Porto Alegre, quinta-feira, 17 de março de 2016. Atualizado às 23h31.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
25°C
28°C
23°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 3,6500 3,6520 2,32%
Turismo/SP 3,6100 3,8000 4,28%
Paralelo/SP 3,6100 3,8000 4,28%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral | Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas | GeraçãoE
ASSINE  |   ANUNCIE  |   ATENDIMENTO ONLINE
COMENTAR CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR
Palavra do Leitor Roberto Brenol Andrade


Palavra do Leitor

Notícia da edição impressa de 18/03/2016

Transporte coletivo

Na edição do Jornal do Comércio de 10/03/2016, na página 2, coluna Frases e Personagens, consta um comentário, colocado entre aspas, feito pelo ilustre vice-prefeito Sebastião Melo (PMDB), ao qual quero me reportar. Quando fui prefeito da Capital (1989/1992) pela Frente Popular (PT, PCB, PCdoB, PSB), depois de um lock out praticado por empresas do setor, intervimos (não encampamos) em seis das 14 empresas permissionárias do transporte coletivo de Porto Alegre. Isso serviu para pôr ordem e clarear a prestação desse serviço. Excluiu-se do cálculo tarifário o custo de vans e ônibus de turismo e recreação que ali estava embutido e "otras cositas más". A receita do sistema ganhou mais transparência, mas isso não foi suficiente ainda para melhorar o sistema que claudicava com uma frota de ônibus aos pandarecos. Discutiu-se com a população usuária e a ATP uma alternativa. Nas reuniões do OP e do Conselho Municipal dos Transportes, as discussões foram acaloradas. Aprovou-se, ao final, por maioria, o "plus tarifário" com data de início e fim para vigorar e aplicação exclusiva na renovação da frota. O que de fato aconteceu. Prevaleceu o interesse público, e a cidade se enriqueceu com dezenas de ônibus novos circulando pelas diversas linhas, atendendo melhor a população e propiciando melhores condições de trabalho aos rodoviários(as). É verdade, não conseguimos estender o controle público direto ao caixa do sistema. Essa é uma luta séria, boa e que continua nos dias de hoje. (Olívio Dutra, PT, ex-prefeito da Capital e ex-governador do Estado)
Manifestações
A senha para o golpe de Estado contra as instituições democráticas no Brasil já foi dada exatamente como em março de 1964, agora, também em março de 2016, com conservadores, reacionários, entreguistas, direitistas e fascistas (basta ver fotos da manifestação de domingo, dia 13 de março passado, quando vários indivíduos trajando roupa verde e amarela faziam, sem o menor constrangimento, a saudação nazi-fascista). A História se repete, não em forma de farsa, mas real, como tragédia para todas as forças progressistas, populares, de esquerda, nacionalistas e patrióticas. (Giovanni G. Vieira)
Nizan Guanaes
Fantástico o artigo Acredito no futuro, de Nizan Guanaes (coluna Opinião Econômica, Jornal do Comércio, 15/03/2016). Um dos melhores que vi nos últimos tempos. (Jocelito André Salvador, Caxias do Sul/RS)
Futebol
Querem que o futebol gaúcho seja valorizado, usando até nomes pomposos para o nosso campeonato. No entanto, as análises posteriores ao jogos da dupla Grenal são de uma viés tendencioso sem igual. Ouvi comentaristas falarem do "fiasco" do Internacional no Beira-Rio. Mas como? Então, o São Paulo que venceu o Grêmio lá em Rio Grande veio à Capital apenas para constar? Não deveria empatar e até tentar ganhar? Pobre futebol gaúcho. (Marcos T. Weber, Porto Alegre)
COMENTÁRIOS
Deixe seu comentário sobre este texto.



DEIXE SEU COMENTÁRIO CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR
LEIA TAMBÉM
Empresas & Negócios
Causaram estranheza as recentes declarações do embaixador da Tailândia ao Jornal do Comércio, quando de sua recente visita ao Rio Grande do Sul
Transporte público
Creio que considerável parcela de passageiros de transporte público nesta Capital tenha muito que reclamar de certos profissionais dos veículos que os atendem
Renúncia fiscal
Venho notando, por parte dos governos federal e estadual, uma significativa renúncia fiscal a título de incentivo para vários projetos de interesse do Estado e do País como, por exemplo, os projetos culturais
Solo Criado
Em Porto Alegre, o cálculo do preço de balcão do Solo Criado inclui um fator de estímulo à sua compra e aplicação em zonas mais densas

 EDIÇÃO IMPRESSA

Clique aqui
para ler a edição
do dia e edições
anteriores
do JC.


 
para folhear | modo texto
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
Digite o resultado
da operação matemática
neste campo