Porto Alegre, segunda-feira, 07 de março de 2016. Atualizado às 22h40.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
22°C
30°C
19°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 3,7940 3,7960 0,93%
Turismo/SP 3,6500 3,9500 2,06%
Paralelo/SP 3,6500 3,9500 2,06%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral | Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas | GeraçãoE
ASSINE  |   ANUNCIE  |   ATENDIMENTO ONLINE
COMENTAR CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR

Artigo Notícia da edição impressa de 08/03/2016. Alterada em 07/03 às 19h45min

O mau silêncio

Jorge Claudio de Almeida Cabral

O silêncio, como é sabido, é um direito de todos, fato, inclusive, regrado pelo nosso ordenamento jurídico como forma de proteção ao indivíduo. Foi considerado, também, provérbio popular positivamente quando bem utilizado pelo tolo, pois passava esse por sábio, atribuindo ao indivíduo cometimento na reserva de sua opinião, quando preferia o silêncio. No entanto, é importante dizer que nem sempre é bom utilizá-lo, às vezes é a confissão presumida sem a necessidade da emissão de alguma palavra, razão pela qual tem outro adágio popular milenar de que: "Quem cala consente", pois a omissão na ausência de pronunciar as palavras no momento certo condena o próprio indivíduo.
Também nos foi ensinado erroneamente por mera questão educacional e até hoje trazido como verdade, de que quem grita perde a razão. Não, quem grita utiliza-se do instinto agressivo da palavra, uma espécie de gruído, quando a verdade não quer ser mais compreendida pela razão.
Deste modo, o grito torna-se o único modo de tentar convencer mais uma vez, não pela emissão da palavra, mas pelo barulho da palavra, até porque a mentira se comporta educada e a verdade às vezes nem sempre. Assim só grita que tem razão, e isso é verificado muitas das vezes nos movimentos sociais ou em algumas mães em hospitais públicos evitando a morte de seus filhos no braço. O Direito relativizou a presunção contra o réu em seu silêncio, quer do ato ou da palavra, como, por exemplo, na revelia, na ausência de fazer o exame do DNA ou na quietude de um interrogatório. Assim a orientação de silenciar-se é mais com o cuidado de não se explicitar daquilo que já é sabido, do que sentir-se injuriado, ainda mais quando é supostamente acusado de algo.
Embora da mesma forma simplesmente negar algo não tenha muita validade diante de outras circunstâncias ao contrário. Seria o mesmo que acreditar como verdade no cantor Ney Matogrosso quando pronunciava a jocosa frase da canção "Telma eu não sou gay". O gato mia, não espere ele ladrar, ou será que excepcionalmente alguns ladram? Ou outros, ainda, ladrão!
Advogado
COMENTÁRIOS


DEIXE SEU COMENTÁRIO CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR
LEIA TAMBÉM
Opinião econômica: Lições de 30 anos Segurança pede socorro, e LRF pode ser prejudicada
A crise da segurança pública que tem assustado os gaúchos, sobretudo nos últimos meses, representa também uma sinuca de bico para o governador José Ivo Sartori Sartori
O empreendedorismo e as franquias Opinião econômica: O estagiário

 EDIÇÃO IMPRESSA

Clique aqui
para ler a edição
do dia e edições
anteriores
do JC.


 
para folhear | modo texto
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
Digite o resultado
da operação matemática
neste campo