Porto Alegre, terça-feira, 08 de março de 2016. Atualizado às 16h51.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
30°C
30°C
20°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 3,7500 3,7520 1,15%
Turismo/SP 3,6900 3,9100 1,01%
Paralelo/SP 3,6900 3,9100 1,01%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral | Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas | GeraçãoE
ASSINE  |   ANUNCIE  |   ATENDIMENTO ONLINE
COMENTAR CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR

Conjuntura 08/03/2016 - 16h51min. Alterada em 08/03 às 16h51min

IIF volta a piorar previsão para o Brasil e vê queda de até 4,5% do PIB em 2016

O Instituto Internacional de Finanças (IIF), formado pelos 500 maiores bancos e instituições financeiras do mundo, voltou a piorar as previsões para a recessão brasileira e agora espera contração de 4% a 4,5% do Produto Interno Bruto (PIB) do País este ano.
Em um relatório divulgado em fevereiro, o IIF previa que a queda do PIB brasileiro este ano poderia chegar até a 4%, mas o economista da instituição para a América Latina, Ramón Aracena, acaba de visitar o Brasil e não ficou muito animado com o quadro que encontrou no País. Por isso, o economista, que fica baseado em Washington, agora vê chances de um aprofundamento maior da recessão deste ano, com a retração do PIB superando os 4%.
Com isso, o período 2015/2016 pode marcar o pior desempenho do PIB brasileiro desde a depressão dos anos 30. "A incerteza é a única certeza no Brasil", afirmou o economista comentando sua visita ao País em relatório divulgado nesta terça-feira, 8. Na passagem pelo Brasil, o economista notou a escalada da crise política e econômica, com as investigações da operação Lava Jato ganhando ainda mais força e a trajetória das contas fiscais em contínua demonstração de fraqueza.
"A crise política está aprofundando a recessão na medida em que a confiança dos agentes entra em colapso", afirma o IIF. Aracena destaca que o PIB de 2016 vai "carregar" parte importante da recessão do ano passado, quando a economia encolheu 3,8%, além de refletir a paralisia política do Brasil e a falta de sinais de que a atividade econômica pode ter atingido o fundo do poço.
O IIF avalia que os acontecimentos da semana passada, que culminaram com o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva sendo levado a depor pela Polícia Federal, podem fazer com que o impeachment de Dilma Rousseff ocorra mais rápido. Um fator considerado decisivo neste momento são os protestos contra o governo marcado para várias cidades brasileiras no próximo dia 13.
Se a participação popular surpreender nas manifestações, Aracena avalia que pode haver pressão adicional para o Congresso e deputados e senadores que apoiam Dilma podem mudar de lado, aumentando as chances de um processo de impeachment mais rápido.
No momento, o cenário de curto prazo no Brasil permanece imprevisível, com Dilma podendo cair por um impeachment, por cassação da chapa que a elegeu em 2014 pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) ou mesmo podendo sobreviver no Planalto até 2018. Este último caso, porém, "parece cada vez mais improvável", afirma o economista do IIF.
"Como a crise política termina é crucial para a economia. Qualquer novo presidente seria politicamente mais bem posicionado para desencadear uma reviravolta na economia do que a atual presidente", afirma o relatório do IIF.
COMENTÁRIOS
Deixe seu comentário sobre este texto.



DEIXE SEU COMENTÁRIO CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR
LEIA TAMBÉM
Confiança do consumidor fica praticamente estável em fevereiro, diz ACSP
O Sul registrou 68 pontos ante 63 em janeiro e 129 no ano passado. O aumento na comparação mensal pode ser resultado do acordo entre o Rio Grande do Sul e o Governo Federal quanto às dívidas do estado.
IPC-S desacelera 0,68% na primeira leitura de março, diz FGV
O grupo Alimentação mostrou ligeira alta de 1,08%, na comparação com 1,07%, devido especialmente pelo encarecimento das frutas
IGP-DI de fevereiro fica em 0,79%, informa FGV
Com o resultado, o IGP-DI acumula alta de 2,33% no ano e elevação de 11,93% nos últimos 12 meses
Pedidos de recuperação judicial crescem 116,4% em dois meses
O número de recuperações judiciais requeridas em todo o país no primeiro bimestre de 2016 foi 116,4% maior que o registrado no mesmo período de 2015

 EDIÇÃO IMPRESSA

Clique aqui
para ler a edição
do dia e edições
anteriores
do JC.


 
para folhear | modo texto
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
Digite o resultado
da operação matemática
neste campo