Porto Alegre, sexta-feira, 18 de março de 2016. Atualizado às 10h59.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
29°C
29°C
23°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 3,6220 3,6240 0,76%
Turismo/SP 3,6100 3,8000 4,28%
Paralelo/SP 3,6100 3,8000 4,28%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral | Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas | GeraçãoE
ASSINE  |   ANUNCIE  |   ATENDIMENTO ONLINE
COMENTAR CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR

Transporte Público Notícia da edição impressa de 18/03/2016. Alterada em 17/03 às 22h04min

Licitação dos ônibus pode ser anulada, diz Fortunati

MARCELO G. RIBEIRO/JC
Situação financeira tende a se agravar a partir de agosto, afirma o prefeito

Jessica Gustafson

A turbulência envolvendo o início da operação do novo sistema de transporte da Capital pode levar à anulação da licitação. Após três consórcios Via Leste, Mais e Sul obterem liminar que determina ao município o pagamento da diferença da redução da passagem de R$ 3,75 para R$ 3,25 e a negativa do Tribunal de Justiça (TJ) em acolher o pedido de revisão da decisão judicial que levou ao cancelamento do aumento, a Procuradoria-Geral do Município (PGM) está elaborando uma recurso para ingressar no Superior Tribunal de Justiça (STJ). Segundo o prefeito José Fortunati, a medida está agravando a situação financeira da prefeitura.
Nesta quinta-feira, Fortunati disse estar confiante em relação à decisão do STJ, mas admitiu que, se tiver que desembolsar a diferença da tarifa, a licitação poderá ser anulada. Se isso acontecer, a prefeitura deve enfrentar novas ações judiciais, pois, somente para o início da operação, as empresas investiram R$ 118 milhões em 296 coletivos.
"Um cálculo superficial do reembolso que precisaremos pagar, dos R$ 0,50 por passageiro, só nesse período, já ultrapassa R$ 2 milhões. Naturalmente, se a situação continuar, de termos que pagar recursos sem tê-los, precisaremos anular a licitação, o que seria uma lástima. Hoje, eu não conto ainda com isso, e sim com uma decisão positiva do STJ, que não está aqui se importando com as manifestações em frente à prefeitura, as quais, no Estado, parecem ter mais peso do que a questão legal", afirmou.
Segundo o prefeito, o objetivo do Executivo no recurso é simplesmente defender o processo de licitação, que foi organizado com normas jurídicas adequadas, com acompanhamento do Tribunal de Contas e do Ministério Público.
"O próprio TJ acabou referendando a nossa licitação quando uma das empresas desclassificadas (Stadtbus) foi ao Judiciário. Depois disso, assinamos um contrato com os vencedores. Agora, nos imputam algo absurdo. Uma ação para reduzir a passagem, mas que obriga a prefeitura a pagar", critica.
O prefeito destaca que a situação do município tende a se agravar mais a partir de agosto, quando não haverá recursos suficientes para pagar fornecedores, credores e a própria folha de pagamento.


COMENTÁRIOS
Amilcar Giacomet - 18/03/2016 08h47min
terra de ninguém.

DEIXE SEU COMENTÁRIO CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR
LEIA TAMBÉM
Prefeitura vai ao STJ para aumentar valor da tarifa
Presidente do TJRS não reconheceu o pedido de reversão da decisão
Justiça obriga prefeitura a pagar diferença da tarifa
Consórcio Via Leste tem de receber R$ 0,50 a cada passagem vendida
Déficit da passagem pode prejudicar investimentos Ministério Público cobra licitação para o aeromóvel de Canoas

 EDIÇÃO IMPRESSA

Clique aqui
para ler a edição
do dia e edições
anteriores
do JC.


 
para folhear | modo texto
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
Digite o resultado
da operação matemática
neste campo