Porto Alegre, segunda-feira, 07 de março de 2016. Atualizado às 22h40.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
22°C
30°C
19°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 3,7940 3,7960 0,93%
Turismo/SP 3,6500 3,9500 2,06%
Paralelo/SP 3,6500 3,9500 2,06%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral | Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas | GeraçãoE
ASSINE  |   ANUNCIE  |   ATENDIMENTO ONLINE
COMENTAR CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR

Artigo Notícia da edição impressa de 08/03/2016. Alterada em 07/03 às 19h44min

As mulheres no mercado de trabalho

Virginia Villaescusa Vaamonde

Recente pesquisa da Organização Internacional do Trabalho (OIT), agência da Organização das Nações Unidas (ONU), revela o crescimento da presença feminina em cargos de chefia em companhias de todo mundo. Essa constatação, sem dúvida, é muito importante, mas ainda há um longo caminho a ser percorrido: essa evolução se deu especialmente nas posições intermediárias de gerência. No caso de CEOs, as mulheres ocupam entre 5% e 10% desses postos de alto comando no Brasil.
Em contrapartida, a OIT afirma, no mesmo estudo, que o aumento da presença feminina no mercado de trabalho tem sido o principal incentivador do crescimento global e da competitividade. Por isso, o documento alerta quanto à necessidade da igualdade de gêneros nas ocupações profissionais, especialmente no que se refere aos altos escalões. Do contrário, alerta a agência da ONU, serão necessários de 100 a 200 anos para que a paridade seja alcançada em relação aos cargos.
O Peterson Institute for International Economics obteve o mesmo resultado em um estudo realizado com 21.980 empresas de 91 países. De acordo com o levantamento, o aumento da presença feminina em 30% no topo da hierarquia de algumas corporações, incluindo níveis de gerência, representaram crescimento médio de 15% na rentabilidade.
Com base nesses resultados, o estudo sugere o aumento da presença de mulheres em posição de liderança corporativa para a melhoria de desempenho. Estamos avançando para mudar essa realidade e, no que depender da capacidade dessas profissionais e no que constatam as próprias estatísticas, essas relações podem mudar, e muito.
CEO da Associação Brasileira de Automação-GS1 Brasil
COMENTÁRIOS
Deixe seu comentário sobre este texto.



DEIXE SEU COMENTÁRIO CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR
LEIA TAMBÉM
Opinião econômica: Lições de 30 anos Segurança pede socorro, e LRF pode ser prejudicada
A crise da segurança pública que tem assustado os gaúchos, sobretudo nos últimos meses, representa também uma sinuca de bico para o governador José Ivo Sartori Sartori
O empreendedorismo e as franquias Opinião econômica: O estagiário

 EDIÇÃO IMPRESSA

Clique aqui
para ler a edição
do dia e edições
anteriores
do JC.


 
para folhear | modo texto
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
Digite o resultado
da operação matemática
neste campo