Porto Alegre, sexta-feira, 04 de março de 2016. Atualizado às 15h19.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
27°C
27°C
17°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 3,7240 3,7260 2,02%
Turismo/SP 3,6500 3,8700 4,44%
Paralelo/SP 3,6500 3,8700 1,77%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral | Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas | GeraçãoE
ASSINE  |   ANUNCIE  |   ATENDIMENTO ONLINE
COMENTAR CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR

Contas Públicas Notícia da edição impressa de 04/03/2016. Alterada em 03/03 às 22h05min

Previdência e encargos limitam investimentos

ANTONIO PAZ/JC
Sem redução de despesas e outras ações, resultado seria pior, diz Feltes

Rafael Vigna

Agora é oficial. O governo do Estado publicou, no final de fevereiro, o balanço orçamentário de 2015 e consolidou um déficit de R$ 4,9 bilhões no primeiro ano da gestão de José Ivo Sartori. O valor representa uma variação nominal de 290% sobre o resultado negativo de R$ 1,26 bilhão apurando em 2014. O avanço exponencial do rombo nas contas é fruto de uma série de fatores que pesaram sobre as receitas e elevaram as despesas no decorrer do ano passado. E o secretário da Fazenda, Giovani Feltes, lembra que a realidade poderia ter sido bem pior.
Segundo o titular da pasta fazendária, ações internas como a redução de despesas (R$ 1.036 bilhões) e programa de recuperação de créditos (R$ 355 milhões), entre outros aspectos, foram responsáveis por amenizar as projeções iniciais que indicavam um cálculo ainda mais indigesto. De maneira estrutural, dois fatores são considerados determinantes.
O primeiro, é o rombo na previdência que somou R$ 8,4 bilhões e já atinge a 28,11% da Receita Corrente Líquida (RCL). Como os inativos equivalem a 55,14% dos vínculos (em 1994 eram 42%), a tendência em curto prazo é pouco animadora. O segundo, aspecto diz respeito aos R$ 3,7 bilhões destinados ao pagamento de encargos, juros e amortizações da dívida pública que encerrou 2015 em R$ 51,8 bilhões.
"Para um estado que investiu somente R$ 658,2 milhões em 12 meses, contar com cerca de R$ 12 bilhões em caixa seria uma possibilidade de investir mais, remunerar melhor professores e ampliar o efetivo da segurança", comenta Feltes.
O desempenho financeiro do Rio Grande do Sul no último exercício foi detalhado, nesta quinta-feira, durante a divulgação do relatório de governança especial. A análise de alguns dados sintetiza a atual penúria antecipa os desafios para 2016. Por exemplo, o decréscimo de R$ 1.042 bilhão apenas nos ingressos de ICMS - a principal fonte de recursos tributários - contribui para uma queda real (descontada a inflação) de 5,91% nas Receitas Correntes do exercício anterior.
Na outra ponta da balança, mesmo sem que nenhum aumento salarial tenha sido concedido por essa admiração, a folha de pagamento e os encargos com pessoal representaram uma elevação de R$ 3 bilhões em 2015. O fator é explicado pelo impacto dos reajustes concedidos durante a gestão de Tarso Genro para segurança (R$ 409,4 milhões), magistério (R$ 748 milhões referentes ao completivo de 13,72% dado em novembro de 2014) e outros R$ 747,4 milhões relativos à regularização das RPV (Restituição via Precatório ou Requisição de Pequeno Valor).

Santa Catarina negocia cálculo da dívida se houver desconto


O governador de Santa Catarina, Raimundo Colombo (PSD), afirmou que o estado aceita abrir mão do pleito que envolve o cálculo da dívida com a União se o governo conceder um desconto no saldo total do débito.
"Se houver um processo de evolução, nenhum governador vai se negar a colaborar", afirmou, após reunião com o ministro da Fazenda, Nelson Barbosa.Um ano depois de o Congresso aprovar uma lei que muda o indexador da dívida dos estados e municípios, beneficiando os governos regionais, o Palácio do Planalto editou um decreto no fim do ano passado para regulamentar a legislação. Nele, para o recálculo das dívidas, é definida a utilização da Selic capitalizada - juros sobre juros. Por discordar da decisão, Santa Catarina não assinou o contrato e acionou o Supremo Tribunal Federal (STF) para fazer valer o cálculo do débito por juros simples.
Colombo afirmou que vai lutar por esse direito do estado, mas ponderou que aceita negociar com a União a possibilidade do uso de juros compostos, desde que haja um desconto no saldo da dívida. "Não é do nosso interesse criar um impasse, criar um complicador na economia nacional. Se nós construirmos um entendimento, é melhor para todo mundo", afirmou. Em 1998, o governo de Santa Catarina fez um empréstimo de R$ 4 bilhões. Desde então, pagou R$ 13 bilhões à União, ainda restando um montante de R$ 9 bilhões a serem pagos.Segundo o governador, Barbosa não indicou se pode aceitar a proposta, se limitando a dizer que o governo vai estudar as possibilidades.
Nesta sexta-feira, governadores de todo o País chegam a Brasília para uma reunião com a presidente Dilma Rousseff. O debate da dívida será um dos principais temas do encontro. Colombo ponderou que ainda não há uma proposta fechada de todos os estados para equacionar a questão. No Congresso, um projeto que preocupa o governo suspende o artigo do decreto presidencial que trata do cálculo do indexador das dívidas.
 


COMENTÁRIOS
André Gomide - 04/03/2016 09h55min
Como assim não foi concedido nenhum aumento na sua gestão? O senhor Sartori autorizou na sua gestão o aumento de Juízes, Desemgadores,Promotores, Procuradores de Justiça, Procuradores do Estado Deputados, Secretários,sua esposa e ao seu próprio salário....o jornalismo está com amnésia??? E outra, insinuar e creditar a culpa pelo suposto déficit na conta sos servidores é cretino. Passam anos o discurso sempre é o mesmo...vítima é condenado como réu fosse. E a culpa da classe política???Onde fica?

DEIXE SEU COMENTÁRIO CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR
LEIA TAMBÉM
Portaria limita a R$ 14,2 bilhões gastos de custeio do Executivo Contas fecham mês no azul após oito meses Governo gaúcho define até sexta se parcela ou paga integralmente servidores Estado ingressa com ação judicial para reduzir dívida

 EDIÇÃO IMPRESSA

Clique aqui
para ler a edição
do dia e edições
anteriores
do JC.


 
para folhear | modo texto
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
Digite o resultado
da operação matemática
neste campo