Porto Alegre, quarta-feira, 23 de março de 2016. Atualizado às 23h33.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
21°C
25°C
18°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 3,6760 3,6780 2,10%
Turismo/SP 3,6000 3,8300 2,40%
Paralelo/SP 3,6000 3,8300 2,40%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral | Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas | GeraçãoE
ASSINE  |   ANUNCIE  |   ATENDIMENTO ONLINE
COMENTAR CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR

artigo Notícia da edição impressa de 24/03/2016. Alterada em 23/03 às 19h53min

A profissionalização do terrorismo

Candido Mendes

A descoberta dos primeiros documentos com a conscrição e cadastro de jihadistas impacta por eles mostrarem o nível de profissionalização com que, hoje, se recrutam os possíveis combatentes do Isis. São perguntas sobre as peculiaridades físicas ou a instrução dos pretendentes, inclusive, sobre os seus gostos por viagens. De logo, exige-se a opção, pelo candidato, entre a sua militância na guerra e no conflito armado direto e seu embarque no terrorismo, sem volta.
Marca-se, este, em qualquer condição, e sem tréguas, pelo abate do adversário, em todo o percalço do confronto, com o custo da própria vida. O jihadismo nega o reconhecimento universal da nossa espécie, instalando o irreversível segregacionismo coletivo. Depara-se, aí, o retrocesso no ganho da consciência humana pela negação básica da sua igualdade, como a assegurou a Revolução Francesa. O marco histórico da modernidade desvinculava-se, de vez, do que, na Idade Média, mantinha esse descarte trágico pelas fogueiras da Inquisição. E repercutia ainda em nosso tempo no que representou o nazismo, como a ratificação dos eleitos ou proscritos à convivência contemporânea. De toda forma, registramos, nestes dias, a queda da primeira sedução jihadista, começada há uma vintena, na intimação para o martírio a que se capacitavam os seus candidatos, desde sua entrega ao jihad. Dentro do Ocidente, à exceção, ainda, dos belgas, depara-se, hoje, a perda do impulso de ingleses e franceses ou alemães, mas, sobretudo, de americanos. O que está em causa é, no entanto, a exaustão do ideal do "consumismo intransitivo", na volta à exigência de todo "mais ser", que marca a nossa cultura. Ela tende a reclamar o sacrifício, sem limites, na busca do perfeccionismo da condição humana. A conscrição do jihad beneficiou o Isis, nos últimos anos. Mas as decepções de agora refletem, cada vez mais, o confronto, em nosso tempo, entre o "ter mais" e o "ser mais", disfarçado pelo capitalismo contemporâneo.
Membro da Academia Brasileira de Letras
 
COMENTÁRIOS


DEIXE SEU COMENTÁRIO CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR
LEIA TAMBÉM
Opinião econômica: Armageddon Uma luz no fim do túnel
São sempre os mesmos. Podem perguntar a qualquer policial, promotor ou quem lida com a segurança pública
Mesa de bar & redes sociais
O escritor italiano Umberto Eco, recentemente falecido, detonou as redes sociais que dão voz e vez a uma legião de imbecis que antes tinham por tribuna a mesa de bar
Tarf: uma instituição eficaz
É importante consignar, inicialmente, que vivemos em época não muito tranquila do ponto de vista das questões políticas e governamentais, mormente na perspectiva da União

 EDIÇÃO IMPRESSA

Clique aqui
para ler a edição
do dia e edições
anteriores
do JC.


 
para folhear | modo texto
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
Digite o resultado
da operação matemática
neste campo