Porto Alegre, quinta-feira, 17 de março de 2016. Atualizado às 23h31.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
25°C
28°C
23°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 3,6500 3,6520 2,32%
Turismo/SP 3,6100 3,8000 4,28%
Paralelo/SP 3,6100 3,8000 4,28%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral | Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas | GeraçãoE
ASSINE  |   ANUNCIE  |   ATENDIMENTO ONLINE
COMENTAR CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR
Repórter Brasília Edgar Lisboa


Repórter Brasília

Notícia da edição impressa de 18/03/2016

Processo de impeachment

GILMAR LUÍS/JC
Luis Carlos Busato (PTB)

Edgar Lisboa

O impeachment da presidente Dilma Rousseff (PT) começou depois de inúmeros rodeios. A decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) de rejeitar o recurso do presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), fez com que os líderes corressem para indicar a comissão do impeachment. A votação correu sem maiores transtornos, com apenas um deputado votando contra a composição. Mas, ao contrário de dezembro do ano passado, quando o governo queria acelerar a tramitação do processo, agora fica bem mais difícil. O processo de impeachment começou com a base completamente esfacelada. De acordo com parlamentares, de cada oito peemedebistas, cinco são favoráveis ao impeachment e três contra. Um movimento dentro do PP já reuniu 20 assinaturas pedindo para deixar a base. O PTB, um dos maiores aliados do governo, tem 12 deputados querendo deixar de apoiar o Planalto. O PDT também está trilhando o mesmo caminho. O que pode ter contribuído com a fuga em massa de aliados é a "defesa feita pelo PT de alguém que nem está mais no governo", como disse o deputado federal gaúcho Luis Carlos Busato (PTB) em referência ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT). "Essa insistência do PT em defender companheiros que não tem nada a ver com o atual governo fez muita gente repensar o apoio", explicou. Busato é o único gaúcho na comissão do impeachment que não deu opinião sobre o processo. É parte da estratégia do PTB de conseguir a relatoria. O líder da legenda, Jovair Arantes, tem grandes chances de ser relator do impeachment, então "emitir opinião agora contaminaria o processo", diz Busato.
Petistas rápidos na defesa
Os petistas foram rápidos em defender Lula. De acordo com o deputado federal gaúcho Elvino Bohn Gass (PT), nenhum partido pode acusar Lula sem antes olhar para si. "A oposição vem aqui dizer que o Lula assumiu o cargo de ministro da Casa Civil porque ele estaria querendo se proteger. Não é verdade. Eduardo Azeredo, do PSDB, deixou de ser deputado para não passar pelo STF. Arruda, do DEM, do PFL, deixou de ser deputado para não passar pelo STF. O STF não vai poupar ninguém. Todos estão sujeitos à lei. O Lula está, Eduardo Cunha (PMDB) está, Aécio Neves (PSDB) está, todos estão. Então, vamos afastar esse pensamento de que ele foi para lá para se proteger." De acordo com ele, a escolha de Lula seria para "tirar o Brasil da crise". Já o deputado federal gaúcho Nelson Marchezan Jr. (PSDB) repudiou o argumento de Bohn Gass. "Os seus defensores vêm aqui com o único argumento de defesa que eles têm para essa lama que os sufoca até às narinas: tentar enlamear os outros. Não há defesa, não há argumento, não há racionalidade. Querem apenas tentar imputar algum outro fato a alguma outra pessoa da oposição ou da própria base do governo que não concorde com eles."
COMENTÁRIOS
Deixe seu comentário sobre este texto.



DEIXE SEU COMENTÁRIO CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR
LEIA TAMBÉM
Metralhadora de Delcídio
Cada vez que o senador Delcídio Amaral (ex-PT-MS) abre a boca, ele comprova o tino para homem-bomba
Incompetência e inércia
As manifestações de 13 de março apontaram numa direção única e com muita clareza de propósito
Protestos divididos
Os protestos pedindo o impeachment da presidente Dilma Rousseff (PT) aconteceram no dia 13 de março, exatos 52 anos depois do comício na Central do Brasil
Nó de marinheiro
A oposição já estava em obstrução e deve continuar até a comissão do impeachment ser definida

 EDIÇÃO IMPRESSA

Clique aqui
para ler a edição
do dia e edições
anteriores
do JC.


 
para folhear | modo texto
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
Digite o resultado
da operação matemática
neste campo