Porto Alegre, quinta-feira, 31 de março de 2016. Atualizado às 21h17.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
24°C
32°C
21°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 3,5950 3,5970 0,69%
Turismo/SP 3,5800 3,7500 0,79%
Paralelo/SP 3,5800 3,7500 0,79%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral | Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas | GeraçãoE
ASSINE  |   ANUNCIE  |   ATENDIMENTO ONLINE
COMENTAR CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR
Cinema Hélio Nascimento


Cinema

Cinema Notícia da edição impressa de 01/04/2016

A investigação

James Vanderbilt, o diretor de Conspiração e poder, é um estreante em longa-metragem. Antes, ele havia trabalhado como roteirista em filmes destinados a um público amplo, como dois da série dedicada ao Homem-Aranha. É, portanto, possível dizer que provavelmente não seria o nome indicado para realizar um filme como este no qual o tema desenvolvido, o da imprensa em conflito com interesses poderosos, pediria um realizador com mais experiência. Mas seu filme, no qual ele também é o roteirista, merece ser conhecido. A presença no elenco do ator Robert Redford, um dos protagonistas do hoje clássico Todos os homens do presidente, realizado por Alan J. Pakula em 1976, é uma referência óbvia a uma obra que soube reconstituir com precisão e dramaticidade todo o processo que culminou com a renúncia do presidente Richard Nixon, depois que dois jornalistas do Washington Post descobriram e divulgaram as ligações entre a Casa Branca e atividades ilegais de elementos ligados ao partido que então administrava o país. O episódio é conhecido de todos e sua citação em passagens do filme de Vanderbilt só contribui para a impressão de que o filme atual segue um modelo, diante do qual é obra sem o mesmo impacto, até porque a falta de uma prova definitiva terminou por permitir que o processo fosse concluído sem que o candidato à reeleição tivesse sido prejudicado. Foram os denunciantes que tiveram suas carreiras prejudicadas e agora absolvidos pelo filme, que é baseado em livro escrito por Mary Mapes, que esteve à frente do trabalho investigativo. O filme adota, assim, o ponto de vista da jornalista interpretada por Cate Blanchett, externando a opinião de que a confusão gerada por documentos tidos como forjados não é suficiente para absolver o presidente.
O filme, portanto, se envolve numa discussão que coloca o formalismo legal como o centro de tudo. E no epílogo, com o belo discurso de Dan Rather, a narrativa também presta homenagem a Frank Capra, o cineasta que tanto apreciava encerrar seus filmes com manifestações de crença no ser humano e naqueles valores que estão acima de conflitos passageiros e de figuras que serão devidamente julgadas pela história. O cinema americano aprecia muito essas cenas finais em que os heróis são aplaudidos e os vilões devidamente punidos, sendo assim concretizado o desejo dos espectadores. É o que acontece no filme de Vanderbilt, que, além de reconstituir um episódio no qual a ação de jornalistas investigativos não alcançou o objetivo, é mais um a expor de maneira clara que os empecilhos colocados diante da imprensa podem comprometer o funcionamento integral de uma sociedade regida por princípios democráticos.
Mas a obra, embora seus méritos e o valor de suas colocações, não parece dirigida por um realizador à altura de outro tema que surge claramente nas imagens e situações e fica carecendo de um desenvolvimento mais profundo. O poder representa para a protagonista uma outra força, que a persegue e da qual ela não consegue livrar-se. Ela trabalha com um homem mais velho, claro substituto da imagem paterna. Numa das últimas cenas ela chega a chamar o colega pelo nome simbólico. A violência praticada pelo pai não aparece em cena, sendo o martírio infantil apenas mencionado nos diálogos. A temática do indivíduo diante do poder é algo que supera acontecimentos manifestos durante a narrativa. O impulso que move a protagonista diante de possíveis distorções do sistema deriva de acontecimentos passados. A atuação da jornalista não é algo menor devido a tal fato. Porém o filme o coloca em segundo plano, mesmo que não o oculte e até por ele mostre interesse. Tudo isso parece difícil para o realizador, que prefere encerrar a narrativa com a glorificação de um jornalismo que não se deixa intimidar, até porque protegido por normas interessadas em manter valores indispensáveis ao funcionamento de um estado democrático. E nas cenas da comissão investigativa, cujos membros parecem autômatos agindo nas sombras, o realizador outra vez se aproxima de Pakula, um cineasta que sempre se interessoupor colocar na tela ameaças não devidamente identificadas, mas presentes em momentos de crise.
COMENTÁRIOS
Deixe seu comentário sobre este texto.



DEIXE SEU COMENTÁRIO CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR
LEIA TAMBÉM
Abelhas e vespas
O diretor Bill Condon tenta agora uma espécie de recomeço com este Sr. Holmes, de certa maneira uma retomada do que ele havia proposto com Deuses e monstros
A casa e a floresta
As fantasias humanas são as forças da criação de monumentos artísticos como também se encontram na raiz de comportamentos derivados da incompreensão diante da realidade
A indesejada
A contribuição do diretor Hector Babenco ao cinema brasileiro não deve, de forma alguma, ser subestimada
A bússola e as estrelas
O filme colombiano O abraço da serpente, dirigido por Ciro Guerra, ambientado na Amazônia colombiana, foi um dos integrantes do quinteto que concorreu ao Oscar de filme estrangeiro

 EDIÇÃO IMPRESSA

Clique aqui
para ler a edição
do dia e edições
anteriores
do JC.


 
para folhear | modo texto
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
Digite o resultado
da operação matemática
neste campo