Porto Alegre, terça-feira, 08 de março de 2016. Atualizado às 13h38.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
29°C
30°C
20°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 3,7870 3,7890 0,18%
Turismo/SP 3,6500 3,9500 0%
Paralelo/SP 3,6500 3,9500 0%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral | Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas | GeraçãoE
ASSINE  |   ANUNCIE  |   ATENDIMENTO ONLINE
COMENTAR CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR

segurança Notícia da edição impressa de 08/03/2016. Alterada em 07/03 às 21h43min

Agentes penitenciários aderem à operação padrão

MARCO QUINTANA/JC
Abertura de penitenciárias, como a de Canoas, agrava déficit de servidores

Isabella Sander

Os 4,8 mil servidores da Superintendência de Serviços Penitenciários do Estado (Susepe) iniciaram ontem uma operação padrão. A categoria se une aos policiais civis, que também trabalham com atuação restrita desde a semana passada. Em ambos os casos, a intenção é a mesma protestar contra o parcelamento dos salários dos servidores estaduais. No dia 29 de fevereiro, foram pagos até R$ 1.750,00 para os trabalhadores. O restante cairá nas contas bancárias no dia 15 de março. Na segurança pública, 36% do efetivo ainda não recebeu seu vencimento.
Segundo o presidente do Sindicato dos Servidores Penitenciários do Rio Grande do Sul (Amapergs), Flávio Berneira, a operação se estenderá até o dia 15 de março, quando o salário será integralizado. "Nosso movimento possui dois focos. Um deles é chamar atenção para o fato de, apesar de termos uma decisão judicial proibindo o parcelamento dos salários, a conduta ser mantida pelo governo do Estado. O outro é denunciar a falta de funcionários na Susepe", explica. O déficit, hoje, é de 2.911 agentes penitenciários. O número não inclui a falta de agentes administrativos e técnicos. A entidade demanda a nomeação de 400 técnicos aprovados em concurso público e a realização de novo concurso para agentes penitenciários.
A fim de organizar a operação padrão, o Amapergs lançou uma cartilha orientando os servidores a fazerem as restrições possíveis de serem feitas dentro da segurança e da legalidade. A escolta de presos para audiências, por exemplo, só poderá ocorrer quando a viatura estiver em condições de trafegar e se houver um número de escoltantes adequado ao de apenados. A estimativa da entidade é que esse pré-requisito reduza as movimentações em 50%. A Susepe afirma que, com o andamento da operação, poderá fazer ajustes em seu modus operandi.
Os agentes administrativos também suspenderão a atuação junto a empresas do ramo de confecção que empregam presos em sua mão de obra. "No Presídio Estadual de Erechim, por exemplo, tínhamos mais de 80 presos confeccionando calçados e dois ou três agentes respondendo por toda a movimentação dentro da casa prisional. Orientamos a suspensão do trabalho dos agentes, enquanto não houver servidores suficientes, o que deve reduzir a atuação das empresas", destaca Berneira.
Juntamente com entidades representativas de policiais civis, militares e servidores do Instituto-Geral de Perícias (IGP), o Amapergs lançará uma nota denunciando a crise na segurança pública gaúcha. "A categoria não pode silenciar, como se estivesse tudo em ordem, especialmente no que se refere à falta de funcionários e ao parcelamento de salários. Gera uma revolta muito grande. Só não acontecem situações de maior gravidade devido à sorte e à extrema dedicação dos agentes", pondera o sindicalista. Os servidores da Susepe denunciam o perigo de motins e o agravamento do déficit, conforme são abertas novas casas prisionais, como a Penitenciária Estadual de Canoas 1, inaugurada na semana passada.


COMENTÁRIOS
adalzisa maria da silva patricio - 08/03/2016 13h17min
E parecem que não estão se dando conta é que o prazo de validade dos tsps que aguardam nomeação expira em seguida, nos próximos meses... tanta luta tanta espera... n

DEIXE SEU COMENTÁRIO CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR
LEIA TAMBÉM
Inmetro inicia fiscalização de ovos de Páscoa com brinquedos irregulares Policiais rebatem Sartori e afirmam ser impossível fazer 'mais com menos' Governo irá chamar 178 brigadianos concursados
Com oito mortes em 2015, Brasil é quinto país mais perigoso para jornalistas
O Brasil subiu cinco posições em relação à ultima pesquisa, à frente de nações em guerra como Líbia, Iêmen e Sudão do Sul

 EDIÇÃO IMPRESSA

Clique aqui
para ler a edição
do dia e edições
anteriores
do JC.


 
para folhear | modo texto
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
Digite o resultado
da operação matemática
neste campo