Porto Alegre, terça-feira, 08 de março de 2016. Atualizado às 22h53.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
24°C
29°C
19°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 3,7380 3,7400 1,47%
Turismo/SP 3,6900 3,9100 1,01%
Paralelo/SP 3,6900 3,9100 1,01%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral | Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas | GeraçãoE
ASSINE  |   ANUNCIE  |   ATENDIMENTO ONLINE
COMENTAR CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR

Indústria Notícia da edição impressa de 09/03/2016. Alterada em 08/03 às 22h09min

Sinplast-RS projeta melhora na produção de plástico

MARCO QUINTANA/JC
Grupo de trabalho busca soluções e quer fortalecer o setor no Estado

Jefferson Klein

Depois de verificarem uma retração no ano passado, os transformadores de produtos plásticos no Rio Grande do Sul esperam uma retomada para 2016. Em 2015, a produção física do segmento foi de 477.739 toneladas, o que representou uma diminuição de 10,71% (no Brasil a queda foi de 8,7%). Além desse revés, houve a redução de postos de trabalho na ordem de 8,62%, ficando 27.618 trabalhadores atuando na área.
Apesar dos recentes resultados negativos, o presidente do Sindicato das Indústrias de Material Plástico no Estado do Rio Grande do Sul (Sinplast-RS), Edilson Deitos, projeta que, neste ano, haverá uma melhora, embora tímida. O empresário estima um crescimento na produção na ordem de 3% no mercado gaúcho, o mesmo ocorrendo para o nacional como um todo. O dirigente justifica essa previsão devido à expectativa de um bom desempenho das exportações de diversos setores da economia que agregam produtos plásticos. Como exemplo, o presidente do Sinplast-RS cita segmentos como o de ônibus (que tem várias peças plásticas) e o de carne (por causa de embalagens).
Deitos comenta que a indústria do plástico no Rio Grande do Sul está percebendo um movimento de migração, como já ocorrido no ramo calçadista, motivado por fatores como logística, mercado e incentivos. Em 2014, conforme o dirigente, no Brasil, foram fechadas 40 empresas transformadoras de plástico; desse total, 10 encontravam-se no Rio Grande do Sul. O empresário acrescenta que outra dificuldade enfrentada pelas companhias do setor no Estado é o piso regional, que, conforme o presidente do Sinplast-RS, vira um indexador para as negociações coletivas de diversos segmentos da economia.
"Como a gente vem com pisos regionais com ganhos acima do salário-mínimo, a indústria gaúcha, a cada ano que passa, vem perdendo competitividade, porque ao invés de apresentar aumento de produtividade, só vem tendo aumento de custos", aponta o dirigente. Para tentar reverter esse cenário, Sinplast-RS, Sindicato das Indústrias de Material Plástico do Nordeste Gaúcho (Simplás), Sindicato das Indústrias de Material Plásticos do Vale dos Vinhedos (Simplavi), Braskem e governo do Estado montaram um grupo de trabalho para buscar soluções e fortalecer a cadeia local do plástico. A meta é criar um programa de incentivo que possibilite que um maior volume de matéria-prima do Polo Petroquímico de Triunfo seja transformado no Rio Grande do Sul e impulsione a geração de postos de trabalho.
Questionado se a prisão de dirigentes que ocuparam cargos de destaque na Odebrecht, inclusive do ex-presidente da empresa Marcelo Odebrecht, pode afetar o setor petroquímico brasileiro (já que a companhia é controladora da Braskem), Deitos argumenta que a Braskem possui uma gestão independente e profissional e não deve ser afetada no momento. Porém, se o fato chegar a comprometer o caixa do grupo Odebrecht, o dirigente acredita que a Braskem passa a ser um ativo que possa ser colocado à venda. Se isso ocorrer, o presidente do Sinplast-RS projeta que somente um grupo internacional teria condições de fazer essa aquisição.
COMENTÁRIOS
Deixe seu comentário sobre este texto.



DEIXE SEU COMENTÁRIO CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR
LEIA TAMBÉM
Stemac prevê melhora das vendas ainda em março Fábricas operam 19,2% abaixo do pico de 2013 Apenas 21,5% dos produtos tiveram alta na produção em janeiro, diz IBGE
Apenas 21,5% dos produtos tiveram alta na produção, na comparação com o mesmo período do ano anterior
Produção industrial sobe 0,4% em janeiro ante dezembro 2015, aponta IBGE

 EDIÇÃO IMPRESSA

Clique aqui
para ler a edição
do dia e edições
anteriores
do JC.


 
para folhear | modo texto
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
Digite o resultado
da operação matemática
neste campo