Porto Alegre, quinta-feira, 18 de fevereiro de 2016. Atualizado às 09h59.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
26°C
37°C
25°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 4,0140 4,0160 0,55%
Turismo/SP 3,7500 4,1700 0,47%
Paralelo/SP 3,7500 4,1700 0,47%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral | Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas | GeraçãoE
ASSINE  |   ANUNCIE  |   ATENDIMENTO ONLINE
COMENTAR CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR

Diplomacia Notícia da edição impressa de 16/02/2016. Alterada em 15/02 às 20h41min

Governo turco acusa Rússia de agir como organização terrorista

ADEM ALTAN/AFP/JC
Premiê Ahmet Davutoglu disse que Moscou tem atacado civis

Após a Rússia acusar a Turquia de ajudar extremistas e mercenários a entrar na Síria ilegalmente para lutar ao lado da milícia Estado Islâmico (EI), o primeiro-ministro turco, Ahmet Davutoglu, disse que o governo de Moscou atua como uma organização terrorista na Síria atacando civis e que a Turquia poderá responder de maneira "firme" à situação. Trata-se de mais um capítulo das trocas crescentes de acusações e insultos entre as duas nações, que se opõem sobre o destino do presidente sírio, Bashar al-Assad, apoiado por Vladimir Putin.
As relações diplomáticas entre Rússia e Turquia estão estremecidas desde que soldados turcos derrubaram um avião militar russo que supostamente invadiu o espaço aéreo do país. Os dois pilotos sobreviveram à queda, mas um deles depois foi morto por rebeldes sírios.
Na ocasião, Putin acusou a Turquia de ter se aliado ao EI e estar protegendo rotas de escoamento de petróleo usadas pelos extremistas. Segundo ele, a derrubada do avião foi "uma punhalada nas costas feita por cúmplices do terrorismo".
No fim de semana, a Turquia realizou incursões aéreas no território sírio para expulsar rebeldes curdos das imediações da cidade síria de Azaz, disse Davutoglu. De acordo com o primeiro-ministro, o objetivo dos curdos é conquistar regiões abandonadas pelos rebeldes com a intenção de criar um Estado autônomo.
No entanto, o ministro da Defesa turco, Ismet Yilmaz, negou os relatos de que soldados teriam entrado no território do país vizinho, como acusavam os governos da Síria e da Rússia. Segundo ele, Ancara não cogita enviar tropas à Síria.
De acordo com Damasco, mais de 100 homens armados entraram na Síria no sábado pela fronteira turca levando caminhões e armamentos para os rebeldes. Na semana passada, um cessar-fogo provisório foi acordado em Munique (Alemanha) entre as forças rebeldes e as do governo de Assad. No entanto, o pacto não incluiu as facções terroristas Estado Islâmico e Frente Al-Nusra, o que torna a suspensão da violência improvável.
Além disso, o Ministério das Relações Exteriores da Rússia disse ontem que aviões de combate do país continuarão a atingir alvos na região síria de Aleppo, independentemente de qualquer potencial cessar-fogo.
 
COMENTÁRIOS
Deixe seu comentário sobre este texto.



DEIXE SEU COMENTÁRIO CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR
LEIA TAMBÉM
China enviará representante para evento em Pyongyang
Irã rechaça novas sanções dos EUA

 EDIÇÃO IMPRESSA

Clique aqui
para ler a edição
do dia e edições
anteriores
do JC.


 
para folhear | modo texto
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
Digite o resultado
da operação matemática
neste campo