Porto Alegre, terça-feira, 22 de março de 2016. Atualizado às 12h36.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
22°C
27°C
18°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 3,6150 3,6170 0,19%
Turismo/SP 3,6100 3,7800 0,53%
Paralelo/SP 3,6100 3,7800 0,53%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral | Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas | GeraçãoE
ASSINE  |   ANUNCIE  |   ATENDIMENTO ONLINE
COMENTAR CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR

Meio ambiente Notícia da edição impressa de 22/03/2016. Alterada em 22/03 às 12h36min

O outro lado do Gravataí

FREDY VIEIRA/JC
Barco levará estudantes para conhecer riquezas da bacia hidrográfica

Isabella Sander

Conhecido como o quinto rio mais poluído do Brasil, o Gravataí não possui apenas seu lado sujo. Na verdade, 70% de suas águas ainda se mantêm limpas e potáveis. Será nesse trecho que um barco-escola começará a navegar nos próximos dias, levando crianças e adolescentes de escolas da região para conhecer as riquezas da bacia hidrográfica. As visitas técnicas ocorrerão três vezes por dia (às 8h30min, às 11h e às 14h). As atividades integram o projeto Rio Limpo, organizado pela Associação de Preservação da Natureza do Vale do Gravataí (APN-VG). A inauguração da embarcação marca o Dia Mundial da Água, celebrado hoje.
A bacia do rio Gravataí possui área total de 2.020 quilômetros quadrados e abastece 1,2 milhão de pessoas, de nove municípios (Porto Alegre, Canoas, Alvorada, Viamão, Cachoeirinha, Gravataí, Glorinha, Taquara e Santo Antônio da Patrulha). "Essa bacia é muito importante para a região. Tanto é que o processo todo de confecção do primeiro Plano de Bacia Hidrográfica do Rio Gravataí, aprovado em 2012, foi o resultado de uma luta social muito grande", pondera o coordenador do projeto Rio Limpo, Sérgio Cardoso.
O barco foi adquirido através de investimento de quase R$ 1 milhão, valor oriundo de edital da Petrobras. "Queremos que mais pessoas se engajem nessa luta, trabalhem com essa ideia e conheçam o rio. Conhecendo o rio, poderemos unir forças para manter a qualidade da bacia e desmanchar a ideia negativa do Gravataí", destaca Cardoso.
Trinta por cento das águas da bacia estão poluídas, porque recebem, em média, 50 toneladas de esgoto diariamente. "Só na Zona Norte de Porto Alegre, há 500 mil pessoas despejando seu esgoto ali, além de todas as outras cidades. Então, a carga de esgoto na foz traz sérios problemas de oxigênio à água. Porém, em compensação, os outros 70% do rio garantem a permanência de vida ali. Nosso projeto é mais um instrumento para não acontecer na parte de cima o que acontece na parte de baixo da bacia", enfatiza o coordenador.
O projeto Rio Limpo existe há dois anos e já ofereceu aulas e palestras em escolas para 25 mil pessoas. A previsão é chegar a 35 mil abrangidos até o final de maio, quando o contrato com a Petrobras será encerrado. Mesmo assim, depois disso, as vistorias técnicas com o barco-escola prosseguirão. "Procuraremos outros parceiros, para darmos continuidade às atividades. É um projeto fundamental, o maior projeto de educação ambiental do Vale do Gravataí, talvez até do Rio Grande do Sul", observa Cardoso. É possível marcar uma visita técnica pelos endereços de e-mail projetoriolimpo.lais@gmail.com e apnvg.riolimpo@gmail.com, ou pelo telefone (51) 3042.5002.
COMENTÁRIOS
Deixe seu comentário sobre este texto.



DEIXE SEU COMENTÁRIO CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR
LEIA TAMBÉM
Pearl Jam doa R$ 120 mil para vítimas da tragédia em Mariana
No fim do ano passado, a banda Pearl Jam anunciou que iria doar dinheiro às pessoas afetadas pela tragédia em Mariana, em Minas Gerais
Cientistas acham bactéria que come PET
O plástico PET é largamente utilizado na produção de embalagens, especialmente em garrafas
Prefeito de Mariana vai à Justiça para receber recursos do acordo com a Samarco
Assinado na semana passada, o acordo prevê que a mineradora desembolse R$ 4,4 bilhões nos próximos três anos para recuperar a bacia do Rio Doce e reestruturar as cidades atingidas pela lama
AGU: acordo com Samarco não limita gasto de empresas na recuperação do Rio Doce
Uma das principais críticas do MPF ao acordo refere-se ao que seriam limites de gastos para as medidas de recuperação ambiental e sócioeconômica

 EDIÇÃO IMPRESSA

Clique aqui
para ler a edição
do dia e edições
anteriores
do JC.


 
para folhear | modo texto
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
Digite o resultado
da operação matemática
neste campo