é o bastante, se tanto. Além disso, mesmo com os inegáveis progressos da ascensão de milhões para as classes C e E até poucos anos, atualmente o pessimismo é grande entre os jovens. É preciso reativar a economia, no que o programa Minha Casa Minha Vida em sua terceira etapa é um alento. O então presidente Getulio Vargas sentenciou que "O trabalho é o maior fator de elevação da dignidade humana". Tinha razão.
COMENTÁRIOS
Deixe seu comentário sobre este texto.



DEIXE SEU COMENTÁRIO CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR
LEIA TAMBÉM
O indecifrável PMDB deixa o governo à deriva
Sabe-se que, desde 1985, com a redemocratização do Brasil, o PMDB sempre esteve acoplado aos governos federais
Brasil com Estado necessário e economia de mercado
O cenário político nacional mostra-se, outra vez, em uma semana turbulenta, com a reunião do PMDB, que deve confirmar o desembarque da base de apoio ao governo federal
Câmara Federal votará alívio às dívidas estaduais
Um assunto que perpassou por vários governos está por ter uma sentença nesta terça-feira, quando a Câmara Federal votará a proposta da União de renegociação das dívidas dos estados
Crise financeira chegou aos 244 anos na Capital
Quando apenas se fala nos desdobramentos das acusações via delações premiadas e na Operação Lava Jato, com as idas e vindas das decisões jurídicas, eis que se abre um hiato para saudar o aniversário de Porto Alegre

 EDIÇÃO IMPRESSA

Clique aqui
para ler a edição
do dia e edições
anteriores
do JC.


 
para folhear | modo texto
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
Digite o resultado
da operação matemática
neste campo