Porto Alegre, quarta-feira, 23 de março de 2016. Atualizado às 15h36.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
25°C
27°C
18°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 3,6630 3,6650 1,74%
Turismo/SP 3,6000 3,7400 0%
Paralelo/SP 3,6000 3,7400 0%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral | Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas | GeraçãoE
ASSINE  |   ANUNCIE  |   ATENDIMENTO ONLINE
COMENTAR CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR

Relações Internacionais 23/03/2016 - 15h36min. Alterada em 23/03 às 15h36min

Obama diz que sua prioridade é derrotar o Estado Islâmico

Um dia após os ataques terroristas em Bruxelas, o presidente dos EUA, Barack Obama, declarou que a luta contra o Estado Islâmico é prioridade em seu governo e prometeu que os EUA vão perseguir o grupo jihadista até que ele seja completamente destruído.
"Eu tenho um monte de coisas no meu prato, mas a minha prioridade é derrotar o Estado Islâmico e eliminar o flagelo deste terrorismo bárbaro que tem acontecido em todo o mundo", disse Obama nesta quarta-feira em discurso ao lado do presidente da Argentina, Mauricio Macri, em Buenos Aires. "Não há algo mais importante na minha agenda do que ir atrás deles e derrotá-los. A questão é, como é que vamos fazer isso de forma inteligente?", acrescentou.
Obama disse que tanto os EUA quanto a Argentina compreendem a tristeza sentida pelos belgas "porque os países sentiram o flagelo do terrorismo". Ele convidou o mundo para se unir lutando contra o que ele chamou de uma ação "sem sentido e vicioso".
No entanto, Obama ofereceu poucos sinais de que planejava reorganizar sua estratégia diante dos ataques mais recentes em Bruxelas. O presidente disse que sua abordagem para combater o grupo tem evoluído constantemente "para enfrentar a ameaça" e ele promete permanecer estável e resoluto.
O duplo ataque - no aeroporto e em uma estação na cidade de Bruxelas - matou ao menos 31 pessoas e feriu outras 274, segundo informou autoridades do Ministério Público belga nesta quarta-feira. Ao lado de Macri, Obama disse também que os EUA querem reconstruir a confiança perdida com a Argentina depois do golpe militar no país há 40 anos.
Ele reiterou a promessa de desclassificar documentos militares e de inteligência dos EUA sobre o papel dos Estados Unidos na ditadura militar, o que ele chamou de "período negro". O presidente disse também que irá visitar um memorial para as vítimas da ditadura.
O governo da Argentina estima que cerca de 13 mil pessoas foram mortas ou desapareceram sob a força durante a repressão aos dissidentes de esquerda, embora ativistas dizem que o número chega a 30 mil. 
COMENTÁRIOS
Deixe seu comentário sobre este texto.



DEIXE SEU COMENTÁRIO CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR
LEIA TAMBÉM
Obama é recebido por Mauricio Macri em primeiro dia de visita à Argentina Buenos Aires recebe líder dos EUA após Havana
A receptividade deve ser maior do que a esperada para um país que adotou nos últimos oito anos uma política "antiestadunidense"
Obama e Raúl Castro selam reaproximação e acompanham jogo de beisebol Obama pede mudanças em Cuba e diz que Guerra fria acabou

 EDIÇÃO IMPRESSA

Clique aqui
para ler a edição
do dia e edições
anteriores
do JC.


 
para folhear | modo texto
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
Digite o resultado
da operação matemática
neste campo