Porto Alegre, quinta-feira, 31 de março de 2016. Atualizado às 00h10.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
22°C
31°C
21°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 3,6200 3,6220 0,46%
Turismo/SP 3,6200 3,7800 0,52%
Paralelo/SP 3,6200 3,7800 0,52%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral | Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas | GeraçãoE
ASSINE  |   ANUNCIE  |   ATENDIMENTO ONLINE
COMENTAR CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR
Repórter Brasília Edgar Lisboa


Repórter Brasília

Notícia da edição impressa de 31/03/2016

Outros desembarques

LUCIO RENATO JR/AGÊNCIA CÂMARA/DIVULGAÇÃO/JC
Renato Molling

Depois do desembarque do PMDB, a saída da base se tornou algo próximo da realidade para outros partidos. O PP, por exemplo, está rachado sobre o abandono do governo. Em reunião na Câmara para decidir sobre a independência, o único consenso foi o pré-agendamento de outra reunião após a conclusão da Comissão de Impeachment. Mesmo assim, no dia 12 de abril, os diretórios vão votar. Dos 49 deputados do PP, 20 são favoráveis ao rompimento. Parlamentares da legenda chegaram a pedir assinaturas para sair do governo e conseguiram 22. O partido está rachado da mesma maneira que o PMDB: geograficamente. Parlamentares do Norte e Nordeste tendem a defender a permanência, enquanto os do Sul e Sudeste tendem pelo desembarque. Como o PMDB, as alianças locais dos progressistas contam muito. "Enquanto no Sul uma aliança com o PT é suicídio político, no Norte e no Nordeste, é uma condição para sobreviver", disse um interlocutor da sigla. Outro fator que poderá causar racha é que a saída formal do PMDB criou um vácuo de cargos. Só de ministérios serão, em tese, sete a ser ocupados. Com isso, outros partidos poderão aumentar a influência no Executivo. "Com a saída do PMDB, os outros comem os restos", ironizou o deputado federal Luis Carlos Heinze (PP). "Não há governabilidade, cargo deixou de ser moeda de troca", disse o deputado Renato Molling.
Sai, mas não sai
O desembarque de qualquer partido não significa que o governo ficará sem o apoio de parlamentares dessa legenda, mas sim que as fissuras intrapartidárias ficarão maiores. O efeito dominó que o Planalto tanto temia está acontecendo, mas o racha geográfico dos partidos da base significa que parte continua apoiando a presidente Dilma Rousseff (PT). Formalmente, a base cai de 304 para 216 deputados com a saída do PMDB. Para barrar o impeachment, o governo precisa de 171 votos. Como aconteceu com o PSB, cuja saída gerou divisão sem precedentes dentro da legenda, muitos peemedebistas continuarão votando com o governo. Dilma chamou aliados para uma reunião no Planalto para costurar a base pós-PMDB e, de certa forma, pós-partidária. O governo pretende usar esses rachas geográficos a seu favor e conseguir uma maioria independente de partido.
Instrumento de intimidação
Um panfleto distribuido pela Central Única dos Trabalhadores na Rodoviária de Brasília chamou a atenção da senadora gaúcha Ana Amélia Lemos (PP). O papel contém ameaças como o fim dos concursos públicos, dos reajustes salariais, direitos trabalhistas e programas sociais caso o impeachment se concretize. "É o mesmo instrumento de intimidação usado nas eleições de 2014 para garantir a reeleição." A senadora vem mostrando as ironias da conduta do PT quanto ao impeachment. Segundo ela, entre 1990 e 2002, o partido apresentou 50 pedidos diferentes para os três presidentes do período: Fernando Collor, Itamar Franco e Fernando Henrique Cardoso.
COMENTÁRIOS
Deixe seu comentário sobre este texto.



DEIXE SEU COMENTÁRIO CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR
LEIA TAMBÉM
Retorno quase zero
A carga tributária abocanhou 35,4% do Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro em 2014, totalizando R$ 1,97 trilhão
Comissão confusa
A comissão do impeachment, que começou mal ajambrada no ano passado e foi parar no Supremo Tribunal Federal (STF), dá sinais de que terá uma existência confusa e complicada do início ao fim
Superplanilha da Odebrecht
A operação que encontrou planilhas da Odebrecht com pagamentos para 200 políticos tem 47 políticos gaúchos envolvidos
Mais qualidade para o chocolate

 EDIÇÃO IMPRESSA

Clique aqui
para ler a edição
do dia e edições
anteriores
do JC.


 
para folhear | modo texto
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
Digite o resultado
da operação matemática
neste campo