Porto Alegre, domingo, 20 de março de 2016. Atualizado às 22h43.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
21°C
29°C
22°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 3,5810 3,5830 1,88%
Turismo/SP 3,6100 3,7700 0,78%
Paralelo/SP 3,6100 3,7700 0,78%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral | Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas | GeraçãoE
ASSINE  |   ANUNCIE  |   ATENDIMENTO ONLINE
COMENTAR CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR

Saúde Notícia da edição impressa de 21/03/2016. Alterada em 20/03 às 22h18min

Farmácia do Estado não tem data para mudar de local

JONATHAN HECKLER/JC
Usuários criticam falta de acessibilidade do prédio no Centro da Capital

Suzy Scarton

A Secretaria Estadual da Saúde (SES) possui um projeto arquitetônico para a construção de uma nova sede da Farmácia de Medicamentos Especiais (FME) do Estado. No entanto, não há data definida nem previsão de quando a licitação será lançada. De acordo com a pasta, quando o projeto passou para aprovação e liberação do Plano de Prevenção e Proteção Contra Incêndio (PPCI) por parte do Corpo de Bombeiros, foram necessárias algumas mudanças, e ele ainda está sendo alterado.
Em junho do ano passado, o Jornal do Comércio conversou com a então vice-presidente do Conselho Regional de Farmácia do Rio Grande do Sul (CRF-RS), Silvana Furquim, a respeito da precarização da farmácia. Na época, problemas com relação à umidade e ao armazenamento de medicamentos preocuparam a entidade. De acordo com o presidente do CRF-RS, Maurício Schüler Nin, denúncias sobre irregularidades no local ainda são frequentes. "Não há farmacêutico inscrito no conselho. O profissional não formaliza a responsabilidade técnica e não pode cobrar melhores condições de trabalho, por exemplo", comenta. Uma crítica recorrente diz respeito à falta de estrutura adequada para cadeirantes e pessoas com problemas de mobilidade, uma vez que o prédio possui muitas escadas. 
Em junho de 2015, o conselho encaminhou um Termo de Inspeção à SES, elencando as irregularidades encontradas. Desde então, o conselho não recebeu nenhuma notificação de que alguma alteração tenha sido feita. "Procuramos manter o diálogo e tentar regularizar a situação, mas temos um tempo bastante longo de silêncio. Não recebemos nada da secretaria alegando que os problemas tinham sido solucionados", relata Nin.
A SES, no entanto, discorda das afirmações. De acordo com a pasta, melhorias foram executadas a fim de sanar as irregularidades, como qualificação do atendimento na portaria e aquisição de três novos computadores destinados ao setor de dispensação de medicamentos. Também foram disponibilizadas cinco vagas para estagiários a fim de desafogar a demanda dos farmacêuticos, que podem executar tarefas pertinentes ao cargo. Da mesma forma, a SES afirma que os aparelhos de ar-condicionado das salas de dispensação de medicamentos e do protocolo e triagem de processos estão funcionando, proporcionando climatização adequada, e garantiu a compra de cinco ventiladores de coluna.
Ainda de acordo com a secretaria, mudanças efetuadas na distribuição de medicamentos incluem o uso de um veículo exclusivo, que realiza entregas do almoxarifado para a farmácia. Isso possibilita várias entregas na semana, mantendo o local abastecido e evitando o acúmulo de mercadorias no estoque. A medida possibilita que os medicamentos termolábeis sejam mantidos em condições de temperatura adequadas e também que os remédios de uso controlado sejam armazenados em local fechado.
Em 2016, o CRF-RS ainda não vistoriou a farmácia. As vistorias ao prédio da esquina da avenida Borges de Medeiros com a rua Riachuelo, no Centro da Capital, ocorrem pelo menos três vezes por ano.
COMENTÁRIOS
Deixe seu comentário sobre este texto.



DEIXE SEU COMENTÁRIO CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR
LEIA TAMBÉM
São Paulo tem pelo menos 900 grávidas com suspeita de zika
Até agora, nenhum dos fetos desenvolveu microcefalia, mas as mulheres seguem sendo monitoradas
Rio Grande do Sul confirma os dois primeiros casos autóctones de zika vírus Número de casos de dengue sobe 46% no País em 2016
De janeiro até a primeira semana de março, foram notificados ao Ministério da Saúde 495.266 casos prováveis da doença, alta de 46% em relação ao mesmo período de 2015, quando 337.738 suspeitas foram reportadas
Guiné confirma volta do Ebola, enquanto Serra Leoa anuncia o fim do surto
Duas pessoas foram confirmadas com Ebola na Guiné, meses após o surto ter sido declarado como erradicado

 EDIÇÃO IMPRESSA

Clique aqui
para ler a edição
do dia e edições
anteriores
do JC.


 
para folhear | modo texto
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
Digite o resultado
da operação matemática
neste campo