Porto Alegre, segunda-feira, 07 de março de 2016. Atualizado às 19h33.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
24°C
30°C
19°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 3,7940 3,7960 0,93%
Turismo/SP 3,6500 3,9500 2,06%
Paralelo/SP 3,6500 3,9500 2,06%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral | Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas | GeraçãoE
ASSINE  |   ANUNCIE  |   ATENDIMENTO ONLINE
COMENTAR CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR

Conciliação Notícia da edição impressa de 08/03/2016. Alterada em 07/03 às 19h33min

Central da prefeitura quer desafogar o Judiciário

MARCELO G. RIBEIRO/JC
De acordo com a procuradora Carmem Lúcia Petersen, 80% dos pedidos de indenização são deferidos

Jessica Gustafson

O Brasil ultrapassou no ano passado a marca de 100 milhões de processos em tramitação no Judiciário, segundo cálculo do Conselho Nacional de Justiça. Deste total, 30% têm o ente público como parte autora ou réu. Diversas inciativas vem sendo criadas para reduzir o número de ações na Justiça, entre elas a obrigatoriedade da realização de audiências de conciliação e mediação trazida pelo novo Código de Processo Civil (CPC). Em julho de 2015, foi sancionada ainda a Lei da Mediação, que trata do tema no âmbito privado e da administração pública. Se adequando aos novos conceitos, o prefeito José Fortunati sancionou em dezembro a lei que cria a Central de Conciliação em Porto Alegre, vinculada à Procuradoria-Geral do Município (PGM).Atualmente, as três câmaras que a compõem - Câmara de Indenizações Administrativa, Câmara de Mediação e Conciliação e Câmara de Conciliação de Precatórios - estão sendo regulamentadas e estruturadas e devem entrar em funcionamento nos próximos meses. Dois grupos foram designados para tratar da formulação do serviço. A criação do espaço é pioneiro no País.
De acordo com a procuradora Carmem Lúcia Petersen, coordenadora da Central, a medida visa a desafogar o Judiciário e a mudar a mentalidade de que os problemas só são resolvidos por via judicial. "A Central de Conciliação irá usar os métodos de mediação e conciliação na resolução de conflitos, tanto os administrativos quanto os judiciais, que envolvam o município. Desde 1999, já funciona a Junta Administrativa de Indenizações (JAI) e observamos que as pessoas vem para as audiências e ficam muitos surpresas com o fato de que entram administrativamente, não gastam com advogado, o processo é simplificado e situação é solucionada", explica. De acordo com ela, a central ampliará o trabalho que vinha sendo desenvolvido e trabalhará com situações que envolvam as autarquias do município, como Departamento Municipal de Água e Esgotos (Dmae) e o Departamento Municipal de Limpeza Urbana, além das secretarias.
Segundo dados da JAI, em 2014, 45,76% dos conflitos eram relativos a buracos na via, que causaram danos em automóveis. Em 2015, esse tipo de situação correspondeu a 40,41% da demanda. A segunda situação mais frequente em 2014, foi a queda de vegetais em veículos, com 16,95% da demanda. Em 2015, o problema correspondeu a 13,01% dos processos trabalhados pela junta. Outras reclamações que chegaram a junta nos últimos dois anos com frequência foram vegetais que caíram sobre propriedades ou muros, danos ao pedestre em decorrência de buracos na via e alagamentos. As secretarias envolvidas nos temas do conflito são informadas sobre os processos, no sentido de corrigir as falhas existentes.
Para ingressar com um pedido de resolução do problema ou indenização, o cidadão deve ir ao Protocolo Administrativo da prefeitura, localizado na rua Sete de Setembro, n° 11.23º. "O processo é simplificado, mas a pessoa precisa juntar o máximo possível de informações sobre o dano e três orçamentos. Se a pessoa já fez a compra, como por exemplo de um pneu que furou na via, ela precisa trazer a nota fiscal. Se tiver uma testemunha, pode ser indicada também. Outras provas podem ser anexadas, como fotografias e vídeos. Com esses elementos, repassamos a situação para a área técnica que vai até o local e verifica", informa a coordenadora.
Segundo ela, o pedido de indenização administrativa não impede que, se indeferido, a pessoa ingresse pela via judicial. Entretanto, normalmente, isso não ocorre, pois cerca de 80% dos pedidos são deferidos. "Inversamente ao que acontece no Judiciário, quem busca as provas é a prefeitura. Nós realmente queremos saber se aquela informação procede. Na maioria das vezes, a área técnica confirma que o município foi omisso naquela área. Também não existe um valor teto para as indenizações, mas os pedidos que forem deferidos com valor superior a R$ 34,721 mil vão ser reexaminados pelo prefeito", conta Carmem.
COMENTÁRIOS
Deixe seu comentário sobre este texto.



DEIXE SEU COMENTÁRIO CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR
LEIA TAMBÉM
PGU quer mudar 'fama' da União de protelar decisões
Balanço revela recorde de acordos na 10ª Semana Nacional

 EDIÇÃO IMPRESSA

Clique aqui
para ler a edição
do dia e edições
anteriores
do JC.


 
para folhear | modo texto
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
Digite o resultado
da operação matemática
neste campo