Porto Alegre, quarta-feira, 17 de fevereiro de 2016. Atualizado às 19h21.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
27°C
37°C
25°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 3,9920 3,9940 1,89%
Turismo/SP 3,7500 4,1700 0,47%
Paralelo/SP 3,7500 4,1700 0,47%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral | Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas | GeraçãoE
ASSINE  |   ANUNCIE  |   ATENDIMENTO ONLINE
COMENTAR CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR

Educação 17/02/2016 - 20h16min. Alterada em 17/02 às 20h21min

Ministra quer anular edital para vagas em faculdades de medicina

Folhapress

A ministra do TCU (Tribunal de Contas da União) Ana Arraes, relatora do processo no órgão que analisa o edital do ministério da Educação para abertura de faculdades de medicina no país, sustentou que - por erro do governo - o procedimento deve ser anulado. 
Se a maioria dos ministros do órgão concordar com ela, ficam ameaçadas a abertura de 2.290 vagas de medicina no país abertas ano passado. Há dois anos, na esteira do programa Mais Médicos, o governo federal passou a indicar os municípios em que poderiam ser abertas novas vagas de medicina. 
A partir dessa lista, coube ao MEC, então, selecionar as melhores propostas de faculdades particulares interessadas na disputa. Essa seleção, entretanto, motivou questionamentos na Justiça e recursos ao TCU, que já havia decidido suspender temporariamente processo. A decisão de anular a seleção, no entanto, não foi tomada nesta quarta-feira (17) porque o ministro do TCU Vital do Rego pediu vista do processo, o que suspendeu a votação. Há uma articulação de vários ministros do órgão para tentar rever a decisão da relatora que foi taxativa: para ela, o governo mudou a regra no meio do jogo o que torna todo o processo ilegal e, por isso, ele deve ser anulado. 
Inicialmente previsto para junho, o resultado final da seleção não foi confirmado devido aos problemas na Justiça. O principal motivo do conflito é a exigência, prevista no edital, de "capacidade econômico-financeira" das mantenedoras. As escolas argumentam que o documento não explicitou a forma como esse critério seria avaliado, nem indicou que a tarefa caberia à FGV Projetos, contratada pelo ministério. "A FGV estabeleceu nota de 1 a 10 e disse: 'abaixo da nota 6, não tem condições de abrir [curso de medicina]'. Isso deveria estar no edital, e não estava", reconheceu o ministro Aloizio Mercadante (Educação) em audiência na Câmara dos Deputados.
Para a ministra responsável pelo tema no TCU, os procedimentos adotados "descumpriram princípios basilares" da Lei de Licitações. "Admitir a publicidade posterior dos critérios de classificação propiciaria ao gestor mal-intencionado escolher a vencedora que lhe aprouvesse", disse a ministra Ana Arraes em despacho do fim do ano passado. Ao todo, o edital motivou sete ações na Justiça feita por instituições que se sentiram prejudicadas com a mudança nas regras.
COMENTÁRIOS
Deixe seu comentário sobre este texto.



DEIXE SEU COMENTÁRIO CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR
LEIA TAMBÉM
'Brasil pode ser pátria educadora a longo prazo' Resultado da segunda chamada do ProUni já está disponível na internet
Estudantes pré-selecionados têm de hoje (12) até o dia 18 de fevereiro para comprovar nas instituições de ensino as informações prestadas no momento da inscrição
MEC divulga hoje resultado do Fies Inscrições para o Fies 2016 começam nesta terça-feira

 EDIÇÃO IMPRESSA

Clique aqui
para ler a edição
do dia e edições
anteriores
do JC.


 
para folhear | modo texto
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
Digite o resultado
da operação matemática
neste campo