Porto Alegre, terça-feira, 29 de março de 2016. Atualizado às 13h43.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
26°C
29°C
18°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 3,6660 3,6680 1,13%
Turismo/SP 3,6200 3,7900 0%
Paralelo/SP 3,6200 3,7900 0%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral | Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas | GeraçãoE
ASSINE  |   ANUNCIE  |   ATENDIMENTO ONLINE
COMENTAR CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR

VAREJO 29/03/2016 - 13h43min. Alterada em 29/03 às 13h43min

Confiança em supermercados indica leve melhora para 2º semestre, diz Abras

A confiança dos empresários do setor de supermercados teve uma leve alta em fevereiro deste ano na comparação com dezembro de 2015, de acordo com levantamento da Associação Brasileira de Supermercados (Abras) e da GfK. O indicador que mede a expectativa para daqui a seis meses indica que a confiança saiu de 46,2 para 49, indicando uma melhora de humor para o próximo semestre. Apesar disso, porém, o índice segue abaixo de 50, o que é considerado território do pessimismo.
Para Marco Aurélio, diretor de Relacionamento da GfK, o indicador sinaliza que há uma expectativa de alguma estabilização no cenário macroeconômico pela frente. Para ele, nota-se na visão dos empresários que há uma perspectiva de que a instabilidade atual no cenário político possa arrefecer na segunda metade do ano.
Ainda sobre o cenário político, a Abras não adotou uma posição oficial sobre apoiar ou rejeitar as hipóteses de renúncia ou impeachment da presidente Dilma Rousseff. Associações regionais de supermercadistas, porém, já se manifestaram em prol do impeachment, caso da Associação Paulista de Supermercados (Apas).
Sobre o impacto da confiança nos investimentos, o presidente do conselho consultivo da Abras, Sussumu Honda, avaliou que o setor vive um ambiente de racionalização dos investimentos, mas descartou que deve haver uma retração muito forte na abertura de lojas ou aceleração dos fechamentos.
"As grandes redes não deixam de investir e, nas redes regionais, existe a necessidade de defender a participação de mercado deles na região", comentou. O executivo avaliou que notícias sobre fechamentos de lojas de redes de supermercados, como ocorreu no Walmart no ano passado, são efeitos de ajustes pontuais nas operações.
COMENTÁRIOS
Deixe seu comentário sobre este texto.



DEIXE SEU COMENTÁRIO CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR
LEIA TAMBÉM
Iguatemi aposta em alta de 15% com a expansão Vendas na Páscoa caem 9,6% e têm pior resultado desde 2007, mostra Serasa Supermercados parcelam ovos e bacalhau em até 6 vezes Lojistas se mobilizam contra a criminalidade

 EDIÇÃO IMPRESSA

Clique aqui
para ler a edição
do dia e edições
anteriores
do JC.


 
para folhear | modo texto
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
Digite o resultado
da operação matemática
neste campo