Porto Alegre, segunda-feira, 07 de março de 2016. Atualizado às 22h42.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
22°C
30°C
19°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 3,7940 3,7960 0,93%
Turismo/SP 3,6500 3,9500 2,06%
Paralelo/SP 3,6500 3,9500 2,06%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral | Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas | GeraçãoE
ASSINE  |   ANUNCIE  |   ATENDIMENTO ONLINE
COMENTAR CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR
Repórter Brasília Edgar Lisboa


Repórter Brasília

Notícia da edição impressa de 08/03/2016

Briga de sujos com mal lavados

FREDY VIEIRA/JC
Pompeo de Mattos (PDT)

No Congresso Nacional, a polarização tomou forma de um grupo "fora Dilma" e outro "fora Cunha". Para o deputado federal gaúcho Pompeo de Mattos (PDT), é apenas uma briga entre ex-aliados. "Nós assistimos, toda semana, embates duros entre um grupo expressivo desta Casa, liderado pelo presidente Eduardo Cunha (PMDB-RJ), batendo forte no PT, na presidente Dilma Rousseff (PT), enfim, no governo. Por outro lado, um grupo importante, forte e representativo do PT bate em Eduardo Cunha, pedindo a sua cassação. Estavam juntos lá na Petrobras, misturando o pouco, que era deles, com o muito, que era do povo. E agora, depois de avançarem as investigações da Petrobras, brigam, uma vez descoberto tudo aquilo que lá aconteceu. Não passa de outra coisa, senão a briga dos sujos com os mal lavados", disse.
Até o inferno
Para Pompeo de Mattos, seria melhor se o PDT ficasse fora do imbróglio. O partido não tem ninguém envolvido no esquema de corrupção investigado pela Operação Lava Jato, mas é parte da base. "Como integrante do partido, sei, respeito e estou junto com a direção nacional do meu partido. Vou estar onde o PDT estiver. Se o PDT for para o inferno, vou junto, na ânsia de amansar o diabo. Mas a verdade é que a coisa está ficando ruim, a coisa está ficando difícil, e eu gostaria que o meu partido estivesse fora de tudo isso", afirmou o parlamentar.
Pornô e gênero
O deputado federal gaúcho Nelson Marchezan Jr. (PSDB) recomendou ao Conselho de Ética o arquivamento da representação feita pelo PSD contra o deputado Jean Wyllys (P-Sol-RJ) por suposta calúnia e difamação contra o deputado João Rodrigues (PSD-SC). De acordo com Marchezan, os fatos não configuram quebra de decoro e resultaram de debates acalorados. "Jean Wyllys foi interpelado e respondeu dentro dos procedimentos regimentais." O relator acrescentou que "o trato não foi adequado", mas não é passível de censura, por representar livre manifestação do pensamento de parlamentares que defendem interesses opostos. Wyllys e Rodrigues discutiram na sessão do plenário da Câmara dos Deputados de 28 de outubro de 2015, durante debates em torno da proposta que revoga o Estatuto do Desarmamento. Rodrigues disse que Wyllys pertencia à "escória da política" por suas posições em relação a drogas e à ideologia de gênero. Wyllys rebateu com referências a uma suposta condenação de Rodrigues por improbidade administrativa e a um vídeo pornô visualizado durante sessão do plenário.
Isenção para equipamentos esportivos
O deputado federal gaúcho João Derly (Rede) apresentou uma emenda à Medida Provisória nº 693/15, que trata de medidas tributárias referentes às Olimpíadas de 2016 e permite o porte de arma a auditores da Receita Federal. O texto apresentado por Derly estende a 2022 a isenção do IPI para a compra de equipamentos esportivos.
COMENTÁRIOS
Deixe seu comentário sobre este texto.



DEIXE SEU COMENTÁRIO CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR
LEIA TAMBÉM
Semana ruim para o PT
Primeiro foi a delação do senador Delcídio Amaral (PT-MS), que acusou a presidente Dilma Rousseff (PT) e o ex-presidente Luís Inácio Lula da Silva (PT) de estarem no epicentro do esquema de desvio de recursos da Petrobras
Reunião antibomba
A presidente Dilma Rousseff (PT) e os governadores deverão se reunir nesta sexta-feira para tentar chegar a um acordo sobre o projeto que muda o pagamento dos juros das dívidas dos estado
Dilma e o PT
Reforma da Previdência, lei antiterrorismo e fim do monopólio da Petrobras no pré-sal
Futuro de Cunha
O Supremo Tribunal Federal deve decidir hoje se o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), será réu na ação da Procuradoria-Geral da República que o acusa de ter recebido US$ 5 milhões de propina em contratos da Petrobras

 EDIÇÃO IMPRESSA

Clique aqui
para ler a edição
do dia e edições
anteriores
do JC.


 
para folhear | modo texto
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
Digite o resultado
da operação matemática
neste campo