Porto Alegre, quarta-feira, 10 de fevereiro de 2016. Atualizado às 23h29.
Dia do Atleta Profissional.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
27°C
32°C
21°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 3,9340 3,9360 0,63%
Turismo/SP 3,7500 4,0300 0,24%
Paralelo/SP 3,7500 4,0300 0,24%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral | Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas | GeraçãoE
ASSINE  |   ANUNCIE  |   ATENDIMENTO ONLINE
COMENTAR CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR

Saúde Notícia da edição impressa de 11/02/2016. Alterada em 10/02 às 23h42min

Militares se preparam para combater o Aedes

ANTONIO PAZ/JC
Rio Grande do Sul mobilizará o terceiro maior contingente entre os estados brasileiros

Suzy Scarton

No próximo sábado, cerca de 20 mil militares estarão engajados naquela que vem sendo chamada de "guerra contra o Aedes" no Rio Grande do Sul. Somente em Porto Alegre, serão 2 mil homens e mulheres, que oferecerão informação e esclarecimento de dúvidas em bairros que apresentam maiores índices de infestação. Ontem, a Secretaria Municipal de Saúde (SMS) realizou uma palestra a fim de orientar cerca de 30 militares que, agora, têm a missão de replicar o conhecimento adquirido aos colegas que atuarão no sábado.
De acordo com o comandante de operações do Comando Militar do Sul, coronel André Álvares, neste primeiro momento, a ação se resume ao esclarecimento. "Claro que, se alguém achar um foco de fácil eliminação, já poderá ajudar nisso", garantiu. Somente os estados do Rio de Janeiro (71 mil) e São Paulo (21,5 mil) receberão mais militares que o Rio Grande do Sul. "Tem a ver com o efetivo. Temos um dos maiores contingentes do País", explicou Álvares.
No dia 13, somente os militares com funções administrativas essenciais serão mantidos nos quartéis. O restante atuará na conscientização das comunidades. Ao todo, no Brasil inteiro, mais de 200 mil militares estarão mobilizados. A lista dos bairros que receberão a visita na Capital será divulgada hoje.
A terceira fase da campanha contra o mosquito, que será realizada entre os dias 15 e 18 de fevereiro, consiste em visitas às residências. Os militares estarão acompanhados de agentes de saúde e inspecionarão focos de proliferação, orientando os moradores e eliminando os criadouros. Na primeira fase, iniciada em 29 de janeiro, as Forças Armadas realizaram um mutirão de limpeza em 1,2 mil unidades militares espalhadas pelo País.
Ontem à tarde, a Secretaria Municipal de Saúde (SMS) realizou mais uma operação de aplicação de inseticida, desta vez em parte do bairro Cristo Redentor, na zona Norte da Capital. A iniciativa se deu devido à suspeita de infecção por zika vírus em um paciente com histórico de viagem à Recife, em Pernambuco. Hoje, haverá aplicação do veneno em trechos dos bairros Rubem Berta e Camaquã. O motivo são duas contaminações por dengue, já confirmadas, em pacientes com histórico de viagens a São Paulo e ao Rio de Janeiro. A pasta recomenda que os moradores da região realizem vistoria criteriosa de criadouros nas residências, além do uso de repelente corporal e elétrico. Telas mosquiteiras também são indicadas.

Dilma pede apoio de igrejas cristãs para conter o zika vírus


A presidente Dilma Rousseff reuniu ontem líderes de religiões cristãs, no Palácio do Planalto, para pedir que mobilizem os fiéis na luta contra a epidemia do zika vírus. Como grande parte da população brasileira é cristã, se o assunto passar a ser tratado nas pregações de padres e bispos, haverá grande impacto no combate ao mosquito Aedes aegypti. "É preciso que as igrejas assumam seu papel social mobilizando seus fiéis para combaterem vários problemas ligados ao saneamento básico, mas, em específico, o combate ao Aedes aegypti", comentou o presidente da Aliança de Batistas do Brasil, Joel Zeferino.
Embora o assunto não tenha sido tratado com a presidente, os líderes religiosos defenderam que é preciso debater a descriminalização do aborto em meio à epidemia de zika. A posição vai de encontro à declaração da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), que se manifestou contrária à possiblidade, dizendo que o aumento do número de casos de microcefalia no País não justifica a medida.
COMENTÁRIOS
Deixe seu comentário sobre este texto.



DEIXE SEU COMENTÁRIO CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR
LEIA TAMBÉM
Ministro da Saúde defende lei contra o aborto, que exclui microcefalia Obama pede ao Congresso fundo de emergência para combate da zika Zika chega ao Estado e põe governo em alerta Governo paulista anuncia laboratório que produzirá pílula de fosfoetanolamina

 EDIÇÃO IMPRESSA

Clique aqui
para ler a edição
do dia e edições
anteriores
do JC.


 
para folhear | modo texto
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
Digite o resultado
da operação matemática
neste campo