Porto Alegre, quarta-feira, 30 de março de 2016. Atualizado às 00h02.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
22°C
30°C
19°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 3,6370 3,6390 0,33%
Turismo/SP 3,6200 3,8000 0,26%
Paralelo/SP 3,6200 3,8000 0,26%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral | Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas | GeraçãoE
ASSINE  |   ANUNCIE  |   ATENDIMENTO ONLINE
COMENTAR CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR

Artigo Notícia da edição impressa de 30/03/2016. Alterada em 29/03 às 20h10min

O golpe é contra os trabalhadores e o Brasil

Ademir Wiederkehr

Se ainda pairava alguma dúvida, tudo ficou bem claro com o embarque das federações empresariais na aventura do golpe do impeachment da presidenta Dilma Rousseff (PT). O que levou o grande empresariado a pedir o afastamento de uma mulher reeleita democraticamente com 54 milhões de votos e sem nenhum crime de responsabilidade?
Certamente não foi o combate à corrupção. Nunca houve, como atualmente, tantas operações da Polícia Federal (PF), tantas investigações do Ministério Público e tantas prisões de suspeitos de praticar crimes. Isso ocorre graças a leis aprovadas nos governos Lula e Dilma, que ampliaram a atuação dos agentes públicos. É preciso apurar e punir todos os culpados, sem poupar ninguém.
Aliás, a corrupção nunca preocupou as elites brasileiras. A roubalheira é histórica no País. A sonegação de impostos, por exemplo, foi banalizada, e não se vê nenhuma entidade empresarial fazendo campanha para extinguir essa prática. Por que será? Não foi à toa que a PF deflagrou a Operação Zelotes, que investiga um esquema milionário de corrupção de empresas autuadas por sonegação fiscal e previdenciária.
O que está movendo os golpistas não é apenas tirar a presidenta e inviabilizar a volta de Lula (PT) em 2018, mas é a aprovação de projetos que retiram direitos dos trabalhadores, como o que prevê a terceirização sem limites e o que estabelece a prevalência do negociado sobre o legislado, dentre outros.
Querem acabar com a CLT e ainda entregar o pré-sal e petróleo para as multinacionais. Sem a resistência do governo Dilma e com o perfil conservador do Congresso, fica mais fácil o ataque do capital para precarizar o trabalho, reduzir custos e aumentar os lucros.
Por isso, centrais sindicais e demais entidades comprometidas com a classe trabalhadora estão na luta em defesa da legalidade e da democracia, como forma de proteger as leis trabalhistas, os programas sociais e o patrimônio público. O golpe é contra os trabalhadores e o Brasil.
Secretário de Comunicação da CUT-RS
COMENTÁRIOS


DEIXE SEU COMENTÁRIO CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR
LEIA TAMBÉM
A OAB e o impeachment
É uma crise sem precedentes porque a origem não é por idealismo, mas por ganância de se perpetuar no poder e enriquecimento fácil, às custas do erário e de empresas do governo
Arriscar, criar e reinventar
Empreender é uma ótima opção em qualquer momento e, principalmente, uma oportunidade de tirar do papel ideias que há tempos acabamos protelando devido à estabilidade no emprego, rotina ou apenas por comodidade
A defesa da Legalidade 55 anos depois
A mais honrosa inspiração para a defesa da democracia e do Estado de Direito está muito perto de nós e pertence à memória coletiva dos gaúchos, marcados como protagonistas na história recente do País
Opinião econômica: Descontrole, recessão e desemprego

 EDIÇÃO IMPRESSA

Clique aqui
para ler a edição
do dia e edições
anteriores
do JC.


 
para folhear | modo texto
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
Digite o resultado
da operação matemática
neste campo